Goo-Goo-Dolls-2019

Fala terráqueos como vão vcs??? Eu tô legal… Hoje é dia de nós falarmos de música. Eu acho que eu comentei nalgum post recente alguma coisa sobre o Rock In Rio… acho que eu estava falando do Bon Jovi… Mas, na mesma noite e no mesmo palco que tocou o Bon Jovi no festival também tocou outra banda que eu acompanho já tem um tempo… o Goo Goo Dolls.

E é sobre esta banda maravilhosa que vamos falar hoje aqui no blogue amiguinhos. O Goo Goo Dolls explodiu na década de 90, finalzinho da década de 90 se eu não me engano quando uma música deles foi o tema do filme “Cidade dos Anjos” com o Nicholas Cage e a Meg Ryan. Foi um dos maiores sucessos em comédia romântica da década este filme vcs já devem ter asssistido e a música “Íris” que era o tema do casal apaixonado alavancou a carreira da banda. Eu acho que a maiora das pessoas que vivem no planeta terra já ouviram esta música e já viram este filme pelo menos uma vez na vida.

Entretanto o que a maioria das pessoas não sabe é que o Goo Goo Dolls é uma banda que foi formada em 1986. E quando eles finalmente alcançaram o sucesso com seu pop rock alternativo eles já estavam no seu quinto albúm de estúdio chamado “A Boy Named Goo”. A canção “Íris” entrou no sexto albúm da banda “Dizzy Up The Girl”. A banda é formada  atualmente por: Johnny Rzeznik (nos vocais e nas guitarras), Robby Takac (no baixo e nos vocais) e Mike Malinin (na bateria – Anteriormente era George Tutuska na bateria).

Eles fizeram um show bem maneiro no Rock In Rio e uma das coisas que mais me impressiono na apresentação deles foi o vocal do Johnny Rzeznik, por alguns segundos eu cheguei a achar que era playback de tão clara e potente que estava a voz do rapaz. Mas não era, ele tava mandando muito bem ao vivo mesmo. A banda não ficou atrás. O Goo Goo Dolls lançou recentemente seu 16º album de estúdio chamado “Miracle Pill”, já está nas plataformas digitais de streaming, se vc tem assinatura desses serviços pode acessar lá… que é um bom trabalho deles.

Não chega a bater meu album favorito deles que até hoje ainda é o “Let Love In” de 2006 (seguido de perto pelo “Dizzy Up The Girl” e depois pelo “Magnetic” de 2013) mas acho que ele fica fácil num quarto lugar. É um daqueles albuns que vc consegue ouvir todas as faixas dem pular nenhuma. Então fica aí a recomendação desta banda e do som deles para vcs.

Vou terminando este post por aqui… Espero que vcs tenham curtido o texto de hoje. Caso tenham gostado, deixem um comentário. Bora interagir. Se vc tem um blogue também deixe aí o seu link para eu conhecer seu trabalho. É sempre bacana conhecer o trabalho de outros escritores e fazer novos amigos. E eu acho que é isso aí, amanhã como sempre estaremos de volta com mais uma postagem.

Abraços, Shao