quermesse-calvario

Fala terráqueos, beleza??? Estamos em junho… quer dizer, eu estou em Junho, vcs estão lendo este post em Julho então… enfim… vcs entenderam né? E junho é mês de festa junina. Faz muitos anos que eu não vou numa festa junina, faz muitos anos que eu não sou mais católica, eu não sei até quando vão as festas juninas, eu não me lembro se elas duram apenas o mês de junho ou se elas vão até o final das férias de julho… mas quando eu era criança eu me lembro que… eu gostava muito das festas juninas.

Minha família sempre foi muito católica quando eu era criança, agora a maior parte da minha família (incluindo eu) é evangélica. E como as festas juninas são festas em homenagem a santos da igreja católica, obviamente a maior parte das igrejas evangélicas (as sérias pelo menos) não tem festas juninas… Caso vcs não saibam, as festas juninas são em homenagem a São João, Santo Antônio e São Pedro… e são chamadas de juninas por causa de São João e porque são em junho (dãaa Shao!).

Uma coisa engraçada das festas juninas de que eu participava quando eu era criança… é que a maioria das comidas típicas eu não posso comer porque eu tenho intolerância a diversos ingredientes… milho, canjica, amendoim… e outros eu não gosto mesmo hahahahaha. Então eu simplesmente ficava brincando nas barraquinhas que tinham brincadeiras e comendo churrasco na barraca de churrasco, coxinha nas barracas de salgados e refrigerante… e às vezes quando a minha intolerância me permitia eu comia pipoca…

Meus pais participavam muito do dia a dia da igreja e também da montagem das barracas, da organização das atividades que teríamos na Quermesse e também trabalhavam às vezes nalgumas barracas durante o tempo que a Quermesse ficava funcionando. Eu tenho boas lembranças desse época… a parte mais divertida nem eram as brincadeiras, nem era a comida, a parte legal para mim era ficar horas e horas e horas sentada, do lado da minha mãe… conversando com ela, vendo o pessoal dançar a quadrilha, vendo a fogueira… eu sinto saudades… não da quermesse em si mas do tempo da inocência, de como a gente era feliz com pouca coisa.

Aqui do lado de casa tem uma igreja católica, e tem uma quermesse e eu me lembro que uns anos atrás, minha mãe ainda estava viva… eu e ela e uma senhorinha vizinha nossa, que morava no prédio da frente. Fomos para a a igreja (não para a igreja católica, para a nossa igreja assistir a um culto) e na volta tínhamos que passar em frente à igreja católica porque era caminho para voltar para casa e… estava uma aglomeração de gente na rua, um monte de carro parado, e aquele pancadão, e gente fumando, bebendo e transando… o pessoal tinha transformado a quermesse num baile funk basicamente. Já faz uns anos isso… mas as quermesses não são mais as mesmas…

Hoje em dia eu não me abalaria até uma quermesse… não ia perder uma noite num ambiente que não é mais o que costumava ser quando eu era criança. Maioria da galera que vai pras festas de quermesses de hoje em dia, vai para beber… zoar… não é um ambiente saudável, não é mais um ambiente familiar como era. Eu prefiro ficar com as minhas memórias de infância… Talvez, não sei, nas quermesses de bairro… nas igrejinhas como essa aqui do lado de casa, talvez ainda tenha essa vibe, apesar de também ter essas pessoas que estragam tudo. Padre da paróquia aqui do lado conseguiu expulsar a maior parte dos baderneiros e o pancadão não voltou a acontecer. Mas… mesmo assim sempre tem uma erva daninha.

Vou terminando este post por aqui… Mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao