Séries Antigas: Mulher Maravilha

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo oitavo dia (428.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Segundo texto de hoje vamos falar de série para não perder o costume. Mas nada de série nova… hoje eu vou desenterrar uma das minhas séries favoritas de quando eu era criança. Eu tô falando da gloriosa série de TV de 1975 “Mulher Maravilha” (ou “Wonder Woman” no original em inglês). Essa é uma das versões mais famosas de programas com a heroína mas não foi a primeira… Antes dessa versão tivemos uma de 1967, e outra de 1974 que eu me lembro vagamente e que a atriz (que eu não lembro o nome agora) era loira. Mas parece que essa versão de 74 não fez sucesso porque era bem diferente da versão dos quadrinhos, então o público meio que rejeitou a série.

Enfim, a versão mais famosa é esta de 1975 protagonizada pela atriz Lynda Carter. Ela teve três temporadas e 59 episódios, sendo a primeira temporada exibida pela ABC que cancelou a série, que então foi comprada pela CBS que exibiu as outras duas temporadas. A série fez um sucesso estrondoso, e ela tentava ao máximo se manter fiel à história original da heroína nos quadrinhos da DC, transformando Lynda Carter, até então completamente desconhecida, num ícone da cultura pop até os dias de hoje.

Até o uniforme original da Mulher Maravilha a série manteve, e suas armas clássicas, como o cinturão do poder, os braceletes, o laço mágico que compele as pessoas a falarem a verdade e até o avião invisível e também seus super poderes clássicos, super força, super velocidade, capacidade de flutuar no ar (não necessariamente voar – ela meio que plana usando o vento – afinal ela é uma semideusa). Parte mais divertida para mim era a transformação dela… ela meio que ficava girando num lugar só com os braços abertos e pronto… de repente ela aparecia de uniforme. Eu achava legal, mas muita gente zoa isso até hoje.

Outra coisa dos quadrinhos que aparece na série é o interesse romântico da Mulher Maravilha, o Major Steve Trevor, mas durante toda a série o romance é bem platônico. Como era de praxe na época. E na série o alter-ego da Mulher Maravilha Diana Prince tem três profissões, uma como enfermeira, trabalhando num hospital, como secretária do Steve Trevor e a outra ela se torna Agente Secreta de uma agência chamada IADC conectada à CIA, em ambos os lugares ela está infiltrada para combater os nazistas, coisa e tal.

A série era muito legal… eu curtia para caramba e lembro que meu pai uma vez me deu de presente uma fantasia da Mulher Maravilha que eu tive por muitos anos, até que eu cresci e não servia mais em mim hahahahaha. Me digam aí, galera que tá na minha faixa etária, se também se lembra dessa série?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Música: Bea Miller

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo oitavo dia (428.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Podemos comemorar amigos, porque com este texto aqui consegui finalmente voltar à marca de 30 dias de texto prontos. São sete da noite, era para eu estar estudando, mas tá frio e eu estou gripada… Então eu vou terminar este texto aqui, vou tomar o remédio para a gripe, vou tomar um chá e vou me esconder embaixo das cobertas até amanhã… até eu me sentir melhor, uma das coisas que eu aprendi tendo tantas gripes e pneumonias na vida é que se vc tiver a oportunidade, num dia muito gripado, beba muita água, tome os remédios, vitamina C e descanse o máximo que puder, e deixe seus anticorpos fazerem o resto. Mas como sempre nem era disso que eu queria falar hoje.

Vamos falar de música? De vez em quando, não sempre… mas muito de vez em quando eu gosto de procurar por algum artista novo, e ouvir coisas novas. Tem uma banda que eu curto, que se chama Boyce Avenue, eu acho que já falei deles aqui no blogue (caso eu tenha escrito algo sobre eles eu vou deixar o link aqui para vcs). E eles fazem parcerias com outros artistas vez ou outra e eu conheci essa cantora de quem eu vou falar hoje numa parceria com os caras do Boyce Avenue, num cover que eles fizeram do Ed Sheeran. Eu vou deixar o clipe aqui embaixo para vcs.

E eu adoro a versão original do Ed Sheeran, mas essa versão ficou fantástica. Enfim… foi assim que eu conheci a Bea Miller. Novinha para caramba, ela tem 22 anos. Ela é norte-americana, original de New Jersey. Ela ficou mais conhecida por participar de um daqueles programas de candidatos de vozes, o X-Factor. Ela se classificou entre os dez primeiros na segunda temporada do programa se eu não me engano. E no currículo dela diz que ela é cantora, compositora, atriz e dubladora.

Carreira dela começou em 2008 praticamente e ela já tem uns trabalhos bacanas no currículo, e já tem dois álbuns, quatro EP’s e seis singles lançados. Eu não vou falar da carreira de atriz nem de dubladora porque eu não sei nada sobre essa parte do trabalho dela. Mas assim… como cantora ela manda muito bem… Vc encontra fácil os trabalhos dela, nas plataformas digitais de música… como no Spotify por exemplo. E para terminar este texto eu vou colocar aqui mais uma música dela para vcs, uma das minhas favoritas, a letra é bem bacana também. Fiquem de olho nessa jovem, porque pode ser que num futuro próximo ela exploda e ganhe o mundo.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

De volta ao trabalho presencial?

