replicas

Fala terráqueos como vão vcs??? Eu tô legal… Segundo filme do dia é um filme de ficção científica, eu sei que eu comecei o dia com um drama, bora mudar o tom então. E a bola da vez é um dos últimos filmes do Keanu Reeves… Keanu trabalha tanto… é treta acompanhar a carreira dele. Mas bora lá… ele estrela este drama de ficção científica chamado “Cópias – De Volta à Vida” (ou apenas “Replicas” no original em inglês).

Este filme foi lançado em janeiro nos EUA mas chegou bem atrasado no Brasil, em Abril se eu não me engano e foi o primeiro fracasso de bilheteria do ano de 2019. Foram gastos 30 milhões de dólares na produção do filme mas até o momento que eu estava escrevendo este texto ele tinha arrecadado apenas 8 milhões de dólares… 12 milhões de prejuízo… acontece! Ainda mais de uns tempos para cá onde as produções de ficção científica (tirando os filmes de herói) andam bem fora de moda. Entretanto… certeza que o terceiro filme de John Wick vai compensar as perdas deste filme para Keanu “O Escolhido” Reeves.

Eu particularmente gostei do filme, eu curto filmes de ficção científica. Se vc acompanha meu blogue já tem um tempinho vc sabe disso. Caso contrário… vcs ficam sabendo agora. E a história deste filme em questão é mais ou menos assim. Keanu é William Foster, um cientista que está junto a uma equipe bem grande, trabalhando para o governo mais especificamente para uma parte super secreta e militar do governo.

E o projeto desses cientistas é justamente trazer pessoas de volta à vida. Filme de zumbi Shao? Não… nada disso… o que eles  querem é pegar uma pessoa que morreu, fazer o download de todo o conteúdo do cérebro dela, de forma codificada, para um computador e então pegar essas memórias e colocá-las num corpo cibernético, de um robô super poderoso. Para muito provavelmente ser usado como uma arma em guerras. Eles conseguem fazer o download do conteúdo dos cérebros dos falecidos mas… quando chega na hora de fazer o upload… sempre dá algum problema.

Os militares por sua vez estão cansados dos fracassos na fase final do projeto e ameaçam cortar as verbas e acabar de vez com o projeto se não verem resultados. Pressionado então o Dr Foster finalmente consegue desenvolver a parte final do projeto. Mas antes que ele possa testar seu novo algorítimo… uma tragédia se abate sobre ele e sua família… Quando eles estão indo de carro passar um final de semana juntos o carro capota na estrada e toda a família dele morre… a mulher e os três filhos do casal. Apenas o Dr Foster sobrevive.

Desesperado, ele pede ajuda para seu amigo médico… os dois então pegam os corpos da família do médico, fazem o download do cérebro deles e então Foster meio que obriga o seu amigo a fazer clones de sua família… entretanto eles só conseguem clonar três pessoas por vez… Foster então clona sua mulher e seus dois filhos mais velhos. E então… com o novo algoritmo ele implanta as memórias de seus familiares falecidos nos corpos dos clones. E… dá certo… daí para frente então é o Dr Foster tentando proteger a sua família (de clones) dos militares, que querem apreendê-los como experimento. E ao mesmo tempo defender o algorítimo… porque depois de finalmente conseguir realizar o transplante ele começa a ver que talvez não tenha sido uma boa ideia desenvolver esta tecnologia.

Apesar da premissa parecer absurda para um caramba e ter várias falhas no roteiro é um filme divertido, sério… é sim… de novo, fala de família e de como ela é a coisa mais importante que temos e mostra a evolução emocional (uma evolução sutil e pouco explorada verdade) do personagem ao perder a sua família. Então se vc desligar o criticômetro e for assistir… dá pra se divertir. Eu gostei… e recomendo. Mas lembrem-se, vcs não podem levar o filme a sério.

Vou terminando este post por aqui… Espero que vcs tenham curtido o texto de hoje. Caso tenham gostado, deixem um comentário. Bora interagir. Se vc tem um blogue também deixe aí o seu link para eu conhecer seu trabalho. É sempre bacana conhecer o trabalho de outros escritores e fazer novos amigos. E eu acho que é isso aí, amanhã como sempre estaremos de volta com mais uma postagem.

Abraços, Shao