maxresdefault

Fala galera beleza??? Eu tô legal, meio gripada… com sono, com cólica, com um monte de exame para fazer mas tô legal. Eu acho que já cheguei a comentar aqui com vcs mas… eu ando vendo bastante documentários ultimamente. Eu peguei a aba documentários na Netflix e tô assistindo vários. Aprendendo algumas coisas…

Eu estava conversando com os meus irmãos esses dias sobre 13 Reasons Why e se a função principal da série era o entretenimento ou ensinar alguma coisa. A grande parte das séries a função principal é o entretenimento, mas aparentemente esta série tinha outro foco principal. Documentários tem diversos focos, não apenas entreter… geralmente o foco dos documentários é ensinar alguma coisa (nos casos dos documentários da National Geographic por exemplo) ou então esclarecer alguma coisa (no caso dos documentários investigativos – que é o que eu venho assistindo ultimamente).

E um dos documentários que eu assisti ultimamente foi este: “Aileen: Life and Death of a Serial Killer”… de 2003 foi feito por um jornalista que foi atrás da história da Aileen Wuornos que é considerada a primeira serial killer americana. Este jornalista acreditava na linha de defesa de Aileen, que dizia ter sido estuprada e matou sua primeira vítima em legítima defesa. E todas as mortes que vieram depois foram por causa do trauma que ela sofreu na ocasião. Da mesma forma este jornalista. depois de investigar toda a vida de Lee Wuornos, acreditava que ela tinha problemas mentais, que sem tratamento foram se agravando e que levaram ela a cometer os diversos assassinatos. O jornalista responsável pela criação deste documentário (que agora eu não me lembro o nome – Nick Broomfield lembrei!!! ) acreditava que ela era inimputável, que ela não deveria ter sido condenada a uma pena de uma pessoa plenamente consciente de seus atos, que ela deveria cumprir sua pena até o final de sua vida num manicômio judiciário.

Julgada capaz ela foi condenada à morte, ela foi julgada por diversos homicídios, condenada à morte por todos eles. E mesmo com todas essas investigações, com laudos psicológicos afirmando que ela era mentalmente instável ela foi executada em 09 de Outubro de 2002. O jornalista Nick Broomfield acompanhou os últimos dias dela e se vcs resolverem assistir a este documentário vc vai acabar achando que realmente a mulher não tinha a mente muito no lugar.

Claro que… todo documentário é direcionado para destacar a opinião do diretor, por mais investigativo que seja o negócio… uma hora o repórter investigativo vai perder mais para um lado ou mais para outro e por mais que ele tente ser isento, ele vai acabar imprimindo naquele filme o que ele achou, qual a opinião dele. Lee era culpada ou inocente? Ela era louca ou sã? Foi um julgamento justo ou não?

 Nick Broomfield deixa bem claro que na opinião dele ela culpada sim, afinal de contas ela matou diversas pessoas. Independentemente de os caras que ela matou não serem santos, até porque eles estavam fazendo programa com ela, que era prostituta, eles foram assassinados e ela tinha sim que ser punida por essas mortes. Entretanto ele acreditava na máxima que ela era um resultado do meio torpe onde ela nasceu e cresceu. Ela já tinha problemas mentais e foi exposta a tantas situações de extrema degradação que um dia ela simplesmente explodiu nessa onda de violência. Palavras do próprio Nick Broomfield:

“Eu acho que a raiva se desenvolveu dentro dela. Ela estava trabalhando como prostituta. Eu acho que ela teve um monte de programas horríveis nas estradas. E eu acho que a raiva simplesmente vazou para fora dela. E finalmente explodiu. Nesta violência incrível. Este foi o modo dela sobreviver. Eu acho que Aileen realmente acreditava que ela tinha matado em legítima defesa. Eu acho que alguém que é profundamente psicótico não pode realmente saber a diferença entre algo que está ameaçando a sua vida e algo que é apenas uma discussão de menor risco, que você pode dizer que não concordou. Ela iria começar a gritar e perder a cabeça. E eu acho que isso foi o que causou estes acontecimentos. E ao mesmo tempo, quando ela não estava nesses humores extremos, ela possuía uma humanidade incrível dentro dela.”

Enfim galera, é um documentário que fala um pouco sobre a vida dela. E ao mesmo tempo que a gente pensa… nossa, coitada, que vida de merda que ela levou… a gente pensa… vc tem pena das vítimas, mas mais ainda das famílias das vítimas… e de como a vida de todos eles foi devastada com essas mortes. É um documentário que eu recomendo pra caramba, ainda mais se vcs curtem ‘True Crime’ como eu… para vc ter noção de como são as coisas… de como foram as coisas neste caso.

Vou terminando este post por aqui, mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao

Anúncios