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo sétimo dia (427.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Mais de 400 e tantos dias em casa, em teletrabalho e finalmente hoje saiu um decreto com uma previsão de retorno ao trabalho presencial. Não é uma data certa… Porque tudo depende da campanha de vacinação, do andamento da vacinação e quão rápido os nossos governantes consigam vacinar a galera com comorbidades. Nesta semana eles vão vacinar a galera com comorbidades e estão na faixa etária entre 45 e 49 anos. Se tudo correr bem, se todo mundo nessa faixa etária for vacinado direitinho e se houver estoque de vacinas (tem essa ainda por cima) na semana que vem… deve ser a galera que engloba a minha faixa etária. Então eu acho que estou bem perto de ser vacinada e um pouco mais próxima de voltar ao trabalho presencial.

E o decreto da Prefeitura que saiu hoje, determinou que toda a galera com comorbidades que já foi vacinada, que já tomou as duas doses. Acho que é o pessoal acima dos 60 anos. Se já completou vinte dias da segunda dose, a pessoa pode voltar ao trabalho. Eu ainda tô de férias… e ainda tenho que tomar a primeira dose… se tudo der certo, se tudo correr como eu espero eu devo tomar a primeira dose semana que vem… se me aplicarem a Coronavac eu tenho que aguardar mais 30 dias para a segunda dose e então mais 20 dias para voltar ao trabalho. Nesse caso eu estaria de volta ao trampo dia 19 de julho, entretanto se me aplicarem a Pfizer ou a Astrazeneca… o espaço entre a primeira e a segunda dose são de três meses… eu teria que ficar ainda até setembro em casa…

Por enquanto tudo não passa de conjecturas hahahaha, mas eu já fico animada. Mais animada com a possibilidade de voltar ao trampo em julho. Mas infelizmente não dá pra gente escolher qual vacina a gente quer tomar, é a que estiver disponível no posto. Uma amiga minha que é farmacêutica tava falando das diferenças entre uma vacina e outra e a percepção dela sobre qual era a melhor e tal… mas a verdade é que quando chega a nossa vez no posto a gente não sabe qual vai estar disponível.

Bom, de qualquer forma… apesar do ritmo lento das vacinações aqui no nosso país… e de eu achar que os governos tinham que fazer o trabalho deles melhor, tinham que comprar mais vacinas, mais isumos e acelerar o processo todo… eu fico animada, com a possibilidade de tomar a vacina e retomar um ritmo, mais ou menos normal, na minha vida.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Lei contra “stalking”

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo sétimo dia (427.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Quando eu estava no primeiro ano da faculdade um professor uma vez disse que, as leis e o direito estava sempre correndo atrás das coisas que aconteciam na sociedade. Já há muito tempo existem casos, milhares… talvez milhões não sei… de stalking. Perseguidores que simplesmente não sabem como aceitar um não de uma pessoa e se põem a perseguir alguém online ou na vida real. Há uns anos, eu descobri, conversando com a minha psicóloga, que esses acontecimentos, estes casos de perseguição são mais comuns do que eu pensava que fossem.

E agora no dia 31 de março de 2021, meus amigos… atrasada como sempre a nossa legislação passou a criminalizar o ato conhecido como ‘stalking’. A lei 14.132/2021 inseriu no Código Penal brasileiro o artigo 147-A que descreve o crime de perseguição. A redação do novo artigo é essa abaixo:

Art. 147-A – Perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade.

Pena – reclusão de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

§1º A pena é aumentada de metade se o crime é cometido:

I – contra criança, adolescente ou idoso;

II – contra mulher por razões da condição de sexo feminino, nor termos do § 2.º-A do Art. 121 deste Código;

III mediante concurso de 2 (duas) ou mais pessoas sem prejuízo das correspondentes à violência;

§3º Somente se procede mediante representação.

Agora, o que essa lei vai trazer de segurança para as vítimas de atos persecutórios, eu não sei… vamos ter que observar o que acontece daqui para frente, se a lei vai pegar. Se elas efetivamente vai punir alguém. Logo de cara, eu acho a pena extremamente leve… dependendo do que a pessoa tá fazendo para atormentar a vítima… geralmente, excetuando o crime de não pagar pensão alimentícia, crimes com penas menores de dois anos não são lá muito efetivos para punir os criminosos, geralmente são transformados em prestação de serviços e multa… enfim… eu espero estar enganada, mas vamos ficar de olho né?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Desenhos Antigos: A Vaca e o Frango

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo sétimo dia (427.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social. Segundo texto do dia para vcs, mas eu tô em outro dia…

Tô batalhando aqui uma gripe, não se estressem, não é coronga, é só um nariz entupido e uma garganta arranhando. Já passei no médico e tô devidamente medicada… Eu recebi umas notícias referente à vacinação e ao retorno ao trabalho hoje, mas eu falo disto, num dos próximos textos. O segundo texto de hoje é sobre um desenho animado, segundo desenho do dia. Diferentemente da animação do texto anterior esta aqui não é do meu tempo, é do tempo dos meus irmãos. Eu estou falando de “A Vaca e o frango” (ou “Cow and Chicken” no original em inglês) que é uma animação de 1997, produzida pela Cartoon Network, animação de David Feiss.

São 3 temporadas e 52 episódios de aproximadamente 22 minutos cada onde eles contam a história de um universo paralelo de uma família formada por dois pais humanos e dois filhos onde um dos filhos é uma vaca e o outro é um frango hahahahaha. Eu confesso que eu não assistia muito este desenho animado, mas meus irmãos amavam e a premissa é bem engraçada. Imagina um casal de humanos (chamados apenas de ‘mãe’ e ‘pai’ que a exemplo do que acontecia com Tom & Jerry a gente só vê as pernas) que tem dois filhos um que é uma galinha (frango) e um que é uma vaca!

