Sim, mais uma… não sei quantas já tivemos este ano, acredito que não tenham sido muitas… mas isso não vem muito ao caso. Ontem eu fui dormir já eram duas da manhã… fiquei estudando. Acreditem se quiser… Tentei estudar durante o dia… fiquei o dia todo trancada no quarta às voltas com meus livros e cadernos e gravações das aulas mas surgiram, do meio dos infernos… uns sujeitos que cismaram de parar o carro debaixo da minha janela e ficar com aquele som ligado fazendo barulho, e a mulherada rebolando na calçada (credo, até parece letra de funk) primeiro um sertanejo, depois um pagodeiro… eu quis a morte, como o barulho nojento me atrapalhava a concentrar-me na minha leitura, direito econômico já é complicado com esse som insano então nem se fala, então eu resolvi passar meu caderno a limpo… ou melhor, meus rascunhos a limpo. Os professores falam tanto e tão depressa que o que eu escrevo em sala fica inisteligível…  depois nem eu mesma consigo entender se não passar a limpo. Adiantei uma parte boa, mas ainda falta um bloco considerável. Depois que todos os bêbados, maloqueiros e vagabundas entraram em coma alcoólico eu pude ler um pouco.
 
No trabalho hoje o dia foi calmo, finalmente colocamos os processos em dia. Espero que amanhã seja mais calmo ainda… tomara que chova pra não ir ninguém lá… Falando em trabalho, há boatos de que a prefeitura de SP vai abrir um concurso até o fim do ano… espero que sejam bastante vagas, estamos precisando de pessoal. Já que eles não aumentam nosso salário que pelo menos contratem mais pessoal. Preciso avisar o Cassinho…
 
Bom… o que mais… Devido eu ter ido dormir tarde ontem, eu fiquei meia aérea o dia todo. a Lilian acho que eu estava zangada… mas não, era um pouco de sono só… O restaurante onde eu sempre compro minha marmitex trocou de dono… acho que o cara está querendo agradar os clientes porque o negócio vem atolado até a boca de comida… eu hoje até tive que jogar fora uma parte lá porque veio muito mesmo… A Eliana encheu meu estojo de papel aquela pateta… deixa ela… a hora que ela distrair ela vai ver hahahaha…
 
Hoje o Core Curriculum foi legal… aquela professora não é nada convencional. Ela tocou violão, cantou e colocou DVD para nós vermos… tema de hoje, música e resistência… falamos muito da Ditadura… vcs sabiam que durante a ditadura torturas horríveis, comparadas às que os nazistas fizeram com os judeus, foram feitas nos brasileiros que ficaram e resistiram contra o governo vargas? Pois é… coisas tipo… deixar uma ratazana faminta e depois enfiar ela em partes inimágináveis do seu corpo pra ela te comer por dentro…
 
Sabiam também que Fernando Henrique e Serra… que hoje posam de exilados, sofredores pela democracia, simplesmente saíram do país… pegaram a grana que mamãe tinha e se mandaram foram estudar no exterior, ou seja… se auto exilaram, na verdade nunca foram exilados… fugiram os burgueses… e hoje posam de solução para os problemas brasileiros…
 
E sabiam que muitos professores de história, torturados ainda dão aula… inssistem em dar aula e dar seu testemunho sobre as atrocidades cometidas contra eles apesar de todas essas torturas terem deixados graves sequelas físicas e psicológicas nessas pessoas, ou seja, essas pessoas continuam lutando.
 
Sabiam que o Geraldo Vandré… depois que ganhou o festival com aquela música… "Caminhando e cantando e seguindo a canção…" saiu de lá preso e foi tão torturado, mas tão torturado que, apesar de ainda estar vivo ele vive num mundinho só dele, completamente alienado… esquizofrênico e traumatizado???
 
Pois é… tudo isso aconteceu neste país há muito pouco tempo e nós, a cada dia emburrecendo mais graças à rede globo… não sabemos pensar… criticar… e somos incapazes de mudar as coisas… ainda há resistência. Na verdade dois tipos de resistência… a resistência da ignorante, as pessoas resistem a aprender a questionar… preferem ouvir funk e encher a cara a ralar… estudar, aprender e tentar mudar as coisas e a verdadeira resistência que isoladamente tenta fazer diferença… sem muito sucesso…
 
Em homenagem a esses fortes eu vou postas aqui… hoje a letra de duas canções e um poema… que falam coisas importantes… eu sei que meu bloguezinho é um ífimo pedacinho protestante vivo na net… eu nem tenho audiência… só meus amigos Lêem isto aqui… mas deixo minha marca… meu protesto… ainda estou aprendendo a pensar… a questionar… talvez um dia eu consiga fazer algo mais…
Geraldo Vandré…

Pra não dizer que não falei das flores

Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Nas escolas nas ruas, campos, construções
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Vem, vamos embora, que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer
Pelos campos há fome em grandes plantações
Pelas ruas marchando indecisos cordões
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão
E acreditam nas flores vencendo o canhão
Há soldados armados, amados ou não
Quase todos perdidos de armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição
De morrer pela pátria e viver sem razão
Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Somos todos soldados, armados ou não
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição

Perfeição

Legião Urbana

Composição: Renato Russo

Vamos celebrar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja de assassinos
Covardes, estupradores e ladrões
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação
Celebrar a juventude sem escolas
Crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar eros e thanatos
Persephone e hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade
Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras e sequestros
Nosso castelo de cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia e toda a afetação
Todo roubo e toda a indiferença
Vamos celebrar epidemias:
É a festa da torcida campeã
Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar um coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos o hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
E comemorar a nossa solidão
Vamos festejar a inveja
A intolerância e a incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer da nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isso
Com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção
Venha, meu coração esta com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça:
Venha que o que vem é perfeição…

Nostalgia

Nesse País de lenda, que me encanta,
Ficaram meus brocados, que despi,
E as jóias que plas aias reparti
Como outras rosas de Rainha Santa!

Tanta opala que eu tinha! Tanta, tanta!
Foi por lá que as semeei e que as perdi...
Mostrem-se esse País onde eu nasci!
Mostrem-me o Reino de que eu sou Infanta!

Ó meu País de sonho e de ansiedade,
Não sei se esta quimera que me assombra,
É feita de mentira ou de verdade!

Quero voltar! Não sei por onde vim...
Ah! Não ser mais que a sombra duma sombra
Por entre tanta sombra igual a mim!

                            Florbela Espanca

Fui…