Fala galera, como vão as coisas no mundinho de vcs? Bem? Super Bem? Extremamente bem? Ou estratosfericamente bem??? Eu tô de boas… estou escrevendo este post no sábado, não seu ainda quando irei publicar porque hoje eu tenho tanta coisa pra fazer. Consegui dormir ate umas onze e meia (fui dormir três da manha) mas whatever… fiquei rolando na cama, não foi um sono muito calmo. Esta frio Graças a Deus… a frente fria chegou finalmente aqui em São Paulo para amenizar o calor do capeta que fez semana passada e começo dessa semana.

Hoje e dia do show do Skillet… mas e só mais a noite, entretanto eu tenho um monte respeitável de roupa para lavar e o meu primo Cassinho mais a Welitinha e mais o pequerrucho do Miguel vão vir na casa da minha tia porque Domingo e aniversario da minha vó. E vamos lá levar um bolinho para ela. E tenho que fazer tudo isso antes da cinco horas da tarde porque umas cinco, cinco e meia temos que sair daqui porque o show começa as sete. A casa entretanto abre as seis. Falando nisso preciso encontrar os ingressos hahahahaha.

Preparados para um post bem longo??? Para post Textão??? HAHAHAHAHAHA. Então, vamos ao assunto do post de hoje… ontem eu e meu irmão saímos e fomos matar a saudades da costela do Outback haahahaha. E ficamos discutindo este projeto de Lei 5069 que tem como objeto alterar um artigo do código penal, tipificando como crime diversas formas de aborto. Ou seja, ele não legaliza o aborto, muito pelo contrário ele dificulta ainda mais a prática do aborto. E ele parte do princípio que hoje em dia ha um lobby mundial, encabeçado por grandes laboratórios, de usar o aborto como forma de controle de natalidade.

Vamos por partes… primeira coisa, a proposta do projeto de lei e de ninguém mais ninguém menos que do Eduardo Cunha e seus asseclas. Já ganha minha antipatia hahahahaha. Mas antes de julgar mal o bagulho eu resolvi ler o conteúdo completo do projeto de lei… Clique aqui se vc quiser ler também. Alias eu recomendo que leia, mesmo que vc não manje muito de Direito, se vc manjar de interpretação de texto vc vai entender bem o que o texto diz.

Okay, depois de ler, depois de entender… podemos analisar o caso. Eu li diversos posts espalhados pela internet, de juristas, de feministas, de médicos, de defensores dos direitos humanos… eu procurei ver os dois lados da moeda e acho que posso falar um pouquinho do que eu entendi sobre o caso. Resumindo… Eu sinceramente acho que é um projeto que vai alterar a lei para dificultar ainda mais  para a mulherada executar legalmente um aborto. Ou seja, não muda muito o que já acontece hoje em dia. Então não trata diretamente sobre a legalização do aborto que juntamente a legalização das drogas e algo extremamente apoiado por um gigantesco número de pessoas no mundo. Ou seja, a maioria das pessoas é a favor da legalização de ambos… Essa mudança proposta por este projeto de lei apenas aumenta a lista do que passa a ser considerado crime.

Eu li em alguns lugares e vi um vídeo na internet dizendo, apregoando que este projeto de lei ajuda a defender estupradores, dificulta a punição do bandido e penaliza a vítima. Sinceramente eu não vi isso expresso no texto da lei… não entendo como essas pessoas chegaram a esta conclusão. Dificulta sim o aborto. Por quê?

A bandeira que a maioria das pessoas, mulheres em geral, carregam em favor da legalização do aborto defende a ideia feminista de… “o corpo e meu, e eu faço com ele o que eu quero”. Se eu quiser ter um filho beleza, eu vou ter este filho se eu não quiser eu deveria ter o direito de ir até uma clínica, um hospital e realizar este aborto… Essa galera defende que qualquer outra ideia é machista.

Em contrapartida temos também a galera pró-vida, que defende a vida do feto, mesmo em casos que a vida da mãe esteja em risco, mesmo em caso de estupro. Do ponto de vista, geralmente religioso, dessas pessoas, a criança, o feto, é um ser inocente, não tem culpa de como foi concebido. Seja a sua existência proveniente de um ato de violência (estupro) ou de um descuido dos pais (gravidez indesejada). A criança deve nascer mesmo assim, é uma vida, qualquer atentado contra este ser inocente é considerado assassinato puro e simples.

Vamos analisar os dois lados da moeda. Primeiro… eu concordo com a mulherada que defende a posse do próprio corpo. Realmente minhas colegas mulheres… o corpo é nosso. Nós deveríamos poder fazer com o nosso corpo o que nós bem entendêssemos. O mundo tem um lado extremamente machista e as mulheres em muitos sentidos, em muitas áreas da vida são minoria, são ainda discriminadas, são diminuídas. Esses dias mesmo eu vi discussões na rede social sobre o caso que ocorreu no Masterchef Junior, uma das candidatas e uma menina de doze anos, mas ela parece ter mais e diversos internautas ‘engraçadinhos’ ficaram postando comentários pesados… que podem ser inclusive considerados como apologia ao crime… dizendo por exemplo que a culpa de existir pedofilia era que as meninas menores de idade estavam ‘muito gostosas’ hoje em dia (olha a mentalidade). Essa realmente é uma mentalidade machista.

