Olá crianças… Primeira semana do ano tá acabando já… sim, sábado a noite… Essa semana não foi uma beleza, foi bastante produtiva mas poderia ter sido melhor se eu não tivesse caído de gripe logo na segunda-feira. Fui trabalhar me sentindo mal pra caramba, com calafrios… cheguei em casa fui ver… estava com febre.

Não sei se eu já estava gripada aí dormi com o diacho do ventilador ligado e piorou ou se a minha resistência tá caindo na sola do pé de novo. Resultado da gripe devastadora, fiquei de cama terça e quarta… bebi bastante água, bastante suco de laranja, tomei o remédio e dormi pra caramba porque paracetamol me dá sono… muito sono. Voltei pra trabalhar na quinta e mandei ver no que eu podia, consegui me livrar de um monte de coisas mas ainda tem coisa pra caramba pra fazer. Então, apesar dos pesares a semana foi razoável. Poderia ser melhor, mas poderia ter sido pior também. Começo do ano e ano de eleição é um inferno… so here we go enfrentar os dois.

Essa semana também aconteceu uma coisa bastante peculiar. Estava lá eu no meu trabalho, na sexta-feira quando surge do nada a ex-chefe da minha mãe. Maria Célia, ela foi chefe, depois foi Diretora da minha mãe, foram vários anos. Ao que parece ela mora lá na região da Subprefeitura que eu trabalho e o marido dela foi ver um negócio do IPTU e ela resolveu ir junto com ele para ver se me encontrava por lá.

Rolou aquele momento, ela ficou emocionada… ela me viu crescer. Eu era uma pirralha de sete, oito anos quando ela e minha mãe começaram a trabalhar juntas, eu era só a pirralha que ficava sentada na mesa em frente à dela fazendo minha lição de casa enquanto ela resolvia os pepinos da sessão dela.

Depois que ela foi embora eu tive uma epifania, não foi nada assim, que muda a sua vida, mas, foi engraçado. Eu ainda me lembro de quando eu era aquela pirralha. A Vida era dureza, eu  estudava no centro, num colégio de freiras na Rua da Glória, eu acordava cedo com a minha mãe e pegava ônibus lotado, carregando a minha mochila com seis quilos de livros (eu sei que eram seis quilos porque tinha uma farmácia com aquelas balanças antigas no caminho pra escola e uma vez a minha mãe fez eu parar lá e pesar minha mochila porque ela achou que eu estava carregando muito peso e que ia fazer mal pra minha coluna) era uma vida dura mas apesar disso eu era uma criança feliz.

Mas, voltando à epifania, eu parei pra pensar… Cara… há 25, 26 anos atrás eu era uma pirralha sentada na mesa da minha mãe fazendo meu dever de casa, estudando, enquanto a Maria Célia era uma adulta, chefe de setor. Agora, eu sou a chefe de setor e ela é uma senhora aposentada cuidando das coisinhas da casa dela. Como será que estarão as coisas daqui a mais 25 anos?

Enfim, mudando de pato para ganso… hoje foi a nossa (Eu, Cassinho, Carlos e Welita) primeira aula no cursinho para o concurso do TRE. Amanhã é a segunda, e vai ser assim todos os finais de semana até a segunda semana de março… porque na terceira semana é a prova. Vou dizer, é cansativo, mas eu estou disposta a me esforçar ao máximo para pelo menos passar nesse concurso.

São poucas vagas, não sei se eu vou conseguir uma das vagas, mas se eu pelo menos figurar entre os aprovados eu tenho chances de quem sabe ser nomeada. Da última vez que teve concurso do TRE eram 56 vagas e eles nomearam 400 no prazo de quatro anos.

Apesar de que, eu estava conversando com meu irmão hoje, enquanto voltávamos do cursinho, eu ficaria super feliz se ele e o meu primo passassem no concurso, porque eu não tenho o emprego dos meus sonhos (e nem sei se terei um dia) mas meu salário é razoável, não é uma maravilha mas dá pra pagar minhas contas e viver com dignidade. E eu tenho, estabilidade. Cassinho e o Carlos estão batalhando, Cassinho está se acabando de trabalhar e nem está registrado e o Carlos tá pior, tá desempregado. Se os dois passarem, na verdade eu vou ficar mais feliz do que se eu passar. É claro que num mundo perfeito nós quatro seríamos aprovados. Mas… infelizmente não vivemos num mundo perfeito. Se um de nós quatro for aprovado vai ser bacana pra caramba.

Falei pra minha tia hoje do lance de não passar mais o ano novo em família por causa da dona Tereza (minha vó) e claro que ela não me entendeu. Minha tia é uma boa pessoa, tem um coração enorme e toma decisões passionais e erradas por ser uma pessoa boa. Ela quer manter a família unida, mas pelas razões erradas. Ela não tem a mesma concepção que eu e meus irmãos, depois de tudo o que passamos temos. Nós acreditamos no que a nossa mãe nos ensinou, que laços de sangue são importantes, mas não são garantia de amor, amizade. Ela sempre dizia que mesmo as pessoas que fazem parte da nossa família tem que merecer o nosso amor.

Pode soar meio maldoso, meio sem coração, mas nem por isso é menos verdade. E infelizmente, nem sempre as pessoas da sua família merecem seu afeto, seu amor e muito menos a sua confiança. São pessoas que estão ali, convivem com você  esperando uma oportunidade para te magoar, fazer com que você se sinta inferior porque é a única maneira deles se sentirem melhores com relação a eles mesmos ou aos filhos deles…

Minha vó infelizmente é assim. Toda a vez que minha mãe falava alguma coisa sobre o meu tio ela adorava soltar uma tipo: Não fala assim Cristina, você também tem filho. E minha mãe dizia, meus filhos vão ser aquilo que eles tiverem que ser. Não adianta a senhora rogar praga. Minha vó adora rogar praga hahahaha. Mas enfim, minha tia não entende então não adianta debater com ela.

Hoje mesmo minha vó liga pro Cassinho meu primo bem no meio da nossa aula querendo que ele fosse lá na casa dela, pra arrumar o varal da casa dela. Detalhe sórdido, um dos filhos trombadinhas do meu tio estava lá com ela essa semana toda, ele não é tão bonzinho? Porque ele não arrumou o varal pra ela.

Anyway, final do ano que vem quero ver se eu guardo uma grana pra eu e meus irmãos passarmos o ano novo longe daqui. Se eu passar nesse concurso quem sabe eu nem preciso guardar grana, quem sabe eu vou estar ganhando um salário melhor e vou poder pagar uma viagem bacana pra gente.

Bom, agora é sábado a noite e eu estou terminando de lavar a minha roupa, depois que eu pendurar as danadinhas eu vou dormir porque amanhã acordo cedo novamente.

See you guys around the corner
Shao