pilha-pequena-de-livros-abertos_1101-287

Fala terráqueos, como vão vcs? Eu tô melhor… tô quase cem por cento recuperada. Com este post de hoje consegui deixar agendados 42 posts… eu não consigo muito mais porque eu tenho andado bastante cansada, bastante doente. Eu tenho ido cedo para cama então não tenho conseguido manter meu plano de escrever dois posts por dia… nos últimos dois dias eu fiquei de boa descansando e consegui escrever alguma coisinha mas quando eu ficava cansada ou com sono eu abandonava tenho que me poupar infelizmente. Semana que vem eu quero retomar minhas atividades, esperemos em Deus que a minha saúde coopere.

Mas como sempre nem era disso que eu queria falar no post de hoje. Eu queria contar, eu queria contar mais um causo daqueles que aconteceu comigo na minha vida acadêmica… enquanto eu era estudante. Shao, vc vive estudando… é… eu sei… Antes de mais nada deixa eu dizer para vcs que eu detesto fazer trabalho em grupo. Eu não tenho nada contra fazer trabalhos escolares (mentira, eu detesto fazer seminário… apresentar a droga do seminário… embora eu compreenda que ao desenvolver e apresentar um seminário vc desenvolva diversas habilidades deveras úteis… eu detesto, sempre detestei e sempre irei detestar). Mas fazer trabalho em grupo é a treva!!! E por que eu detesto??? Bom… Eu detesto fazer trabalho em grupo, porque eu sou muito nerd e eu sempre tenho a azar de me aproximar de pessoas que se encostam não fazem nada e querem nota sabe?

Por conta disso eu tive diversos problemas… mas três problemas específicos me vem à mente agora. E as três vezes foram problemas com trabalhos na faculdade. Incrível, vc termina o ensino médio e espera encontrar pessoas mais maduras na faculdade que não fiquem pendurada na sua aba, que tenham hombridade e vergonha na cara de tirar nota colando, ou nas costas dos colegas… mas não… o ser humano é podre. Mas vamos aos fatos…

Uma vez… eu tava fazendo faculdade de Letras… e éramos eu e mais duas pessoas no grupo e e eu e a outra pessoa fazíamos tudo e a terceira pessoa só ganhava nota. Foram uns dois trabalhos nessa situação até que eu cheguei para a pessoa e falei, olha, eu estou saindo desse grupo porque não tá dando aí a minha amiga que também tava pelas tampas com a outra falou ahhhh eu também tô saindo. O que a gente tinha que ter feito era ter virado pra pessoa e dito, olha, vc vai sair do grupo porque vc não faz nada, mas eu não tinha maturidade (eu tinha meus 18 anos) e a outra menina não tinha coragem… hahahahaha, daí a pessoa que era a encostada disse ahhh então vcs estão me expulsando do grupo? Devíamos ter respondido… sim porque vc não faz porra nenhuma, mas… não, saímos pela tangente, não nós estamos saindo do grupo vc faz grupo com quem vc quiser… hahahahaha foi uma bosta. Fosse hoje em dia a conversa seria outra…

E eu ainda  cai na besteira, de mais adiante na vida, vender um trabalho pra esta mesma criatura… Vcs acreditam que ela entregou a folha de almaço com a minha letra? O rascunho cara, com os rabiscos e tudo ela não teve sequer o capricho de ler, de passar a limpo… nada… A minha sorte é que no meu trabalho eu tive o capricho de digitar… mas depois disso eu simplesmente nem falei mais com a pessoa. E o clima ficou tão pesado que a pessoa trocou de sala (ou de horário não me lembro) depois do terceiro semestre.

Teve outras vezes que eu tipo emprestei o trabalho que eu tinha feito para uma pessoa, ahhh eu só quero dar uma olhada e a pessoa descaradamente copiou tudo sem cerimônia… Dessa vez foi na faculdade de Direito… por coisas da vida a pessoa depois largou o curso. E até onde eu sei nunca mais voltou pra faculdade, casou, teve trocentos filhos e deve ter pensado, ahhh foda-se essa merda eu sou burra mesmo… Não vou conseguir.

