birdbox

Fala terráqueos como vão vcs??? Espero que vcs estejam bem! Eu tô legal… terceiro e último filme do dia… vai ser o badalado, o tão falado, o celebrado “Birdbox” da Netflix com a Sandra Bullock. Eu acho que eu fui a última da minha galera a assistir este filme, meus irmãos e meus amigos todos já tinham assistido e ficaram enchendo o meu saco para eu assistir, daí num final de semana eu falei, tá bo, tá bom… eu vou assistir daí eu fui ver. Até porque já tava ficando difícil driblar os spoilers nas internets da vida hahahaha.

Eu acho que todo mundo que está lendo este post já deve ter visto, de qualquer forma eu vou tentar ao máximo não dar spoiler. Então… para começo de assunto… deixa eu dizer que é um filme bacana, quer dizer, é um filmão… eu curti. Se vcs já assistiram o filme “Ensaio Sobre a Cegueira” vão perceber que é a mesma vibe de filme… É um terror psicológico pré apocalíptico de 2018 que foi baseado num livro homônimo de 2014 escrito por Josh Malerman, assim sendo se vcs assistiram ao filme e não foi o suficiente, leiam o livro, eu não li ainda, mas me disseram que é muito bom. Ele tem duas das minhas atrizes favoritas no elenco Sandra Bullock no papel principal e Sara Paulson no papel coadjuvante de irmã da Sandra Bullock.

A história do filme é mais ou menos assim… Marjorie (interpretada pela Sandra Bullock) começa o filme grávida e aparentemente descontente com a gravidez indo com a irmã Jéssica para o hospital meio que amarrada fazer o pré-natal. As duas comentam sobre uma nova doença, ou vírus, ou surtos que estão atacando pessoas em lugares distantes do mundo, as pessoas ficam “doentes” e então se matam. E ninguém sabe o que é. Mas a conversa para a impressão para quem está assistindo que as duas personagens acreditam que é uma coisa que está bem distante delas, não é uma doença que possa chegar de repente perto delas nem nada e por conta disso elas vão vivendo suas vidinhas normalmente.

Acontece que enquanto elas estão no hospital as coisas começam a ficar meio loucas. Uma mulher num corredor do hospital começa do nada, que nem uma louca bater a cabeça no vidro. Então baixa o desespero e as duas saem correndo do hospital e a cidade está um caos. Todo mundo correndo para lá e para cá e gente gritando e as coisas explodindo. E as duas entram no carro e saem em disparada e então… do nada… Jéssica vê alguma coisa passando na frente do carro e os olhos dela ficam diferentes e ela meio que enlouquece e capota o próprio carro numa tentativa de se matar. O carro capota mas nenhuma das duas morre, ficam apenas feridas, mas Jéssica ainda “possuída pela coisa” sai andando e se joga na frente de um caminhão e morre na frente da irmã.

No meio daquela confusão toda Marjorie vai parar numa casa com um monte de refugiados e lá eles acabam depois de muito penar, descobrindo mais ou menos o que está acontecendo. Parece que existem umas “entidades” ou uns “seres do além” que estão vagando pela terra, vindos não se sabem de onde e quando as pessoas vêm eles elas enlouquecem e se matam ou matam as outras pessoas. Ou fazem as outras pessoas olharem e também enlouquecerem.

A galera então se organizam em grupo para sobreviver e é aí que vc vai compreendendo as regras para se manter vivos. Jamais vc pode olhar para essas “entidades” apenas as pessoas cegas e os “loucos” conseguem olhar para essas “entidades” sem serem afetadas. É um filme bem tenso… durante o tempo que esstão escondidos na casa mais uma mulher grávida chamada Olímpia chega, e ela tenta fazer amizade com Marjorie mas as duas tem ideias muito diferentes sobre a vida.

Passa o tempo e as duas acabam dando a luz juntas, quase que ao mesmo tempo. Enquanto os bebês estão nascendo, um louco consegue se infiltrar na casa e mata várias pessoas do grupo de sobreviventes. Olímpia tem medo de que aconteça alguma coisa com ela, então ela pede para Marjorie cuidar de seu bebê se algo acontecer com ela. Marjorie promete. Quando as duas estão dando a luz o louco invade o quarto e consegue fazer com que Olímpia olhe para as criaturas e ela se mata, antes dela se matar Marjorie consegue salvar a filhinha de Olímpia.

Depois deste ataque, só sobrevivem Marjorie, um outro sobrevivente Tom e as duas crianças. Eles fogem da cidade e vão para o meio da floresta onde tem menos gente e menos risco deles se encontrarem com “lunáticos” e então os quatro vão lutar pela sobrevivência…  e eu não vou contar mais nada daqui para frente porque eu já contei coisa demais do filme e eu não quero dar mais spoilers. É um puta filmão de terror psicológico, não aparecem os monstros o que deixa vc mais aterrorizado ainda porque imaginar um monstro é sempre mais assustador que ver a coisa e se desapontar pensando… ahhhh era só isso?

O Filme também faz várias reflexões sobre o futuro da humanidade, e sobre como nós seres humanos estamos atualmente lidando com as outras pessoas e com o mundo ao nosso redor. Um dos maiores questionamentos do filme do personagem da Sandra Bullock é a eterna luta dela para aceitar o papel de mãe. O filme não se aprofunda muito no tema, mas ele nos passa a ideia que ela e a irmã meio que se criaram sozinhas, sem ter uma mãe muito presente então ela é bem relutante em ser mãe porque ela nunca teve uma, então ela perde a irmã desta forma traumática.

Então Marjorie passa o filme todo relutante em sua relação com Tom, e depois com as crianças… Ela desconfia de tudo e de todos. Mas Marjorie teve que enfrentar muitas dificuldades na vida, o que faz dela uma sobrevivente. Vc torce para ela, mesmo de vez em quando ela não sendo uma personagem fácil de se amar porque vc entende a hesitação dela em confiar nas pessoas. Em resumo meus amigos é um filmão, se vc ainda não viu, veja, se vc já viu pode ver de novo. 

Vou terminando este post por aqui… Espero que vcs tenham curtido o texto de hoje. Caso tenham gostado, deixem um comentário. Bora interagir. Se vc tem um blogue também deixe aí o seu link para eu conhecer seu trabalho. É sempre bacana conhecer o trabalho de outros escritores e fazer novos amigos. E eu acho que é isso aí, amanhã como sempre estaremos de volta com mais uma postagem.

Abraços, Shao