esqueleto

Fala terráqueos, como vão vcs? Estão bem??? Espero que sim… hoje eu tenho uma história engraçada para contar para vcs. Quer dizer eu não sei se a história e engraçada ou se e triste. Vcs decidem ok??? Para mim é triste… pelo menos, eu fiquei triste… Quando eu tinha dezenove anos… meu pai faleceu por conta de complicações por conta da diabetes. Assim… desde que eu me entendo por gente minha vó, mãe do meu pai tem diabetes. E eu conhecia um monte de pessoas que tem diabetes mas que leva uma vida normal. Meu pai foi a primeira pessoa que eu vi que teve complicações e depois morreu devido a diabetes.

Eu nunca imaginei, que uma pessoa pudesse morrer por conta da diabetes até então. A gente sempre ouve, a diabetes é uma doença grave, uma doença silenciosa. Mas eu apenas convivia com pessoas que cuidavam da saúde, tomavam os remédios e levavam uma vida normal. Meu pai, infelizmente não teve esse bom senso. Não deve ter sido por nada, ele não devia saber nada sobre a doença… aliás, eu mesma até desenvolver a doença não sabia muito sobre ela… hoje em dia eu ainda não sei muita coisa, mas sei bem mais que eu sabia antes…

Ele nunca teve nada ate seus quarenta anos de idade e com quarenta ele começou a ter os sintomas mas ele não se cuidou ele simplesmente continuou levando a vida como se nada tivesse acontecido. E um dia a diabetes subiu muito depois caiu de uma vez e por conta disso ele teve uma parada cardíaca fulminante e faleceu. Meu pai foi a primeira pessoa, assim mais próxima de mim que eu perdi… Foi bem triste e traumático apesar de nós não sermos tão chegados… Eu me lembro até hoje de como quando o pessoal do cemitério estava enterrando ele, o barulho da terra batendo na tampa do caixão, fazia um barulho de oco que ressoava dentro de mim…

E depois, quando passou bastante tempo após a morte dele, eu fui atrás de ver o que eu precisava fazer e se tinha como eu recuperar os ossos dele… Porque funciona mais ou menos assim (para vcs que nunca tiveram que lidar com a burocracia de um enterro… e depois de uma exumação) antigamente, depois d cinco anos que uma pessoa morria, vc tinha que ir até o cemitério e providenciar todo o necessário para tirar os ossos da pessoa da cova, e colocar no ossário… Hoje em dia o tempo são três anos…

E já tinham se passado mais de cinco anos quando eu tentei fazer isso, pegar os ossos e colocar na caixinha, com uma plaquinha com o nome dele e coisa e tal… Mas, acontece que quando eu fui lá no cemitério pela primeira vez, já tinha passado do prazo, já tinham feito a exumação dos ossos e como a família não tinha aparecido, eles do cemitério, pegaram os ossos do meu pai e enterraram novamente e colocaram um outro corpo por cima, e eu só ia poder recuperar os ossos do meu pai… depois de cinco anos quando fossem remover a ossada da outra pessoa que estava ocupando a cova.

Nós, voltamos lá depois do tempo haver passado e o que aconteceu, a senhora que estava enterrada no local, teve que voltar para a terra porque a terra não havia consumido todo o corpo. Espera mais três anos… e quando voltamos lá pela segunda vez… Disseram que aquela quadra do cemitério só seria aproximada e limpa no ano seguinte… voltamos pela terceira vez, eles disseram que ainda não tinham  chegado na quadra… pela quarta vez… a mesma coisa. Na quinta visita… me disseram que já havia se passado mais de vinte anos da morte dele e portanto tinha expirado o tempo hábil legal para fazer o resgate e portanto não tinha como mais recuperar a ossada.

Sinceramente, eu fiquei triste… eu queria ter conseguido sabe. Tudo que a gente faz pela pessoa que faleceu… não é mais pela pessoa é por nós mesmos. Desde o funeral, até rituais religiosos, as flores… tudo, tudo… é mais para nós mesmos que pela pessoa que faleceu. Eu também tive problemas com a ossada do meu avô… porque quando chegou a hora de fazer a exumação eu fui até o cemitério e quis tomar as providências cabíveis, entretanto eu não sou filha, eu não sou esposa, eu sou apenas neta e de acordo com a lei eu não posso… eu precisaria de uma autorização da minha avó ou de um dos meus tios.Vcs sabiam disso? Que precisava disso tudo??? Nem eu… e pode ser que em outro Município não seja tão burocrático, mas aqui em São Paulo é…

Eu conversei com a minha avó e ela disse que não ia gastar com isso, eu me ofereci junto com meus irmãos e meu primo pra gente rachar o valor, nem era tanto eram uns 300 reais, mas nem meus tios nem minha avó quiseram… teimaram com a gente e tal e a ossada do meu avô, como a do meu pai… não foi para a caixinha, ficou lá na cova, foi tirada e depois foi jogada no posso de ossos com todo mundo que a família não vai lá procurar.

A grande maioria dos meus familiares é cristão, e é evangélico. Diferentemente dos católicos, que mandam rezar missa de sétimo dia, de mês, de ano pela alma do falecido e que se preocupam com o corpo, com a cova, com a morte… minha família segue aquela parte que diz na bíblia “deixem que os mortos, cuidem de seus mortos…” que quer dizer na verdade… Faça pela pessoa enquanto ela estiver viva, não adianta fazer tudo isso depois que ela morreu. Mas eles, na verdade entendem assim… Ahhh só quem está apegado nas coisas desse mundo é que se preocupam com isso… deixa o morto pra lá, a alma já foi, aquilo ali é só a carcaça… O que eu respeito, não concordo, mas respeito… é o entendimento deles… E muita gente muquirana e pão dura mesmo aproveita-se desta passagem bíblica para não gastar seu dinheiro com o defunto.

Como eu já disse, eu não concordo… como eu já disse todos esses ritos é mais para nós mesmos que aqui ficamos. Para lidarmos com o luto com a dor da perda. É uma forma de honrar a memória da pessoa que a gente amava. De lembrar dela…

Tem muita gente que não se importa e eu até entendo, tem até aquele velho ditado que diz que todos somos isso e aquilo mas que um dia seremos apenas um retrato na estante e depois nem isso… Mas é triste cara, uma pessoa que vc amava tanto… virar nada. Os ossos que um dia foram braços que te abraçaram, mãos que te apoiaram… jogados numa pilha com outras pessoas. É quase como perder a pessoa novamente. Pelo menos para mim.

Eu me consolo em saber entretanto que em ambos os casos eu fiz tudo que estava em meu alcance. Vou terminando este post por aqui, mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao

Anúncios