musica

Fala galera, beleza? Eu tô legal, ainda meio doente… mas legal… Domingão e eu tenho um monte de coisa para fazer mas eu não estou encontrando dentro de mim vontade de fazer as coisas que eu preciso fazer, eu quero só ficar assistindo série e dormindo. E o dia está extremamente nublado, aquele friozinho e hoje tem final do campeonato paulista aqui no Itaquerão, o Corinthians vai jogar e vai ser aquele inferno se ele ganhar… Eu tinha que ir ao mercado, e eu tinha cozinhar para a semana, para fazer minhas marmitas da semana… Mas não tô afim galera, sabe aquele dia que vc simplesmente não está afim? Pois é… é hoje.

Então, para não ficar totalmente sem fazer nada eu resolvi fazer duas coisas para pelo menos passar para mim mesma a ilusão de que eu tive um dia produtivo. Primeiro eu vou escrever nada mais nada menos que quatro posts para o blogue para eu não ter que escrever nada por aqui durante a semana que vem. Depois eu vou trabalhar nos meus livros. Vamos ver se eu consigo, uma coisa é ter intenção e outra é alcançar o objetivo… um monte de coisas acontece entre uma coisa e outra e às vezes a gente não consegue.

E eu quero também talvez assistir um pouquinho de séries… e amanhã depois que eu sair do trabalho, e depois da academia eu passo no mercado e compro as coisas para a semana que eu estou precisando. E se meu irmão não for para a faculdade eu peço para ele me ajudar.

Mas como sempre nem era disso que eu queria falar… hoje eu queria falar de música, porque eu parei para pensar esses dias como é que a música às vezes é importante na vida de algumas pessoas. Não de todo mundo… claro! Mas de um grande número de pessoas. E outra coisa que eu acho interessante é que dentre as pessoas que amam a música (como eu) a música afeta diferentemente, diferentes tipos de pessoas.

Eu sempre amei música, agora que eu estou ficando velha eu tenho assistido mais documentários e ouvindo menos músicas. Mas quando eu era mais nova eu estava sempre com o rádio ligado ou com um CD rodando alguma música… Eu não vivia sem música. Hoje eu ainda ouço música todos os dias, no caminho para o trabalho, no caminho para a academia, na academia enquanto eu faço meus exercícios (eu até tenho uma playlist específica para marcar o rítimo das minhas corridas) e na volta da academia para casa… quando eu chego em casa eu geralmente tenho que ver outras coisas, outros vídeos e não dá para ouvir tanto as minhas músicas, minhas playlists… Ás vezes eu estou aqui escrevendo e acompanhando notícias, ou ouvindo podcasts então, em casa é raro eu pegar para ouvir alguma coisa.

De uns anos para cá eu não sei se a minha cabeça é que ficou mais barulhenta ou se é velhice mesmo… mas eu estou apreciando mais o silêncio. E eu tenho ouvido muita música clássica em casa… dos CD’s que eu tenho… me ajuda a relaxar… Ainda mais se eu tive um dia cheio. De vez em quando nos finais de semana eu pego o Spotify para ouvir os lançamentos novos dos artistas que eu curto… raramente ouvir coisas novas…

Mas assim, resumindo… a música sempre teve e ainda tem um papel bem importante na minha vida. E eu nem tô falando de ahhh essa música me lembra esse momento da minha vida, me lembra da minha adolescência, me empurra para frente quando eu estou deprimida, me ajuda, me anima, define a minha vida… nada disso… eu falo num tipo diferente de impacto que a música causa na vida da gente… tá certo que atualmente eu tenho a sensação que esse papel anda meio fraco hahahahaha mas ainda tem. Mas antigamente era bem mais… vejam só…

Quando eu era bem criança, eu devia ter uns oito ou nove anos… eu ouvia rádio. A gente era pobre e não tinha grana para comprar o que antigamente a gente chamava de três em um. Que era um sistema de som que vc podia tocar vinil, k7 e rádio… meu pai tinha na casa dele, mas ele não deixava eu mexer e eu raramente ia na casa do meu pai. Em casa mesmo a gente tinha TV e rádio AM/FM. E eu ouvia as músicas e as rádios que minha mãe ouvia então… eu ouvia muita coisa da década passada, dos anos sessenta, setenta… e rock brasileiro dos anos oitenta que era o que estava tocando na rádio na época.

E como todo mundo, vc vai ouvindo e isto e aquilo e chega um momento que vc começa a selecionar o que vc gosta e o que vc não gosta… Como toda criança dos anos oitenta eu curtia o rei e a rainha do pop Michael Jackson e Madonna e as bandas nacionais de Pop e Rock que estouraram…

Mas o que eu mais curtia mesmo nessa idade… era Michael Jackson e sempre que tocava uma música dele na rádio (e tocava pra caramba galera acreditem) eu queria ouvir e meu padrasto me zoava porque eu gostava das músicas mas eu não entendia a letra. Não era nem maldade dele, ele não fala inglês. Ele gostava de música nacional porque ‘pelo menos eu entendo a letra’. Um dia aquilo me irritou e eu resolvi que eu ia aprender inglês para entender a letra das músicas internacionais. Foi a primeira coisa grande que a música trouxe para a minha vida. 

Mais adiante eu me interessei por outros idiomas, me interessei pelo meu próprio idioma porque quanto melhor vc conhecer o seu idioma mais fácil vc aprender outros. Eu sempre li muito… porque minha mãe achava que TV estragava a cabeça e ela sempre me deu muitos livros… mas foi estudando a Língua Portuguesa que eu comecei a me interessar mais por literatura… brasileira, portuguesa… e estudando inglês por literatura americana e inglesa…

Passado mais um tempo na adolescência a idade da revolta hahahahaha eu quis aprender piano e violão. E eu e minha galera escrevemos algumas letras de música. Meus amigos sempre me pediam tradução de letras de músicas e aulas particulares de inglês e português pra ajudar eles nas provas porque ‘eu era boa nisso’ e eu me divertia fazendo essas coisas e estudando esses assuntos.

Aí quando chegou a época de escolher qual faculdade que eu iria prestar vestibular… meu padrasto e minha mãe queriam que eu fizesse direito. Ele porque ele é advogado e ela porque ela trabalhava no Tribunal de Justiça e Direito é uma carreira que te oferece várias carreiras interessantes, que ganham bem e te proporcionam estabilidade. Mas eu queria ser escritora! Eu queria estudar Filologia e Linguística !!! Então eu escolhi cursar Letras…

Claro que eventualmente depois eu cursei Direito e não me arrependo. Na verdade não me arrependo de nenhuma das duas graduações. Talvez se eu tivesse cursado Direito primeiro eu hoje tivesse um emprego que ganhasse mais hahahahaha. Mas de qualquer forma, talvez eu também estivesse mais presa na função… não sei… Dar cabeçada também faz parte da vida.

E agora, trinta anos depois, cá estou eu estudando tradução, ainda seguindo um caminho que eu decidi trilhar por causa da música, porque quando criança eu queria entender a letra de uma música que eu gostava. Uma decisão que levou a outra, que levou a outra… E hoje eu me pergunto onde é que eu vou parar? Onde esse caminho vai dar no final das contas???

Vou terminando este post por aqui, espero que vcs tenham curtido mais este post nerd. Mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao

Anúncios