Desanimada para escrever aqui no Blogue, essa semana foi terrível. Cansativa até mandar parar… um monte de reuniões, palestras, consultas médicas… processos enchendo a minha cabeça, más notícias a rodo e boas notícias à conta-gotas no trampo, festas de aniversário e outas coisas…

Como sempre acontecem mais coisas ruins do que boas no universo. Eu me pergunto se existe uma lei intergaláctica sobre isso (não, a Lei de Murphy não vale galera eu tô falando sério). Sei lá… será que o mal, as coisas ruins e negativas e tudo o que está associado a eles possuem uma espécie diferenciada, meio que turbinada, de átomo que faz com esse tipo de coisa, atitude ou o que quer que seja se espalhe e se prolifere com uma rapidez infinitamente superior ao bem?

Porque parece… a cada uma notícia boa que eu recebo, eu tenho pelo menos dez coisas ruins… e não é só no trabalho, é na vida. Gente ficando doente, morrendo, sendo perseguida, abusada e injustiçada… é triste… é desanimador.

Minha mãe dizia que eu pensava demais, analisava demais as coisas… eu juro que eu já tentei deixar de analisar e pensar tanto. Mas não consigo… talvez fosse necessário viver num num isolamento maior da sociedade, um pouco menos em contato com as pessoas para deixar de ser tão analítica. Uma das coisas que sempre me estarreceu nas minhas infindas observações foi o ser humano. (Ai Shao o ser humano não é uma coisa sua estranha). É sim… querem ver…

Quinta foi um dia deveras interessante apesar de cansativo. Eu acordei mais tarde porque eu tinha que ir ao posto então eu pensei… foda-se danse-se acordar às seis da manhã. Daí acordei, tomei meu banho, me arrumei, arrumei almoço e marchei feliz e contente para o posto de saúde, afinal de contas depois de quatro meses de espera meu ‘kit diabetes’ foi liberado.

Eu simplesmente odeio me atrasar… cheguei lá às dez para as nove (estava marcado para as nove horas). Daí tinha uma velhinha do mal  lá, que (segundo fontes fidedignas) estava lá desde a seis da manhã… Como é a primeira vez que pega o kit tem que ouvir palestras, e… (não, não é chato… é bacana, vc aprende coisas úteis… qualquer dia eu posto aqui as coisas que aprendi com esse lance de diabetes. Tudo na vida é aprendisagem crianças, principalmente as coisas ruins)… a velhinha sentou lá, ouviu toda a palestra depois foi pra fila com o resto da galera, pra outra sala aguardar para a entrega do aparelho e dos suprimentos… aquela puta baita fila, aí a criatura se levanta e sai acotovelando várias pessoas… eu inclusive, pra passar na frente… (afinal de contas ela tinha muita coisa para fazer em casa né?)… eu tinha que ir trabalhar ainda mas… beleza… minha mãe me educou demais e eu deixei a velhinha passar na minha frente… sei lá, de repente ela estava com dor… queria ir logo pra casa pra tomar o remédio… vai saber.

O Mal do mundo atual é que as pessoas só pensam em si mesmas. O meu mal talvez seja pensar demais nos outros, me colocar demais no lugar dos outros. Isso faz de mim uma péssima chefe. Mas o assunto é outro…

Continuando… a velhinha entrou na sala da enfermeira que estava distribuindo os kits e sentou… meu irmão fuzilando ela com o olhos. Nisso a enfermeira fala: Não Dona Fulana, eu estou primeiro atendendo quem é a primeira vez, a senhora aguarda lá fora com seus amiguinhos.

Meu irmão ficou possesso cara, pq a velhinha já pegava o kit, ela nem precisava ouvir palestra nenhuma. Era só chegar lá às dez horas e pegar o kit… sim, ás dez… era a hora que estava marcado para ela chegar e ela chegou às seis!!

É por essas e outras que eu digo que o Ser humano é uma coisa estranha. Cara… o que eu atendo de idosos lá no meu trampo… de cada dez pessoas atendidas… nove são idosos. Não estou de brincadeira. A pessoa tá lá… doente, muitas vezes atendi pessoas com câncer em estado terminal e putz… lá, na prefeitura… pegando fila pra tirar segunda-via pra pagar o IPTU pra não deixar dívida pro filho.