Vaca e Frango vivem várias aventuras e eles tem um inimigo mortal chamado Bum de Fora (ou “The Red One” no original em inglês) que é uma criatura que parece o capeta hahahaha, e ele tem muitos disfarces (o mal tem muitas faces já dizia o ditado) a parte engraçada é que trocam sempre o nome dele por um semelhante com alguma coisa referente a ele estar sempre mostrando seu traseiro. E a única intenção dele é levar a Vaca e o Frango para o inferno, então ele sempre tenta colocar os dois em situações que levem a isso. Eu vou deixar uma foto dele aqui embaixo para vcs hahahahaha.

Mas, os dois grandes problemas dele é que primeiro… eles sempre se livram e segundo, mesmo que eles não se livrassem… ele não se lembra do caminho de volta para o inferno. Vcs se lembram desse desenho? Vcs assistiam a esse desenho… deixem aí nos comentários.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Desenhos Antigos: Lorde Gato

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo sexto dia (426.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Hoje é aquele dia da semana, o meu dia da semana preferido, antigamente costumava ser o dia favorito da galera que visitava o blogue, agora eu não sei mais, a galera tá curtindo mais os domingos atualmente… Pelo menos é o que as estatísticas me dizem. É o dia da semana em que falamos de desenho animado! E o escolhido de hoje, eu desenterrei hein… vamos ver quem se lembra desse desenho, é o “Lorde Gato” (ou “Heathcliff” no original em inglês). É uma animação da Ruby-Spears de 1980, que teve duas temporadas e 26 episódios de cerca de 30 minutos cada para a emissora americana ABC. E aqui no Brasil se eu não me engano ele era exibido pela falecida Rede Manchete.

Era um gato gorducho e laranja, fisicamente muito parecido com o Garfield, mas as semelhanças acabavam aí. Porque ele era exatamente o oposto do preguiçoso e comilão Garfield. O Lorde Gato estava sempre bem-disposto e agitado e sempre se metendo em alguma aventura por conseguinte sempre se metendo em confusão. Ele era malandrão e estava sempre tentando levar a melhor nas situações que se metia. Tinha o cachorro Spike que sempre queria pegar o gato e disputava às vezes comida com ele, e também o cara da carrocinha que vivia tentando pegá-lo e nunca era bem-sucedido…

Ele interagia de vez em quando com os personagens do desenho Marmaduke e com os personagens da Turma do Abobrinha… que são duas séries da mesma produtora e eles dividiam as aventuras de vez em quando. Eu encontrei um pedacinho do desenho com a dublagem original da época, então eu vou colocar a aventura do Lorde Gato aqui para vcs. Quem não conhecia pode conhecer, quem assistia pode relembrar. Me digam aí nos comentários… vcs se lembram dessa animação? Vcs curtiam tanto quanto eu?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Como Foi a Prova da Ordem Shao?

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo quinquagésimo quarto dia (454.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima sexta semana de distanciamento social.

Tô escrevendo este texto no dia que ele vai ser publicado, eu sei que hoje já tivemos os dois textos do dia, este vai entrar como texto extra nesta segunda, porque eu queria falar para vcs como foi a prova do XXXII Exame de Ordem, ontem, domingo… E galera… eu me saí muito mal… Minha quarta tentativa, nas outras três eu acertei respectivamente 38, 38 e 39 questões… e nesta eu acertei 29… DEZ a menos. A prova estava muito difícil galera… estava assim, num nível… prova da Magistratura.

O que aconteceu foi que… 100% das questões foram sobre casos concretos, e quase todas as questões, continham duas ou três matérias… questões multidisciplinares, geralmente já são mais difíceis que o normal, mas, as de ontem… deixa eu dizer para vcs, estava especialmente difícil. Cada questão tinham duas, ou três matérias entrelaçadas… E eu não estava preparada para esse nível de dificuldade. Eu tô estudando faz um ano… eu já estava sentindo que eu não estava preparada para a prova, mas eu imaginava um nível normal de prova… esse nível hard muito menos.

Foram 210 mil inscritos neste exame e faz 16 meses que houve a última prova. Parece que a OAB e a FGV entraram com maldade para quebrar os alunos no meio mesmo. Maioria dos professores, de todos os cursinhos e de todas as faculdades, estão falando e criticando o nível de dificuldade da prova. A maioria é coerente em dizer… a prova da Ordem geralmente já é difícil, porque ela geralmente reprova entre 70 e 80% dos inscritos. Eu ouvi professores dizendo que o nível da prova tava tão complicado, que apenas profissionais especializados, teriam competência e experiência para responder às questões da forma que elas foram apresentadas.

Estão todos apostando que teremos recorde de reprovação. Eu conheço pessoas que foram aprovadas, que tiraram mais que 40, entretanto eu também conheço gente recém-formada que tá com a matéria fresquinha na cabeça, e acertaram 10, ou 15… é foda… Então galera, eu fui muito mal. Consola-me saber, que… não foi só falha minha, que a prova estava complicada mesmo, mas não deixa de ser um balde gigante de água gelada. Eu ouvi um monte de gente dizendo, ahhh mano, eu vou largar essa merda de carreira, eu vou, fazer outra faculdade… pois é… desânimo é foda. Mas, a perseverança, não desistir, faz parte do processo de ser uma pessoa bem sucedida.

