Fala galera, beleza? Depois de muitos anos estou novamente trabalhando numa coisa que eu amo e… Vcs não tem noção de como isso é bacana. Vcs não tem noção do que significa para mim. Eu sempre tive esse senso de dever e de honra para com. As coisas para com a família e meus deveres sabe como é?

Pois é … E deveres vem na frente dos sonhos na maioria das vezes. Eu não me lembro quantas vezes eu deixei de lado, desisti, deixei de fazer uma coisa que eu queria muito, um sonho meu mesmo porque eu tinha que fazer alguma coisa, eu tinha o dever moral de fazer alguma coisa… Eu tinha que cuidar de alguém ou assumir alguma responsabilidade. Eu sinceramente perdi as contas… Mas isso não vem ao caso. Eu aprendi que a gente tem que virar a página e seguir em frente, não dá pra ficar vivendo pensando no que poderia ter sido, no que deveria ter sido… Vc tem que virar a página e seguir adiante.

A parte mais difícil de seguir adiante, quando vc deixa passar a oportunidade de realizar um sonho qualquer porque vc precisa fazer algo, não porque alguém te impôs mas porque vc impôs este dever a si mesma, é complicado… Vc fica triste e desanimado e dai por um longo período de tempo vc vai estar lá fazendo uma coisa que não é aquilo que vc gostaria de estar fazendo e que ainda vai demorar uma cara para vc terminar aquela tarefa. Todo o dia preso naquele dever… E seus sonhos estagnados ou cada vez mais longe de se realizarem. Isso é a vida real, isso é ser adulto infelizmente. Claro que a gente fica desanimado vivendo uma vida assim…

Mas… Era uma vez há muitos anos… Minha mãe me disse que para realizarmos os nossos sonhos tínhamos que enfrentar alguns percalços na vida. De acordo com a minha mãe isso era o que imaginávamos na nossa cabeça… Que o caminho seria complicado, mas que seria um caminho em linha reta… Mais ou menos como a imagem abaixo. Perdoem-me pelo péssimo desenho… Faz anos que eu não pego nada pra desenhar… Estou super enferrujada.

Nota241215_1

Mas na verdade o caminho para a realização dos sonhos, por menores que eles sejam, acaba sendo bem mais tortuoso. Bem mais complicado do que imaginávamos. Como a imagem abaixo.

Nota241215a_1

De qualquer forma, como ela dizia o importante é não desistir… Somente. Mas do que exatamente vc está falando Shao? Eu estou falando do meu sonho de trabalhar escrevendo. O trabalho dos meus sonhos sempre foi ser escritora. Mas… A gente tem que pagar as contas né? Eu nunca quis ser rica e famosa, não… Nada disso… Eu só queria poder escrever em tempo integral, publicar minhas baboseiras e ganhar grana suficiente para pagar as minhas contas fazendo isso hahahahaha. E como vcs podem imaginar ainda é um sonho bem distante de se tornar realidade… Acho que só a J.K.Rowling e alguns outros poucos abençoados conseguem viver, pagar suas contas, ganhar um dinheirinho escrevendo.

Contudo, quando a minha mãe morreu… Eu achei que minha musa tinha morrido com ela… Eu fiquei exatos seis anos… Sem conseguir escrever uma linha sequer… As histórias que eu tinha escrito até então… Que estavam em andamento, eu simplesmente abandonei. E algumas eu perdi quando troquei de computador, eu nem me importei sabe… Porque eu sinceramente achei que eu nunca mais ia conseguir escrever novamente como eu escrevia antes. Acho que foi a segunda coisa mais difícil que eu tive que passar naquele ano… Responsabilidades, certo… Vc cresce vc tem que ter. Dívidas… Todo adulto tem dívidas. Mas eu tinha perdido a pessoa mais importante da minha vida… Ter que enterrar meu sonho… Junto com essa pessoa foi realmente triste.

Eu ia dormir todos os dias torcendo pra aquele dia ser o último dia da minha vida, e acordava no dia seguinte com a sensação de que eu nunca mais na vida ia ser completamente feliz. Foram anos meio robóticos sabe? Eu acordava, ia trabalhar, ia pra faculdade, saia com meus amigos, com meus irmãos, ia ao médico, comia… Fazia o que eu tinha que fazer… Mas… 99% do tempo eu sentia que estava vivendo no piloto automático. Coisas boas aconteceram nesses anos… Eu finalmente fui ao show da minha banda favorita, eu conheci a banda pessoalmente, peguei autografo. Eu fui a lugares bacanas e conheci gente legal e eu me diverti… Mas minha cabeça e meu coração nunca estavam 100% no que eu estava fazendo. Por exemplo… Nos shows do Roxette em 2011… Era a primeira vez que eu ia ver a minha banda favorita depois de ter aguardado este momento desde que eu tinha uns doze anos… E eu vi todos os meus amigos lá se emocionando e chorando que nem crianças… E eu achei que eu ia sentir a mesma coisa… Mas não… Nem uma lágrima. Eu estava contente de estar lá e eu me diverti pra caramba. Mas eu estava meio zumbi… Emocionalmente falando sabe?