Já vi diversas campanhas tentando proteger a mulherada contra o sexismo, contra a cultura machista de que se a mulher esta com roupa curta ela ‘quer’ ou ‘merece’ ser estuprada… Tem o caso de estupros coletivos na Índia, tivemos caso de tentativa de estupro coletivo no Metro de São Paulo. Então sim, a mulherada é oprimida sim na nossa sociedade… isso acontece no mundo todo! Então… eu concordo sim, que as mulheres tem que sair a luta e lutar pela posse do seu corpo. E eu acredito que defender o seu corpo contra uma violência tão grande quanto e o estupro… nada ‘toma’ mais o corpo de mulher dela mesma que este ato grotesco de violência. Não só a mulher claro… porque o numero de crianças e homens também vitimas de estupro também são imensos.

Esta violência deixa diversas cicatrizes e consequências na vida da vitima. E infelizmente uma delas as vezes pode ser uma gravidez. Neste caso a lei prevê a possibilidade de realização do aborto. Embora seja algo extremamente burocrático (que eu particularmente acho que deveria ser mais simples).

Uma vez… há muito tempo eu estava conversando com uma amiga minha, sobre o caso de um estupro e uma gravidez proveniente desta violência. Diversas mulheres depois de sofrerem a violência, nunca mais serão as mesmas. Tem pessoas que se recuperam, seguem com suas vidas, mas tem pessoas que não conseguem. E não tem como vc dizer: Ahhh, eu faria isso eu faria aquilo. Não da pra vc saber o que vc faria porque vc não sabe como vc vai reagir se uma coisa horrenda dessas acontecer com vc.

E eu concordo com a galera que diz que a mulher não deveria ter que carregar o filho do agressor, não deveria ter que passar por nove meses de tortura, que isso não é saudável nem para ela e nem para a criança. Que é uma espécie de tortura. Bem como é terrível vc ter que reviver o momento horrendo que vc passou durante a feitura do boletim de ocorrência, durante o julgamento, servir de testemunha, passar por acareação… tudo isso é muito dolorido. E existem pessoas que não tem estrutura psicológica para passar por tudo isso.

Nisso eu estou de acordo com os movimentos femininos e feministas e eu acho que a mulher deveria ter a escolha, sem pressão da sociedade, dos órgãos religiosos, sem culpa. A Mulher deveria simplesmente ter o poder de decidir não querer carregar o filho o bandido e ponto final. E os órgãos governamentais deveriam apoiar e facilitar as coisas para essa mulher realizar este aborto. E este projeto de lei… promete apenas… nada mais nada menos… que dificultar ainda mais e criminalizar mais ainda o ato de abortar este feto.

Entretanto…. eu sou particularmente contra o o aborto. Em linhas gerais. Eu acho que se a gravidez é fruto de um estupro a mulher deveria sim ter o direito de decidir se ela quer ou não manter essa gravidez e dar a luz a esta criança. Se ela não se sentir capaz, achar que não vai conseguir separar as coisas, se vai ser um sofrimento para ela e para a crianca  e tal. Mas a escolha, deveria partir dela. Porque só ela sabe o que está sentindo. Se não for contra os princípios morais dela e se não vai colocar sua vida e sua saúde em risco  ela deveria ser dona desta decisão. Entretanto como eu disse, em linhas gerais eu sou contra o aborto e sou a favor da vida. Mas isso são convicções filosóficas, religiosas, morais MINHAS… e eu não tenho a pretensão de querer impor as minhas crenças do que é certo ou errado a outras pessoas, muito menos para pessoas que não compartilham do meu pensamento. Cada um leve a sua vida como bem entender.

Meu posicionamento contra o aborto em geral (abrindo parenteses para o aborto em caso de estupro, e do anencéfalo e do que coloca a vida da mãe em risco) parte primeiramente do princípio que qualquer aborto, na minha opinião e um homicídio contra um ser indefeso. Em segundo lugar, um aborto e um ato de violência contra o corpo da mulher. Essa galera que e favor do aborto com a prerrogativa de que a mulher tem que ter a posse do seu corpo… nunca viu ser feito um aborto. Não tem noção dos riscos que esse procedimento, mesmo feito por médicos conscienciosos e hábeis, pode colocar em risco a vida e a saúde da mulher. Pode perguntar para qualquer médico. Pergunte pro seu ginecologista. Só pra citar apenas dois… vc pode correr o risco nunca mais poder ser mãe, pode ficar estéril e vc pode morrer!!!!

Mulherada que quer que o aborto seja legalizado, eu entendo o ponto de vista de vcs… mas eu discordo que isso deva acontecer porque senão, acho que abre precedente pra uma exploração econômica da situação. Imaginem? Clínicas especializadas em aborto? Ganhando grana com a morte de seres inocentes e indefesos? Imagine falsas denuncias de estupro sendo usadas como desculpas para a prática do aborto econômico? O que em si já é crime… porque falsa denuncia de crime é crime! Se não houve estupro, mas vc diz que houve só para poder fazer um aborto vc está cometendo crime amigos! Muitas pessoas inescrupulosas querem a legalização do aborto para criar um esquema e faturar alto em cima de um ato tão perigoso para a vida da mulher gravida e com a morte de crianças inocentes.