Deixa eu contar para vcs como foi meu dia ontem, eu acordei cedo… fui assistir à aula de ética final… tomei meu banho, tomei um café/almoço bem reforçado, e fui para a prova. Meu irmão me levou. Um frio do caramba, eu achei estar bem agasalhada… mas não estava. Eu entrei na faculdade às 11h30 porque eles escalonaram a entrada por letra inicial do nome, então vejam só… eu entrei às 11h30 e fiquei lá até as 17h00. Haja costas… Fiz a prova, difícil para caramba, na altura da questão 20, eu já sabia que eu ia me ferrar de verde e amarelo. Tanto que eu saí da sala achando que acertei no máximo umas vinte questões. Felizmente eu acertei mais do que eu esperava (após ler e responder às questões).

Eu fiquei sentada num lugar que não dava para esticar minhas pernas, gente passando toda a hora, Felizmente essas coisas não me incomodam. Quando eu me concentro para ler e entender uma coisa eu consigo me desligar do mundo exterior. Um frio na sala… treze graus em São Paulo, e as janelas abertas, e os ventiladores ligados por causa do coronga. Mas, depois de um tempo… meu corpo acostumou com aquele ambiente gelado… O que me deixou abalada mesmo foram duas coisas. Na entrada teve aglomeração. E a sala… estava bem cheia… tinham pelo menos umas 40 ou 50 pessoas na sala, galera não tava sentada a uma distância de um metro um do outro.

Então, eu que já estava com medo de estar no ambiente lá, por causa do coronga, fiquei ainda mais insegura. Se teve uma coisa que pode ter mexido com a minha estabilidade emocional foi isso. Eu tava com muito medo do coronga. Eu fico muito doente, muito fácil… não foi fácil ultrapassar esse medo meu e ir fazer a prova. Eu quase não fui fazer a prova por causa disso. Eu precisei tirar a máscara para beber água, e comer um chocolate para manter a glicemia no nível (foram 5 horas e meia dentro daquela sala), mas eu gastei álcool para caramba, e tirei a máscara o mínimo possível.

Eu terminei a prova eram umas três e meia, quatro horas da tarde. Mas eu tinha que ficar até às cinco para trazer o caderno da prova de volta para casa, para eu poder verificar o gabarito posteriormente. Cinco da tarde eles liberaram a gente, quando eu saí do prédio, meu irmão foi me buscar, e eu tava congelando… ele teve que ligar o ar quente do carro para eu conseguir me aquecer. Entretanto… ainda assim eu cheguei em casa morrendo de frio, tomei um banho quente, comi alguma coisa e sem corrigir a prova nem nada eu fui assistir ao culto da minha igreja e fui conferir os resultados… daí foi o banho de água fria com os 29 pontos…

Tava muito frio e eu tava bem chateada, meus irmãos compraram pizza para tentar me animar… eu comi, mas resolvi ir dormir mais cedo para descansar porque eu sabia que hoje eu tinha que trabalhar, tinha que reorganizar minha vida… Pesar os prós e os contra e ver o que eu vou fazer daqui para frente, se eu continuo a estudar, se não… se faço cursinho ou não… Minha cabeça está doendo ainda de ontem, hoje eu vou ver o que eu faço aqui e amanhã a gente recomeça a caminhada…

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

O que afasta… e o que tráz de volta?

filosofando

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo sexto dia (426.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Eu estava numa vibe pensativa hoje. Talvez porque eu não tinha muita coisa para fazer, tava meio gripada então eu resolvi tomar um chá, um remédio para gripe e como eu terminei de fazer o meu tricô, e antes de começar a ler o livro desse mês (sim, eu ainda nem comecei a ler, mas não esquentem, eu leio rápido… 300 páginas não são nada para mim) eu resolvi escrever um pouco. E eu estava pensando esses dias, o que é que faz a gente se afastar de umas pessoas e se aproximar de outras durante a nossa vida? O que é que afasta e o que aproxima as pessoas da gente?

Bom, são muitas coisas, na verdade, cada caso é um caso… depende muito da relação que vc tem com cada pessoa, depende da história toda… depende do que aconteceu para afastar ou para aproximar. Às vezes os motivos para vc se aproximar de uma pessoa são meio bobos, parecem coisas do acaso, coincidência… os amigos mais próximos que eu tenho hoje, eu basicamente conheci em três situações específicas e bem boas, alguns deles eu conheci no trabalho, outros na faculdade e outros num fórum… nos finados anos 90, porque todos nós curtíamos a mesma banda.

Amigos do trabalho, eu conheci porque fomos trabalhar juntos e pronto. Alguns se aposentaram já, ou mudaram de setor e nem trabalham mais comigo mas continuam sendo meus amigos e parte da minha vida. Os amigos da faculdade, nós criamos um grupo bem unido, que é uma família, estamos há um tempo sem nos vermos por conta da Pandemia, mas é o tipo de amizade que vc sabe que a distância e o tempo não diminui o amor. E meus amigos do Roxette, a banda acabou, a vocalista faleceu… mas continuamos a amigos e nos falamos quase todos os dias. Como vcs podem ver… motivos bem bobos. Nesses casos é bem mais interessante a gente analisar, não o porquê de termos nos aproximado, mas o porquê de continuarmos próximos mesmo depois de tantos anos.

