derrota

Fala galera, beleza? Espero que sim, espero que vcs estejam bem. Eu tô legal… post de hoje vai ser bem curtinho porque eu tenho que ir dormir cedo para acordar cedo amanhã. Hoje é domingo e enquanto vcs estão lendo este post, se tudo der certo, se os meus planos derem certo eu devo estar dormindo hahahaahha… Sábado e domingo é dia de dormir até mais tarde… Entretanto domingo sempre é um dia meio depressivo, especialmente depois das quatro da tarde.

Porque quer dizer que o dia seguinte é segunda e eu tenho que acordar cedo e eu sempre fico mau humorada segunda de manhã, segunda é o pior dia da semana para mim. Parece que depois da pausa do final de semana meu organismo demora para pegar o ritmo de novo… Eu não sou uma pessoa matutina, eu não funciono bem de manhã e ainda mais na segunda-feira então eu sempre fico meio deprimida no domingo. Mas eu estou legal apesar da depressão semanal de domingo.

Entretanto nem sempre a gente tá legal né? E eu estava pensando nisso outro dia, em como a vida da gente tem altos e baixos e de como às vezes quando a gente tá lá embaixo se sentindo mal para caramba a gente acha que nunca vai ficar melhor. E por mais clichê que possa soar dizer isso… as coisas ficam melhores.

Eu me lembro várias vezes que eu fiquei para baixo… e eu me lembro do dia que eu me senti mais para baixo na minha vida. O dia que eu me senti a imagem da derrota, e eu me lembro daquele sentimento como se fosse hoje. E eu nunca nunca nunca me senti tão mal na vida… e de como nos dias seguintes eu tinha certeza que eu nunca, nunca, nunca ia sair daquele lugar (emocionalmente falando).

Foi quando, minha mãe foi diagnosticada com o câncer pela segunda vez, que foi a metástase… não foi no dia que ela me disse, acho que a ficha, de que ela estava doente de novo e que a vida dela estava em risco e que certamente iríamos passar novamente por toda aquela dor e agonia do tratamento, demorou alguns dias para cair…

Eu sou meio lerda mesmo… eu não me acho uma pessoa emocionalmente inteligente porque eu demoro para processar as coisas, especialmente sentimentos. Como minha mãe dizia, eu penso demais.

Anyway… eu me lembro que pouco antes da certeza do diagnóstico eu tinha ‘combinado’ com a minha mãe que eu ia trancar a faculdade e ia cuidar da casa e cuidar dela. Ela concordou comigo e tal, mas daquele jeito de mãe né? Só pra eu parar de discutir com ela… e uns dias depois do efetivo diagnóstico, ela claro… me convenceu a continuar estudando, terminar a faculdade… E eu estava tendo um dia péssimo (na verdade desde o primeiro dia da doença dela até o último dia de vida dela foram quatro anos em que todos os dias foram péssimos).

Eu tinha trabalhado doze horas consertando serviço errado de terceiros (que é um serviço que eu detestava, como chefia, ter que fazer), daí eu fui pra faculdade, estudei a noite toda, fui mal na prova e peguei minha primeira DP da vida. E eu estava chegando em casa, cansada, carregando aquela mochila que pesava uns 500 quilos e então minha ficha caiu…

Eu pensei, velho… e se isto tudo que eu estiver fazendo for por nada? Eu tô fazendo tudo isso pra quê? Me matando de trabalhar pra ganhar um salário patético, fazendo coisas que eu detesto… Me matando de estudar uma matéria bosta que eu detesto, gastando uma grana ferrada nessa faculdade… ficando horas sem dormir… ficando doente e… e se minha mãe morrer??? Eu me lembro que eu estava subindo as escadas do meu prédio… e sério… minha vontade naquele momento era sentar ali nos degraus e esperar a morte chegar.

Eu não saberia… por muitos anos após este dia, definir exatamente o quê eu estava sentindo. Mas hoje eu acredito que era a total e completa falta de esperança sabe? Mas eu posso estar errada, eu na maioria das vezes estou errada. Acho que só teve um momento pior que este que realmente foi quando a minha mãe faleceu porque… nesse dia eu senti o meu mundo desmoronando, simplesmente assim…

E eu não sei… estou apenas divagando agora, mas acho que a maioria das pessoas já passou por momentos ruins, já se sentiu completamente desesperançoso achando que nada vai dar certo, que a melhor coisa que a gente faz é largar tudo de mão…

Mas, felizmente não é bem assim galera… esse monte de bobagens é apenas nossa tristeza, nossa falta de esperança guiando a gente pro lado errado. Minha mãe dizia uma frase que, não deve ser de autoria dela, não sei se ela leu em algum lugar ou ouviu em algum lugar… mas ela dizia sempre. Não importa o que aconteça na nossa vida, o sol sempre vai nascer amanhã… sempre tem um amanhã.

E o ser humano é mais resiliente do que aparenta ser. Nós somos mais fortes do que pensamos ser… eu sei porque eu encarei tanto perrengue que antes de terem acontecido eu pensava. Meu Deus, de jeito nenhum que eu consigo passar por esse problema. Um milhão de coisas passa pela sua cabeça… dentre elas… eu não sei lidar com isso, eu não vou saber o que fazer e mormente… eu não tenho forças para enfrentar e vencer uma situação como essa. Entretanto é o nosso medo falando. O medo de falhar… o medo do desconhecido… Mas a verdade é que a gente consegue. Então se vc tá passando por um momento desses… força aí. As coisas vão melhorar… procure ajuda, crie um blogue pra vc desabafar na internet… todos os dias o sol nasce novamente trazendo novas oportunidades.

Vou terminando este post por aqui. Mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao

Anúncios