Uma vez eu atendi um senhor que tinha dado o dinheiro pro filho, o cara não pagou, o velhinho doente, na cadeira de rodas, veio pagar… quer dizer: o nauseabundo, o apedeuta do filho dele pegou a grana dele, gastou… e o velho praticamente teve que pagar duas vezes. e ele tava doente, muito doente… ele disse pra mim: minha filha eu sei que eu tô morrendo mas eu quero deixar tudo certo.

Mano!!! É… indescritível a raiva que eu fiquei na hora cara. Tipo… se eu tivesse uma serra elétrica eu cortava o cara em pedacinhos.

Os três anos que minha mãe ficou de idas e vindas no hospital eu pegava a grana dela no banco. Pagava as contas. Guardava o resto e levava lá pra ela tudo certinho, extrato e o caramba no hospital. E quando não tinha grana eu pegava do meu salário… peguei dinheiro emprestado uma vez… eu nem ia incomodar ela cara, eu me virava… pq a saúde dela era o mais importante ( e doença come a grana da gente assim de uma forma medonha ).

Teve uma época que ela não conseguia se alimentar. Ela tomava um suplemento que custava tipo 17 reais 200ml do negocio lá… e ela tinha que tomar 5 ou 6 por dia… e era a única coisa que ela tava podendo comer… isso e suco de graviola… Se vender o rim fosse legal eu teria vendido o meu pra comprar o suplemento cara…

Eu tô pagando até hoje conta que estava no nome dela. Porque eu não acho justo, ela se sacrificou a vida toda pra ter as contas todas pagas e agora que ela morreu eu falo foda-se dane-se não vai sujar meu nome mesmo não vou pagar mais nada… não é por aí, eu tô honrando com os pagamentos. Se eu tenho condições de pagar eu pago… e vou quitar as contas com a ajuda de Deus.

Todos os dias a prefeitura abre às 8 horas e fecha às 18… já teve dias de eu entrar sete e meia e sair sete e meia da noite… e eu não ganho hora extra por isso. É que atendimento ao público é essa merda coisa mesmo. E sempre me espanta… o fato dos velhinhos estarem lá… fazendo fila da porta da prefeitura… antes das seis horas muitas vezes. Tomando friagem, em pé… no meio da rua arriscando a serem assaltados… eu sempre me pergunto. Cadê os filhos desse pessoal???

Meu irmão ficou… extremamente irado com a atitude da senhorinha. Mas eu entendo até ela cara… eles saem cedo porque eles não dormem. Eles saem para as repartições públicas, muitas vezes inventando problemas a serem resolvidos muitas vezes por solidão.

Muitos deles querem apenas contar pra vc que o vizinho grita com eles, maltrata… porque eles simplemente não tem mais niguém para reclamar… os filhos não ligam ou não conseguem dar conta de cuidar de uma criança grande.

Minha vó mora em Carapicuiba, simplesmente na ponta oposta da cidade…. duas horas longe daqui… três de condução… tem que atravessar SP pra chegar na casa dela. E a gente já tentou, um milhão de vezes trazer ela pra morar perto da gente, para podermos cuidar melhor dela, fazer compras, levar no médico, fazer companhia mesmo… conversar… porque com a porcaria de vida corrida que a gente leva… fim de semana é pra fazer faxina… nem pra passear pra nada…

Tô morrendo de saudades da minha velhinha e não tenho tempo de ir lá vê-la… qualquer semana eu dou um cano no trampo na sexta e vou lá pra casa dela.

Bom… vou ficando por aqui que já passou e muito da minha hora de dormir.

Ahhhhh e antes que eu me esqueça… saiu o video editado pelo pessoal do site Roxette Brasl (clique aqui pra conhecer o site, vale a pena) que vai ser dado de presente para Per e Marie quando eles vieram fazer os shows aqui… aqui embaixo vc pode conferir as duas versões a que eu fiz com o meu irmão e a final editada com toda a galera participando… ficou legal demais…

See you guys around the corner
Shao