Em todos esses três casos foi porque essas pessoas são aquelas que estiveram do meu lado, e eu ao lado delas, durante altos e baixos bem complicados de nossas vidas. São pessoas que valorizam a amizade, mas também a minha individualidade… porque se uma pessoa te considera um amigo, mas critica sua religião, seus pensamentos, suas opiniões, seus ideais políticos… e quer mudar sua forma de pensar ou de agir, até mesmo de forma agressiva, xingando e te ofendendo, sinceramente… essa pessoa não é sua amiga. Essa pessoa não sabe ser amiga.

Nos últimos anos, eu confesso que fiquei com a paciência bem curta para certas coisas e cortei para caramba contato com muitas pessoas. Maiores motivos de fim de amizade, basicamente foi falta de respeito… engraçado como as pessoas exigem serem respeitadas, mas quando é o contrário, quando é ela quem tem que te respeitar naquele âmbito da vida… ela não pode ser obrigada a respeitar a sua forma de pensar. Eu vou citar a religião como exemplo (apesar de ser um tema polêmico), eu sou evangélica, e tenho amigos que professam as mais diversas religiões, muçulmanos, judeus, ateus, umbandistas, espíritas, católicos, evangélicos de igrejas diferentes da minha, seguidores do santo daime… e por aí vai. E eu não sou o tipo da pessoa, que fica evangelizando os amigos, se um dos meus amigos me perguntam alguma coisa sobre a minha crença, eu respondo e é isso. E eu tenho amigos evangélicos que não concordam com essa minha postura, eles dizem que evangelizar é um dos ensinamentos que Jesus deixou então a gente tem que sair no mundo, pregando. Bom… eu não tenho talento para isso, então eu deixo para quem queira. Mas esses meus amigos, apesar de discordarem dessa minha postura, eles a respeitam.

Pessoas que eram minhas amigas e agora não são mais, e que o motivo que causou o rompimento da amizade foram justamente questões religiosas tipo… Ah, eu sou ateu, eu não acredito em Deus, então eu posso zoar vc que acredita, mas eu não aceito que zoem a minha crença. Eu não preciso entender nada da sua crença, eu não preciso respeitar nada do que vc acredita, mas vc tem que respeitar que eu não acredito em Deus. Falar “Deus te abençoe” para pessoas assim é uma ofensa! Mas tudo bem a pessoa falar… ahhh crente é tudo tapado, crente e muçulmano é tudo doido, tudo extremista. E na boa… discordar é uma coisa, menosprezar é outra, ódio gratuito é extremista e desnecessário. Eu deixei de falar com diversas pessoas também, por conta de política, por causa daquela conversa de “se vc vota nulo… se vc não vota contra o Bozo… (e toda a vez que eu ouço isso eu lembro do palhaço do SBT mesmo sabe?) vc também é fascista”. Não tem como vc manter o respeito, a amizade com uma pessoa que do nada, gratuitamente te chama de fascista porque vc disse que tá pensando em votar nulo porque nenhum dos candidatos te representa. A verdade é que essas pessoas defendem a sua liberdade. Desde que vc escolha ser como elas… se vc for diferente… se vc discordar… Aí acabou a liberdade.

Eu acho que já disse aqui uma vez, e eu repito, relacionamento tóxico não é só relacionamento amoroso galera, a gente tem parentes tóxicos, colegas de trabalho tóxicos, amigos tóxicos… Algumas pessoas tem mesmo pais, irmãos, familiares próximos que são tóxicos. E quando não te faz bem, e vc vê que a pessoa não vai mudar nunca… melhor coisa é se afastar. Experiência própria, a vida fica bem melhor, longe dessas pessoas com a vibe tão pesada.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Blogue: Como Vai o Blogue Shao?

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo sexto dia (426.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Hoje eu tive um dia cheio, acordei cedo e logo em seguida eu fui para o mercado, fazer a compra do mês, aproveitei para dar uma passada no Kalunga no Shopping, comprar umas canetas especiais e umas fitas corretoras de texto. Matei a saudade do steak do Outback hahahaha. Voltei para casa, guardei todas as compras… preço das coisa tá pela hora da morte, mas graças a Deus aqui em casa estamos conseguindo comprar nossas coisinhas, como de costume, economizando em algumas coisas e tal, como todo mundo… Mas não estamos passando aperto.

Depois de todo esse rolê e de guardar as compras eu fui tomar um banho, porque agora eu tô hipocondríaca, eu saio na rua, quando eu retorno eu tenho que tomar um banho e colocar a roupa que eu fui à rua para lavar, senão eu fico com a sensação que o coronga tá impregnado em mim. Falando em coronga tô eu meio gripada de novo, já tô tomando um remédio para ver se melhora… e agora resto de tarde e noite da segunda-feira… vou escrever um pouquinho para o blogue. E falando do blogue, como é que vão as coisas aqui no blogue tia Shao? Tá bem amiguinhos… ontem eu consegui escrever uns cinco ou seis textos e hoje eu tenho esperança de escrever o mesmo tanto. Se eu conseguir, finalmente conseguiremos alcançar os número de 30 dias de texto.

No momento, eu tenho 28 dias de textos prontos e agendados, preparadinhos para o sistema do WordPress publicá-los no dia agendado. Como são entre dois e três textos publicados por dia aqui no blogue (dois de segunda, terça, quarta, quinta, sábado e domingo e três às sextas) ao todo, temos prontos 60 textos. É bem pouco para os padrões aqui do blogue… Eu gosto de ter entre 90 dias (que são equivalentes a 195 textos) e 120 dias (que equivalem a 259 textos ao todo) então é coisa para caramba galera. Eu tinha esperanças de nessas minhas férias, conseguir alcançar estes números, mas infelizmente, eu não tô podendo dedicar cem por cento do meu tempo apenas para escrever.

Eu também tenho que fazer umas coisas aqui em casa, e tenho que estudar para o exame de ordem. Mas, se eu terminar essas férias com 50 ou 60 dias de texto prontos (o que equivale respectivamente a 108 e 130 textos ao todo) eu vou considerar uma vitória. Vou considerar que minha empreitada, rumo a aumentar os textos do blogue durante as férias foi bem sucedida! No momento estamos mais ou menos no meio do caminho para essa meta… espero conseguir, torçam por mim.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Racismo Vs Injúria Racial

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Estamos aqui no blogue, chegando bem perto da meta de 30 dias de texto, neste exato momento em que eu escrevo este texto para vcs… eu consegui a proeza de deixar prontos 28 dias de texto. Para alcançar os 30 dias eu teria que escrever ainda hoje, pelo menos mais 4 textos, entretanto o dia tá acabando, tá um friozinho e o sono tá batendo hahahaha. Fora isso, amanhã eu tenho que acordar bem cedo por isso hoje eu preciso ir dormir mais cedo. Eu ainda quero ver se consigo ver um filme hoje então… sem mais delongas vamos ao tema do texto.

Eu já disse isso em outros textos, e repito, de um tempo para cá… vira e mexe acontece um caso de uma pessoa ofendendo a outra por causa de cor. Geralmente pessoas brancas ofendendo, e tentando diminuir pessoas negras (embora o contrário também aconteça, em menor número, mas acontece). Eu estava lendo as notícias hoje e eu vi um caso, de uma mulher, uma nutricionista (que aparentemente tem graves problemas mentais) que diversas vezes atacou, com palavras, cartas de caráter racistas uma vizinha negra e também um funcionário do condomínio onde as duas moram e o cara trabalha. Já deu polícia no caso… resumindo… a mulher tá infernizando a vida da outra (clique aqui se quiser ler a reportagem sobre esse caso).

Esses casos são mais comuns do que se imagina e a maioria das pessoas confunde, crime de racismo com crime de injúria racial. Embora ambos, tenham praticamente o mesmo resultado… que é fazer com que a pessoa se sinta excluída, humilhada, ofendida… as ações praticadas pelo ofensor são diferentes. Eu nem vou entrar aqui na questão de por que as leis foram criadas dessa forma, porque não vem ao caso (na verdade viria ao caso, mas aí este texto teria que ser um livro de tão grande e eu não tô afim agora). Mas o que acontece é o seguinte… para explicar claramente a diferença entre uma coisa e outra Racismo, pratica crime de racismo uma pessoa qualquer que por exemplo… deixe de dar uma promoção na empresa para um funcionário, por ele pertencer a determinada etnia, caso impeça outra pessoa de frequentar um lugar público, uma loja, um restaurante, se negue a vender ou servir algum produto por conta da etnia da pessoa.

Ele está previso na Lei 7716/89 (clique aqui para ler a lei inteira, são apenas 20 artigos). É um crime inafiançável e imprescritível! E tem uma pena prevista de 2 a 5 anos… dependendo do que a pessoa faça (eu particularmente acho uma pena bem leve… podia ser mais…). E é por isso que a maioria das pessoas não chega sequer a ser enquadrada no crime de Racismo. Porque, se vc tiver a curiosidade de ler todos os 20 artigos da lei, vcs vão perceber que é bem complicado de comprovar o racismo. E também porque o crime que a maioria dos preconceituosos é a injúria racial. Que está previsto no artigo 140, parágrafo 3.º, do Código Penal brasileiro, tem a pena de até três anos de reclusão mais multa. Injúria racial é quando efetivamente vc profere um xingamento contra a pessoa com a intenção de ofender, mas está conectado com a etnia da pessoa.

A princípio a injúria racial não era um crime imprescritível nem inafiançável, mas uma análise de caso de 2018 do STF entendeu que ambos os crimes por tratarem de atingir diretamente o Princípio da Dignidade da Pessoa humana deveriam ser considerados, imprescritíveis e inafiançáveis. Na prática, infelizmente ainda não acontece assim… Foi apenas um entendimento do STF, talvez precisassem ou mudar os artigos legais, ou publicar uma súmula vinculante.

Bom, mas tá aí uma explicação bem básica, nada aprofundada e na linguagem mais simples que eu conseguir… espero que a maioria de vcs tenha compreendido. Porque essa era a ideia principal do texto de hoje… Infelizmente eu ainda acho que são textos legais que poderiam ser melhor elaborados, que não pegaram e não defendem como deveriam a dignidade das pessoas.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Have you ever seen the rain?

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social. Como vai o domingo de vcs? O meu está chegando ao fim… tá acabando… Mas tudo bem porque eu ainda tenho umas duas semanas de férias… com friozinho… bom para dormir até mais tarde.

Embora, amanhã eu não vou poder dormir até tarde porque eu tenho que ir ao mercado para fazer as compras do mês, mas eu posso dormir de tarde, acho… entretanto para tal eu preciso dar adiantada nos textos aqui do blogue. Hoje eu queria contar para vcs a história do último ano novo feliz que tivemos aqui em casa em família. Não que depois dele todos os outros tenham sido tristes, mas com certeza, sempre esteve faltando alguma coisa.

Minha família não comemora o Natal, ou nenhum outro feriado religioso católico, mas a gente sempre curtiu comemorar aniversários e claro, o ano novo. E na virada de ano de 2007 para 2008 todos nós, eu, minha mãe, meus irmãos, minha tia, meus avós e meus primos filhos da minha tia… passamos juntos. Fizemos uma festa na garagem do prédio. A gente desceu com uns bancos de plástico, uma churrasqueira velha, meu rádio, umas luzes para deixar a garagem bem iluminada e fizemos nossa festinha lá…

Foi uma das festas mais bacanas que a gente teve, começou umas cinco da tarde e foi embora até uma da manhã… a gente dançou, contou piada, conversou riu… queimamos umas linguiças no churrasco, tomamos bronca da vó, do vô, da mãe, da tia como se a gente tivesse 10 anos apesar de sermos todos adultos. Explodimos morteiros, soltamos rojão e desperdiçamos umas garrafas de cidra jogando uns nos outros como se fosse a festa da vitória da Fórmula 1. E no finalzinho da festa, a gente já cansado… sentou nos banquinhos em roda e começamos a cantar as músicas que estavam tocando no rádio.

E então começou a tocar um rock dos anos 70 (eu acredito) “Have You Ever Seen The Rain?” da banda Creedence Clearwater Revival… E a gente não conhecia muito bem a letra… a gente sabia mais ou menos o coro… hahahahaha então a gente sentou e cantou ela tudo errado, e a gente errava e dava risada. Eu, meus primos, meus irmãos… e os adultos assistindo aquilo e rindo da nossa papagaiada… A gente não sabia que aquele seria o último ano novo que passaríamos todos juntos, que passaríamos animados, ansiosos pelo ano novo e felizes… Daquele ano em diante tanta coisa ruim aconteceu… que toda a vez que eu penso no último ano totalmente feliz da minha vida eu me lembro desse dia, desse ano… dessa festa.

Como eu disse, a gente não sabia a letra da música… e há um tempo, eu fui ouvir essa música no Spotify e pela primeira vez na minha vida eu parei para prestar atenção na letra da música. E ela fala justamente sobre o momento da vida em que tá tudo bem, e uma tragédia está prestes a atingir a sua vida, mas vc simplesmente não imagina. Caso vcs não conheçam a letra dessa música eu vou deixar um vídeo que eu encontrei no YouTube com a música e a tradução. Eu não acredito em coisas predestinadas sabe? Mas também não acredito que tudo seja uma grande coincidência… Então… é surpreendente a gente ter vivido isso naquele momento. Nos faz parar para pensar na fragilidade da vida… e de como as coisas mudam tão dramaticamente de um momento para o outro.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Diabetes #97 – Machucados nos pés

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Essa semana eu tô finalmente testando a HBO-Go, vamos ver se é legal… vamos fuçar no conteúdo, infelizmente o teste deles é apenas de sete dias então não dá para gente fuçar muito pelo site, pelo conteúdo… mas, vamos ver o que rola, nesses sete dias e se, de repente vale, a pena eu pagar um mês que seja de trinta e poucos reais para testar um pouquinho mais o conteúdo. O bacana dessa uma semana de testes é que talvez eu possa resenhar aqui no blogue alguns filmes ou séries que não estão disponíveis em outros serviços de streaming mais populares. Mas eu devo trazer para vcs minhas experiências sopre o serviço e os filmes em breve beleza? Como sempre, nem era disso que eu queria falar no texto de hoje.

Já faz umas duas semanas que eu falei sobre diabetes com vcs né? E eu fiquei essas duas semanas sem falar porque sinceramente eu tava sem assunto. Entretanto esta semana que passou, eu machuquei meu pé… e eu nem senti que machuquei. Porque tava frio para caramba e eu dei uma pancada com o tornozelo e eu senti que doeu mas na hora eu não percebi que fez um cortinho bem na parte de baixo do tornozelo. E é por essas e outras que é sempre bom, se vc tem diabetes ou um parente com diabetes vc checar sempre os pés, todos os dias, depois do banho. Porque às vezes vc nem tá sentindo nada, mas tem um machucado ali que pode virar uma ferida, se não tratado.

Então eu machuquei o tornozelo com uma pancada, e só à noite, depois do banho quando eu fui secar os pés e passar o creme nos pés e pernas que eu percebi o corte. Não tava doendo nada, mas tava bem vermelho porque eu não cuidei do corte e fiquei em pé o dia todo, o que nunca é um bom sinal, a circulação do diabético não é aquela beleza, e vermelhidão é sinal de inflamação. Então eu tratei de limpar com anticéptico bem direitinho, sequei com um algodão e uma gaze e fiz um curativo com uma pomada anti-inflamatória.

Foram mais ou menos uns cinco dias até o machucado sair todo o vermelhão… cicatrizou bonitinho e eu não tive mais problemas. Mas assim galera, é sempre bom qualquer machucadinho nós pés ficarmos atentos. Eu já tive um corte feio na perna que fez quase eu perder meu pé. E eu tive que ficar três meses em tratamento para a ferida fechar, indo toda a semana no hospital, fazer curativo com a enfermeira que esfregava a ferida sem dó nem piedade até ela sangrar, tirando todo o pus e colocando as ataduras e tal. Eu agradeço á enfermeira porque graças a ela eu não perdi o pé, a perna… mas era trevoso o lance. E eu não quero ter que passar por isso novamente pelamordedeus então é por isso que eu sempre tomo cuidado.