Acho que este é o post mais sincero que eu estou fazendo sobre aquele período. Mas, agora… Eu posso falar sobre tudo o que aconteceu sem me sentir super mal e super triste. Então… Eu vi uma entrevista da atriz Cissa Guimarães, que perdeu o filho atropelado. E ela disse duas coisas que me tocaram profundamente. Eu me identifiquei bastante… Primeiro ela falou sobre o vazio que ela sentia de vez em quando é como esse vazia parecia tão intenso como se nada fosse capaz de tapar aquele buraco que a ausência da pessoa querida, daquele filho, deixará. Era (e é ainda) exatamente isto que eu sentia. E ela disse em voz alta a frase que eu sentia todos os dias mas não tinha ainda conseguido expressar em palavras… Era como se eu nunca mais fosse ser COMPLETAMENTE feliz novamente.

Como se eu estivesse daquele dia em diante vivendo de pequenas felicidades… Mas mesmo nos momentos felizes ainda estava aquele vazio, como se sempre estivesse faltando um pedaço em qualquer alegria. Como na minha formatura… Da segunda faculdade… Meus amigos, minha família lá… Mas, estava faltando a minha mãe. É tudo que eu conseguia pensar enquanto a festa estava rolando era do dia da minha formatura anterior e como ela estava lá comigo.

E deixa eu falar uma coisa pra vcs… Saudades é uma coisa filhadaputa… Ainda mais saudades de uma pessoa que… Não existe possibilidades de vc rever novamente. Eu li uma frase dessas besta de Facebook essa semana, mas… Ela reflete bem a verdade. Ela dizia… Que a saudade era bacana apenas na poesia, que na vida real ela era uma meleca. E é verdade. Eu não sei se eu já passei por todas as fases do luto, talvez eu tenha pulado algumas e talvez elas venham futuramente me morder mas… Finalmente… No decorrer deste ano, aquela vontade de escrever e as ideias foram voltando aos poucos sabe?

Mas depois de tanto tempo, eu estava, como vcs devem imaginar… Um tanto quanto insegura. Eu não sabia se eu teria condições de escrever novamente. Por isso em abril deste ano eu resolvi fazer esta experiência aqui no blogue, tentar escrever todos os dias… Um post por dia. Pra tirar a ferrugem dos dedos velhos e ver se eu teria pique de retomar o caminho de volta para realizar meu sonhos. Mas vamos devagar… Passo a passo. Primeiro quero voltar a escrever como eu escrevia antes ou melhor, depois publicar um, dois, mais livros… Fazer a minha parte. Se os livros vão vender o suficiente para me ajudar a pagar as contas… Aí são outros quinhentos que não dependem de mim muito. Quem decide o que faz ou o que não faz sucesso em lançamentos literários? No final das contas é uma questão de sorte… Vc tem ou vc não tem e ponto final.

A vida nunca acontece do jeito que esperamos então… Vamos deixar rolar e ver o que acontece. Proximo passo em direção ao sonho é escrever meus contos lá no blogue (vcs por acaso já acessaram o bloque novo e leram os textos??? Borá lá dar uma mão pra tia Shao… – Se curtirem compartilhem nas redes sociais mostrem pros amigos… Divulguem… Ajudem a tiazinha a realizar esse sonho). E antes de terminar aqui… Eu preciso dizer apenas duas coisas, primeiro eu estou bastante contente em estar trabalhando nos meus textos novamente depois de tantos anos, maiormente porque quando eu começo escrever eu não fico travada procurando as palavras, o texto flui… Com uma naturalidade incrível. Eu estava com saudades desta sensação.

E outra coisa… Me desculpem pelo “momento desabafo” mas… Acho que eu finalmente estava pronta para literalmente desabafar aqui neste blogue que tem me acompanhado por tantos anos… E vcs… Pessoas, algumas que eu conheço, muitas que eu certamente nunca troquei sequer duas palavras com… Mas que leem minhas abobrinhas nele de vez em quando. Este post vai ficando por aqui porque… Eu tenho pelo menos dois contos para terminar hoje… Véspera de natal à noite vai ser longa, vizinhos festejando com fogos é coisa é tal… Não vão me deixar dormir… Nada melhor que aproveitar a noite para deixar a escrita fluir.

Vou terminando este post por aqui… Mas… antes de terminar este post eu vou fazer um pouco de propaganda do meu novo blogue o “Estante da Shao”. Cliquem no link conheçam meu trabalho, meus textos, meus contos, meus poemas. Toda a sexta-feira teremos texto novo e inédito para vcs… Ou um conto ou um poema, ou de repente um trecho de uma história que eu esteja escrevendo. Participe e divulgue esse meu novo projeto se vcs curtirem…

See you guys around the corner
Shao