Procissão das Velas - Nossa Senhora de Fátima

E aí terráqueos, beleza??? Eu tô morrendo de sono, era pra eu ter escrito este post ontem mas eu tive que ir dormir para acordar cedo hoje para estrear no meu novo-velho horário no trabalho. Pensem só… eu estava habituada a ir dormir às duas acordar às oito, ou então às dez se eu estivesse morrendo de cansaço e de sono. Então eu ia arrumar meu almoço e me arrumar e ia pro trabalho e depois de trabalhar o dia todo eu chegava de noitinha em casa e jantava, tomava meus remédios e escrevia um pouco por umas horinhas e depois… até as duas novamente estudando.

Agora eu vou ter que mudar os horários e eu cheguei em casa mais cedo hoje morrendo de sono porque as duas horinhas que eu perdi essa manhã me fizeram falta… velhice faz isso com a gente. Vai demorar uma semaninha, talvez duas, para eu me adaptar a essa nova rotina novos horários e… ainda preciso voltar pra academia. Não vai ser moleza para a velhinha aqui crianças.

Massss, vamos ao assunto do post. Esses dias teve procissão aqui perto de casa. E eu morro de medo de procissão, eu já falei disso num post aqui no blogue, eu tentei achar o link, mas… faz tanto tempo, não vou achar. Anyway… esses dias passou a procissão como ela sempre passa todos os anos.

E… eu não sou católica há muitos e muitos anos… mas, eu fui criada numa família muito católica. Hoje por exemplo, é dia de Nossa Senhora de Fátima… como eu sei? Minha bisavó era portuguesa e era muito devota. Minha família toda era muito devota de Nossa Senhora de Aparecida. Meus avós eram meus padrinhos quando eu era católica e eles eram tão devotos que me levaram para batizar lá na basílica. Eu estudei em colégio de freira uma época da minha vida e eu… quando era criança, queria ser freira.

Eu tinha um livro (sempre fui nerd…) que tinha a historia de todos os santos (não era de todos, era dos mais importantes, porque a igreja católica tem santo pra caramba) e tinha outro que tinha histórias de padres e freiras que dedicaram sua vida a Deus.

E vejam como as coisas são engraçadas. Eu sabia de cor, todas as rezas e cantilenas e toda a parte cerimonial da missa e blábláblá… mas, com o passar do tempo eu simplesmente esqueci. Num dia comum. Se eu quero me lembrar por exemplo, da reza da Ave Maria, ou da Salve Rainha… eu tenho que me esforçar pra caramba pra lembrar as palavras todas corretinhas. E raramente eu me lembro de tudo. Mas, eu sei de cor o Salmo 91 até hoje hahahahaha… A parte engraçada é que, quando a procissão passou na rua esses dias (toda a vez que ela passa aliás) o pessoal começa a rezar e a cantar aqui na rua e parece que faz puft liga um treco no meu cérebro e eu me lembro de tudo.

Aquele som de reza, que é chamado de ladainha não a toa, porque é quase uma canção, tem a mesma métrica, rima, ritmo, tonalidade… sempre igual… e aquela ladainha parece que liga uma chave qualquer na minha memória auditiva e eu me lembro de coisas que eu normalmente não me lembraria.

E por mais que eu tenha medo da procissão, por mais que eu não seja católica mais eu sinceramente espero que enquanto eu morar aqui todo ano a procissão passe pela minha rua… me traz lembranças boas da infância esse som. Da minha família, de quando eu era criança e era inocente, e achava que todo mundo que escolhia ser padre e freira era bom e honesto e queria simplesmente dedicar a sua vida à Deus através de ajudar ao seu próximo.

Vou terminando este post por aqui… Mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao