Okay, antes de mais nada aviso aos navegantes. Não é um texto tratando de religião. Vai, é claro, navegar ligeiramente por águas cristãs já que eu vou falar de um texto bíblico. Mas não é sobre religião. O que eu realmente gostaria é de fazer uma abordagem um pouco mais filosófica e psicológica sobre o texto, não sei se eu vou conseguir, talvez seja pretensão demais, mas… vou tentar. Se preparem que o post vai ser comprido pra caramba. Se não quiserem ler, não tiverem paciência… neeeeem comecem.

Então, assim. Para quem não acredita, nunca leu a bíblia e não conhece a história de Jonas, um resumão (não precisa acreditar, nem levar a ferro e fogo, se vc não acredita basta encarar como mitologia cristã). Jonas era um homem que Deus escolhe para ser profeta dele na terra. Os profetas eram os escolhidos de Deus para guiar o povo e muitas vezes até os reis no caminho da justiça, retidão… mas não apenas isso, no caminho da prosperidade também. Por exemplo, os reis jamais iam para a guerra, conquistar outras terras e outros povos sem antes consultar o profeta. Assim sendo, o profeta naqueles tempos representa o equivalente grego a um oráculo.

Assim sendo, natural que ele tivesse uma certa posição de destaque no meio do povo. Entretanto, ser profeta nem sempre era uma beleza. Muito pelo contrário, vc tinha que ir onde Deus te mandasse, fazer o que Deus mandasse e assim fazendo, muitas vezes o profeta literalmente se ferrava.

A bíblia tá cheia de histórias onde os profetas foram fazer aquilo que haviam sido mandados fazer e foram mortos de formas horríveis. Porque imagina que legal… Deus manda vc ir na frente do rei mais poderoso da sua época e falar pra ele que se ele não sair da terra de Israel ele e todo o povo dele vai sofrer, morrer, etc. É claro que qualquer tirano que se preze ia pegar o sujeitinho e esfolar ele vivo.

Então, eu concluo (e esta é apenas a minha opinião) que ser profeta não era lá muito bacana. Era sim, uma baita de uma responsabilidade sem tamanho que podia levar vc a uma morte prematura e dolorosa.

Mas ao que parece ser profeta não era pra qualquer um. Era meio que um direito de nascença. Vc tipo, nascia com o ‘dom’ então já era amiguinho. Vc vai crescer e ser ‘homem de Deus’.

Já se perderam na linha do raciocínio torto da Shao? Não… então segurem-se aí nas cadeiras, uma hora a gente chega lá.. Voltando ao Jonas… ele era um profeta. Então, um belo dia, Deus chega pra ele e fala: Jonas meu filho, eu quero que vc vá numa cidade chamada Nínive e fale pra todo aquele povo de lá, que eles tem 40 dias pra se arrependerem das coisas erradas que estão fazendo senão eu vou destruir eles como eu fiz com Sodoma e Gomorra.

Sodoma e Gomorra para quem não sabe, eram duas cidades cheias de gente que adorava um pecado, sexo, drogas e Rock n’ Roll e Deus mandou fogo e enxofre do céu e destruiu as duas cidades e todos que moravam nelas. E ao que parece, a tal cidade de Nínive estava indo pelo mesmo caminho pecaminoso que as duas antecessoras.

Deus falou isso pra Jonas e ele ficou bolado, na verdade ele ficou morrendo de medo, porque a cidade não ficava no reino de Israel, era num reino vizinho com outros deuses e outros costumes. Ele deve ter pensado, nem ferrando que essa galera vai dar ouvido pra mim. Vão acabar é me matando.

Então, Jonas, o profeta mais azarado de todos os tempos resolveu desobedecer Deus (óhhhhhhhhhhhhhhh). Sim, em vez de ir pra onde Deus tinha mandado ele, ele foi exatamente pro lado oposto. Fazendo lá, o trabalhinho de profeta dele, mas não foi para onde Deus mandou. Muito pelo contrário, ele foi exatamente para o lado oposto.

Mas, como Jonas era (na minha opinião) o profeta mais azarado de todos os tempos, o navio que ele pegou para fugir da missão que Deus tinha dado para ele afundou… todo mundo morreu, menos ele. E você ainda acha que ele era azarado Shao??? Sim!!! Vai vendo… ele não morreu no acidente náutico, não morreu afogado, aí veio uma puta (ai, não posso falar palavrão porque é história bíblica  – olha eu fazendo pecado – Tia Shao má!) uma baita de uma baleia que existia naqueles tempos e que hoje não existe mais porque entrou em  extinção provavelmente por culpa dos japoneses (que ate hoje comem baleias) ou dos franceses (que usavam o óleo da pele delas pra fazer perfumes caríssimos) e a baleia engoliu Jonas.

Ahhhhhhhhhhh Shao… peloamorde… CALMA!!! Eu explico… ou eu tento ahahahaha. Pesquisando por aí eu achei um texto que diz que o texto bíblico não fala de uma baleia, que fala de ‘um grande peixe’ Cientistas cogitam que poderiam ser uma baleia Cachalote, para outros, seria um Grande Tubarão-branco. Recentemente, foi sugerido um outro candidato – o Tubarão-baleia.

Biólogos podem explicar melhor que eu que não manjo nada de baleia, tubarão e outros animais marinhos. Mas, voltando ao texto. No novo testamento diz que Jonas ficou, três dias dentro do ventre da baleia (eu vou falar Baleia, não interessa se foi o tubarão). Entretanto no livro de Jonas não fala nada de ventre, fala que ele ficou dentro do animal.

Naturalmente uma pessoa engolida, ficando no ventre, então no estômago, seria digerida. Além disso não receberia oxigênio. Resta a hipótese que o profeta foi transportado na boca da baleia. O cachalote poderia ter conseguido tal façanha. Normalmente ele transporta os bebês doentes dele na boca, que é espaçosa como um pequeno quarto, e leva-os à tona para respirar. Nesta época cachalotes povoavam o mar mediterrâneo, o lugar desta narrativa. Resgates de seres humanos por cachalotes são, porém, pouco documentados. Conhecido é somente o caso de um marinheiro naufragado inglês, que foi salvo por um cachalote perto das ilhas Malvinas durante a Primeira Guerra Mundial, na maneira igual à aplicada a Jonas segundo a Bíblia.

Então, tá lá Jonas, dentro da boca, sentindo aquele bafão de peixe (ou melhor crill que é o que a maior parte das baleias comem, ou assim me disseram). Daí, lá dentro ele ficou arrependidão de ter desobedecido as ordens de Deus então ele pede perdão e fala pra Deus que se ele sair vivo de dentro da baleia ele iria fazer a vontade de Deus.

A baleia, então começou a tossir e cuspiu, vomitou (eca) o Jonas pra fora… bem na praia de Nínive. Então como ele tinha prometido que se ele escapasse daquela vivo ele iria lá fazer o que Deus tinha mandado… ele foi, falou com um monte de gente e a cidade se arrependeu dos seus maus caminhos e foi poupada da ira divida.

Ufaaaa história comprida Tia Shao, cansei de ler… Eu sei, sinto muito. Agora sim, eu sempre li curiosamente essas histórias de profetas e seres humanos predestinados a grandes coisas, ou dotados de algum dom etc. Por quê? Porque muitas pessoas acreditam que estamos aqui nesse mundo porque cada um tem a sua missão a ser cumprida, tem um papel a desempenhar e coisa e tal… eu sempre me perguntei, será que temos mesmo? Ou será que tudo é só um grande conglomerado de coincidências, um ajuntamento de situações, causas e efeitos que por sua vez geram outras causas e efeitos… tudo não passa de um grande acidente cósmico?

Seja lá o que for (eu não decidi ainda no que eu acredito), não me parece nada agradável a perspectiva de ser o escolhido, o predestinado, atender as expectativas das pessoas ao seu redor e dos poderes superiores… E é claro, o principal problema de todos, não poder fazer suas próprias escolhas, não ter por exemplo, o direito de ser estúpido, inconsequente e irresponsável porque afinal de contas a vida de todos depende de vc.

E é claro, se vc nasceu assim predestinado, vc está equipado (pela natureza, pelo sobrenatural) para desempenhar a sua função como nenhum outro. E como não poderia deixar de ser de brinde o escolhido vem equipado com uma coleção de princípios e dotado de extremo altruísmo. Tipo, mesmo que ele esteja de saco cheio, que não esteja nem um pouco afim de fazer aquilo que esperam dele ele vai lá e faz assim mesmo, porque é a coisa certa a ser feita. Mesmo que no final isso signifique que ele passe a vida toda sem viver a sua própria vida, apenas lidando com os problemas e as necessidades dos outros.