Eu não estou menosprezando ninguém, vejam bem. Mas a maioria das pessoas que agem desta forma, passam a vida toda escolar no ‘jeitinho’ na ‘cola’… Não se esforçam para realmente aprender nada. Eu sempre fui péssima na área de exatas. A facilidade absurda que eu tinha em qualquer área de humanas e biológicas era irrelevante quando se tratava de cálculo. Eu até cheguei pensar que eu sofresse de discalculia (que é tipo uma dislexia só que com números) de tão ruim que eu era. Pra eu conseguir tirar uma nora oito numa prova de exatas (Química, Matemática…) era um sofrimento… horas infinitas de estudo!!! A parte boa é que Geografia, Biologia, Língua Portuguesa, História, Geografia e afins eu não precisava estudar praticamente então me sobrava bastante tempo para estudar para as matérias que eu não era tão boa… e eu conseguia… ralando pra caramba, tirar o meu sete, sete e meio, oito com orgulho.

A minha nota mais alta de matemática… na vida… foi um Nove e Meio… eu NUNCA tirei Dez em matemática. Eu tenho essa prova guardada até hoje. A única vez que eu fiquei de recuperação na vida, foi na sétima série e foi por causa de matemática… Meus irmãos estão bem no meio da faculdade de Direito… que vamos e convenhamos é uma faculdade muito mais cansativa e difícil que… Letras por exemplo, e eu só estou comparando os dois porque foram os cursos de graduação que eu me formei…

De novo, não tô menosprezando, tô comparando porque eu cursei ambos, e tive meus perrengues em ambos – mas a carga horária, a carga de conhecimento, a carga de leitura, a amplitude de áreas de abrangência em Direito são pelo menos umas cinco vezes maiores que em Letras – e olha que eu tive professores exigentes em ambos os cursos. Mestres e Doutores pesquisadores que arrancavam o seu cérebro… Filosofia do Direito e Filosofia Aplicada à Literatura eram tão complexas e as professoras manjavam tanto do assunto que eu ficava tonta às vezes tentando absorver tudo. Entretanto em Filosofia Aplicada à literatura, por incrível que pareça é muito mais aplicável na prática que a filosofia do direito.

Uma coisa interessante que eu sempre comento com meus irmãos pra vc cursar Direito, vc tem que ser muito bom em Linguá Portuguesa… vc tem que manjar muito de gramática, de interpretação de texto, vc tem que ter um vocabulário extenso pra caramba. Não só um vocabulário da língua portuguesa como também conhecer os jargões jurídicos e manjar um pouco pelo menos, da estrutura do latim… caso vc não saiba… amigo, vc vai ter que correr muito atrás durante o curso. Algumas Universidades muito boas vão ter aulas de Português Jurídico, de um Latim Básico, o que ajuda pra caramba, mas a grande maioria não tem.

Então ter esse background da língua, ter intimidade com essas matérias faz vc sair na frente dos demais alunos quando vc esta cursando Direito. Porque toda a lei é escrita no nosso ordenamento, e toda leitura necessita de interpretação de texto. Se vc não tem isso, essa habilidade… senta e chora. Ou corre atrás. E eu conheço uma galera, que começou a fazer faculdade de Direito pensando na grana, no título de advogado… e sempre, sempre menosprezou a leitura, nunca quis perder cinco minutos estudando gramática, eu muitas vezes fui zoada por ficar com a cara enfiada nos livros, ou estudando redação e agora as pessoas estão sofrendo, falando que Direito é muito difícil… Direito é difícil, mas seria bem menos se essas pessoas tivessem investido mais em estudar a língua portuguesa na escola… 

Hoje eu me encontro numa situação bacana, eu acabei de terminar a minha especialização numa área que eu amo. Tradução. E eu tive que fazer o TCC em grupo. Com pessoas que moravam muito, muito longe e a gente fez tudo por WhatsApp e e-mail e foi uma galera super responsável. Super fácil de trabalhar.

E eu vejo meus irmãos sofrendo com trabalhos em grupo na faculdade deles. Eu vejo eles às vezes morrendo de raiva de gente que se gaba de tirar um dez colando, tirar uma nota boa sem ter feito trabalho, sem esforço… o danado do jeitinho. Mas… uma hora a faculdade acaba. E a gente tem que olhar para trás e avaliar o que foi que eu aprendi nesses anos? Ficou comigo esse conhecimento? Vai servir para me fazer um profissional melhor? Vcs acham que as pessoas que ficaram a vida toda no jeitinho e na cola vão ter a mesma bagagem de quem ralou, dormiu com a cara no livro, perdeu final de semana… claro que não!!!

Vou terminando este post por aqui… Mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao