filosofando

Fala terráqueos como vão vcs??? Espero que vcs estejam bem! Eu tô legal… Eu estou um tanto quanto triste… porque eu fiquei sabendo de umas coisas, que estão acontecendo e que aconteceram ultimamente com a minha família estendida (avó, tios, tias, primos e primas) que me deixou extremamente chateada.

Eu não quero falar sobre o assunto… porque eu fico triste novamente, e com raiva… Mas eu não posso fazer nada para mudar essas coisas. Elas estão fora das minhas mãos. E como eu já disse aqui, eu tenho que cuidar de mim mesma. E infelizmente para eu ficar bem eu tenho que me afastar de várias dessas pessoas. E eu estava conversando sobre isso na terapia e minha terapeuta me disse que a gente repete certos padrões de comportamentos dos nossos pais, infelizmente não só coisas boas, mas também coisas ruins.

E eu vejo isso na dinâmica entre os membros da minha família sabe, coisas que meus bisavós faziam, foram repetidas pelos meus avós, faz anos são repetidas pelos meus tios e agora estão de novo sendo repetidas pela minha geração… Eu não tô me eximindo dessa repetição toda não… deve ter certamente alguma coisa que eu faço que é um reflexo do que meus mais velhos fizeram antes de mim… e nem é de propósito às vezes minha terapeuta disse que é um treco subconsciente. E claro, é mais fácil a gente reconhecer esses padrões nos outros que em nós mesmos.

Mas não sei, de repente reconhecer nos outros talvez seja o primeiro passo no caminho de reconhecer em nós mesmos esses comportamentos e então talvez a gente possa sair do círculo vicioso… não sei… A gente estava conversando também sobre como geralmente é mais fácil vc se enquadrar naquele modelo pré-determinado que a sua família meio que acredita que seja o ideal para vc afinal de contas vc é um deles não é mesmo? E quando vc não se enquadra vc é a ovelha negra. Mas mesmo vc sendo a ovelha negra eles não vão desistir de manter vc ali naquele círculo vicioso com eles então eles vão criticar qualquer atitude ou escolha diferentona que vc faça.

Eu sempre fui uma das ovelhas negras da família, eu sei como é… não querer ficar dentro da caixinha. É mais fácil realmente não ter que ficar defendendo sua postura, sua ideia de certo e errado todo o instante, toda a sua vida. Não é fácil quebrar o círculo vicioso… Mas o que me intriga é… porque a gente repete esses padrões de comportamento, mesmo não concordando com eles? Porque nosso subconsciente faz com que a gente recrie esses comportamentos ruins na nossa vida? Os bons vá lá… mas os ruins?

Minha mãe passou a vida toda dela cuidando dos outros, dos irmãos enquanto os pais trabalhava, dos maridos (ela se casou duas vezes), dos filhos, depois dos pais velhos… nunca deixou de cuidar dos irmãos também. E nunca cuidou dela mesma… então ela ficou doente. Mesmo a grande maioria dessas pessoas não merecendo o cuidado que ela tinha para com eles, a grande maioria dessas pessoas achando que ela não fazia mais que a obrigação e muitas vezes maltratando ela e não tendo a menor consideração por ela.

E o que eu fiz quando ela ficou doente? Eu cuidei dos meus irmãos, da casa, dela, do meu trabalho, dos meus avós… e fiquei doente, e fiquei ainda mais doente depois que ela morreu. E agora eu vejo a forma como meus tios estão “cuidando” da minha vó e eu não concordo e o que eu quero fazer? Eu quero ir lá e cuidar da minha vó… porque para mim é meu dever moral, mesmo que não seja meu dever legal, porque afinal de contas ela tem cinco filhos vivos ainda. Mas eu acho que eu posso cuidar melhor que todos eles… mesmo eu sabendo que isso seria péssimo para mim, para minha saúde. E por quê eu faço isso? Não sei!!! Eu tô tentando descobrir na terapia.

De acordo com coisas que eu li os psicólogos acreditam que repetimos o comportamento nocivo porque existe alguma emoção negativa ou alguma crença qualquer que de alguma forma nos limita e nos prende nesse círculo vicioso, que nada mais é que um reflexo dessa nocividade que está presa no nosso inconsciente. Então a gente tem que localizar, saber o porque e tirar isso da gente.

É fácil não fazer? É fácil dizer – Não, eu não posso ir em Carapicuíba fazer isto e aquilo pra vó, porque eu trabalhei 9 horas, estudei mais sete horas e tenho que dormir pelo menos oito pra poder trabalhar amanhã de novo… – Não é fácil, eu não faço e fico me perguntando, e agora, quem vai fazer. Ela precisa que alguém faça… não me custa nada…

Mas custa sim… pior é que custa, maior parte das vezes eu fico mal quando eu tenho que conviver com alguns membros da minha família. Custa minha paz de espírito, custa minha saúde. Quantas vezes eu não fui parar no hospital por fazer mais do que eu podia, por bater boca com este e aquele, por passar nervoso? Custa caro demais pra mim… e então eu tive que me afastar mesmo sabe? Mas é fácil cortar laços assim? Não… não é, é emocionalmente esgotante. Mas eu tô tentando romper o padrão do mal aqui, então eu tenho que persistir. 

Vou terminando este post por aqui… Espero que vcs tenham curtido o texto de hoje. Caso tenham gostado, deixem um comentário. Bora interagir. Se vc tem um blogue também deixe aí o seu link para eu conhecer seu trabalho. É sempre bacana conhecer o trabalho de outros escritores e fazer novos amigos. E eu acho que é isso aí, amanhã como sempre estaremos de volta com mais uma postagem.

Abraços, Shao