Se ele não tivesse nascido com todos esses atributos ele não seria o escolhido, o máximo que ele podaria ser seria, não sei digamos, o vilão?! Sim!!!! Assim sendo, ou vc é o Jonas ou vc é, sei lá… deixa eu pensar no nome de um vilão bem ferrado… Lorde Voldemort!!! Ou Sauron!!! Um desses assim, podem escolher. Vc é o cara do mal todo fudidão mauzão.

Dava uma tese de mestrado isso. Os Profetas são escolhidos porque nascem prontos? Ou eles são forjados no calor da batalha? (Não… os heróis são forjados no calor da batalha … #XenaFeelings).

Mas é claro, para começo de história, se vc acredita que existam profetas está subentendido que vc acredita que eles já nasceram prontos. Né? Não??? Ficou confuso??? Anyway, se eles nasceram prontos eles foram escolhidos? Não, eles foram já pré-fabricados (ai tia Shao vc viajou na maionese agora). É, viajei, foi mal! Ficou hiper sem sentido este último parágrafo hahahahahaha, mas whatever!

Mas enfim, o que eu quis dizer é que… fala-se muito nos escolhidos, quando se fala em profetas mas na verdade eu acho que o termo correto a ser usado talvez fosse os predestinados. Então é uma somatória de fatores. Para acreditar em Profetas, é necessário acreditar em predestinação, e para acreditar nisso por sua vez é necessário que se acredite em destino.

E se existe destino onde ficaria o livre arbítrio nisso tudo? Então no final das contas não existe escolhas a serem tomadas? E os representantes de Sauron (vulgo vilões)? Também estão predestinados a serem vilões?

É tudo meio louco, a não ser é claro que vc de repente acredite que o livre arbítrio entra na história como uma chance, uma arma que a pessoa tem contra o destino. Uma arma meio fraquinha e inútil se pegarmos a história de Jonas como exemplo.

Quer dizer, ele exerceu o livre arbítrio dele a não ir fazer aquilo que ele, como ser predestinado, tinha sido incumbido de fazer. Entretanto o livre arbítrio dele inexistia diante de tanta conspiração. Nem os poderes celestiais, nem os poderes invisíveis do destino ou da predestinação deixaram o pobre Jonas em paz, ele foi coagido a aceitar o seu papel de predestinado e fazer aquilo que ele nasceu para fazer. Pelo menos é o que parece, realizando uma leitura não religiosa do texto.

E parando pra pensar agora um momento, é sempre assim… a tragédia segue os predestinados. Se eles não usam seus super poderes concedidos a eles por seres superiores (Oi?) eles se ferram. E é assim desde tempos mitológicos… o que me faz lembrar o mito de Orfeu e Eurídice (não o filme idiota com o cantor do Cidade Negra… a lenda grega mesmo), qualquer dia eu paro pra contar esse mito, é bacana. Mas a mensagem principal desse mito é que não existe felicidade perfeita nesse mundo, qdo vc tem tudo, amor eterno, talento, sucesso… alguma tragédia vai acontecer e vc vai se ferrar.

Na boa, eu tenho pena dos predestinados. Imaginar vidas assim, viver nada mais é que carregar o fardo dos outros. Numa dessas é muito mais vantajoso ser um qualquer sem talentos, sem super poderes e sem um destino glorioso todo programado.

Todos nós temos que passar sofrimentos e privações na vida, então… ter que encarar apenas os seus problemas, e lidar apenas com as suas dores e frustrações é uma vantagem!

É aquela velha máxima… nada é de graça, vc não pode ter dom algum e se recusar a usá-los em prol do bem comum. Como diria o tio do Homem Aranha… Grandes poderes… grandes responsabilidades… Ou ainda, como diria Samuel Rosa do Skank “os deuses vendem quando dão”.

Caraca, esse post ficou muito grande e aposto que ficou totalmente sem nexo… Desculpa aí galera. Acho que vou colocar uma observação lá em cima dizendo que ele é uma total viagem na maionese.

Enfim, desculpem pela viagem, pela filosofia de botequim de quinta categoria mas é que eu tô meio deprimida. Hoje é domingo, por conseguinte amanhã é segunda, o que já é motivo bastante pra me deixar pra baixo, mas como se só isso não bastasse hoje minha mãe se estivesse viva estaria completando 58 anos… Não consigo superar o fato dela ter ido embora tão cedo…

See you guys around the corner
Shao