Entretanto não sou nem um pouco a favor de algumas exigências que este projeto de lei quer estipular. Pelo que eu entendi, eles estão querendo que seja obrigatória a feitura de um boletim de ocorrência e também a feitura de um exame de averiguação para certificar que houve mesmo o estupro. Claro, que a não obrigatoriedade já deixa em aberto a possibilidade de falsa denúncia de crime. Mas também ter que submeter a vítima do estupro ao constrangimento de interrogatórios, e exames invasivos. Depois de ela já ter passado o que passou… não acho certo. Não é humanitário. Contraria tudo o que os direitos humanos defende. Se por um lado a obrigatoriedade de exame, procura dificultar a prática do aborto e prevenir que algumas pessoas sejam falsamente acusadas de estupro. Por outro exigir essas coisa infringe ainda mais constrangimento para mulheres que já sofreram tanto.

Fica bem claro que este projeto foi criado por homens. E eu não estou sendo discriminativa com relação aos homens quando eu digo isso… apenas deixando claro que o ponto de vista de um homem e diferente do de uma mulher. Um homem tratando de estupro vai sentir menos empatia… Duvido que alguma mulher tenha dado sequer algum palpite na redação deste projeto de lei, porque ele e bem desprovido de empatia com relação a vitima. Duvido que houve algum estudo, duvido que médicos e psicólogos tenham sido consultados, que todos os complexos ângulos envolvidos tenham sido analisados. Especialmente as consequências que a aprovação desse projeto de lei pode causar. Acredito que nem mesmo juristas que entendem muito de lei tenham sido consultados. Os legisladores brasileiros criam projetos de lei pelos narizes! Sem nem mesmo se dar ao trabalho de parar para pensar… Esta lei é necessária? Esta lei vai atender a população? Vai de encontro ao que falta no ordenamento jurídico?

A verdade verdadeira e que esse projeto de lei não altera muito o que já acontece atualmente. E uma burocracia danada para que a mulher vitima de estupro consiga, legalmente realizar um aborto na rede publica que saúde. Ela tem que entrar com uma ação e demora tanto tempo para o juiz conceder a decisão que quando ele decide em favor da vítima ela já esta num estado tão avançado da gravidez que muitas vezes o aborto se torna inviável.

E a mulherada que esta defendendo o direito ao seu corpo, pensem bem no que vcs estão pedindo. Porque vc tem direito ao seu corpo claro, mas vc tem responsabilidades com ele também e uma das suas responsabilidades e uma delas e tomar as devidas precauções para que não aconteça uma gravidez acidental. Tem muitas pessoas que defendem a ideia de que… ahhh mas a camisinha não te dá cem por cento de garantias, ahhh mas as formas contraceptivas não são garantidas… Mas galera, a pilula do dia seguinte, e o aborto não devem ser declaradas legais só para que vc possa ser irresponsável e transe sem camisinha, sem contraceptivos nenhum… não é uma solução para vc ser irresponsável com o que vc faz com o seu corpo. As feministas espalhadas por ai que acham que a pílula do dia seguinte e o aborto são soluções para evitar terem filhos num momento que não querem tem que parar e olhar para essas ‘soluções’ com olhos mais críticos, menos emotivos. 

Um aborto tem que ser encarado pelas mulheres como uma quimioterapia para quem tem câncer. Ninguém quer ter câncer. Mas as vezes acontece. E quando isso acontece vc tem que fazer a quimioterapia. Ninguém quer fazer quimioterapia, mas é necessário. A quimioterapia é um  tratamento que mata as células cancerígenas, mas ao mesmo tempo mata suas células saudáveis. Vc pode durante o tratamento para matar o câncer… morrer porque a quimio matou também as suas células saudáveis.  E o aborto é uma necessidade em alguns casos… tanto quanto é a quimioterapia. Portanto tem que ser encarada com a mesma seriedade.

Esta muito na moda ser feminista hoje em dia. Se declarar feminista. Mas o que eu vejo e muitas pessoas vendo os homens como inimigos e tal… as pessoas deveriam ser mais humanistas.

E e isso galera, este acho que e o post mais longo que eu já escrevi neste blogue. Sei que muita gente nem vai ler porque o assunto e chato, tenso e porque e um puta texto longo mas eu queria deixar bem claro aqui minha opinião quanto a este assunto. Se eu fosse vitima de estupro… e engravidasse, eu não teria coragem de praticar um aborto, mas também não sei se teria condições de criar a crianca provinda de um ato de violência tao grande. Não sei como ficaria a minha cabeça. pois as cicatrizes do corpo muitas vezes saram, mas e as da alma???? Não sei se eu teria condições de ser para essa criança uma mãe amorosa. Não sei o que restaria de mim para mim mesma. E eu vou ficando por aqui galera… texto muito grande logo no começo da semana hahahahaha.

See you guys around the corner
Shao