Não só com meus pés, mas com qualquer machucado que eu tenha. Porque eu sei o quão difícil é a cicatrização de qualquer corte no diabético. Felizmente desde o incidente do corte no pé e as visitas semanais ao hospital eu já tive uns cortes e uns machucados bem sérios, mas nenhum deles me deu problema. Então, fiquem atentos aos machucadinhos galera. Para eles não piorarem e darem um trabalhão depois.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Tecnologia: Diabetes – GlucoWear

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Sabadão para vcs, domingão para mim… tá frio mas tá fazendo sol… outono em São Paulo. E a previsão do tempo tá prometendo mais frio para os próximos dias. Eu nem tô reclamando porque eu gosto do frio. Ontem à noite eu tava congelando

Semana passada eu comentei aqui com vcs (acho que foi semana passada, não sei ao certo) sobre uma empresa da Polônia que produziu um aparelho, uma espécie de escâner que não precisava perfurar a pele e nem coletar sangue para fornecer a leitura da glicemia, que era o GlucoStation. Acontece que essa mesma empresa, produziu mais um aparelho (mais dois na verdade mas do outro falaremos noutro texto no futuro), que promete o mesmo serviço mas de uma forma bem mais prática, mais portátil e mais constante.

A empresa é a Gluco Active, e não é de hoje que eles vem tentando emplacar um wereable que seja capaz de medir a glicose em portadores de diabetes, sem a necessidade de qualquer método invasivo. Qual o método mais bacana do que vc colocar um relógio smart ou uma pulseira smart no pulso e ela te dar essa informação 24 horas direto? Várias empresas estão investindo nessa fatia do mercado, eu fico feliz com isso… quanto antes tivemos no mercado diversos gadgets que sejam capazes de medir a glicemia de forma não invasiva, mais barata essa tecnologia vai se tornar e mais acessível ela vai ficar para a maioria da população diabética. No site da empresa não tem muita informação sobre a pulseira mas vcs podem acessar ao site principal clicando aqui caso vcs queiram.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filme: Peter Pan

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Terceiro e último filme dessa sexta, não é um filme recente… o escolhido para fechar a noite é “Peter Pan” (a filmagem de 2003). Peter Pan é uma história que já foi contada, e refilmada diversas vezes… um dos clássicos… Mas, só agora, há pouco tempo que ele foi disponibilizado na Netflix que eu tive a oportunidade de assistir a essa versão do filme, e antes de eu falar das minhas impressões e contar meio por cima a história… deixa eu dar uns detalhes técnicos. É uma produção da Universal Pictures, que custou cerca de 15 milhões de dólares… e que arrecadou a assombrosa quantia de 192 milhões de dólares.

A história do Peter Pan é clássica… o garoto que nunca quer crescer e que mora numa terra mágica chamada Terra do Nunca junto aos demais meninos perdidos e à Fada Sininho, vivendo infinitas aventuras e sempre enfrentando o maligno Capitão Gancho. Uma bela noite, enquanto se aproximava de uma janela para ouvir as histórias contadas sobre ele pela pequena Wendy Darling aos seus irmãos menores, ele perde a sua sombra… E quando ele retorna para recuperar a sua sombra na noite seguinte, ele faz amizade com a menina, e a convida para fugir com ele para a Terra do Nunca, para contar histórias para todos os meninos perdidos… então ela e os irmãos partem com o garoto… rumo ao lugar cheio de magia onde eles poderão ser crianças para sempre.

Esse filme em questão é interessante porque ele traz uma abordagem mais adulta da história. Primeiro ele apresenta um romance entre Peter e Wendy, que em todos os outros filmes fica subentendido, e aqui fica bem explícito. Segundo porque enquanto Peter não quer crescer, se assusta e foge diante da menor possibilidade de mudança… enquanto Wendy, sabe que está crescendo, sabe ser inevitável crescer e envelhecer… e apesar do medo do desconhecido mundo dos adultos, ela anseia em ver o que aguarda por ela no futuro. O filme está disponível na Netflix e caso vcs queiram assisti-lo, fica aí a última dica deste final de semana para vcs.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filme: A Mulher na Janela

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Segundo filme dessa sexta-feira para vcs é um filme de suspense, terror psicológico, uma produção da 20th Century e da Fox Pictures lançadas diretamente para o streaming, via Netflix que estreou mundialmente agora em maio se eu não me engano e que se chama “A Mulher na Janela” (ou “The Woman in the Window” no original em inglês), que traz no papel principal uma das minhas atrizes favoritas, a Amy Adams. Outra coisa bacana que esse filme tem, que a maioria das pessoas não presta atenção é a trilha sonora produzida pelo Danny Elfman, que é um dos meus compositores favoritos também.

Era para o filme ter sido lançado nos cinemas em 2019, mas a pandemia adiou o lançamento que aconteceu apenas agora em maio, quase dois anos após a data prevista. Como é um filme muito, muito recente… eu vou tentar ao máximo não dar nenhum spoiler para vcs beleza? Então a história do filme que tem uma premissa bem interessante é assim… Dra Anna Fox é uma renomada psiquiatra e terapeuta infantil, mas logo no começo do filme a gente percebe que ela não tá legal… Ela está morando sozinha numa casa imensa, ela conversa todos os dias com o marido e com a filha por telefone, mas… a história te dá a entender que eles (ela e o marido) estão separados. E aparentemente é por conta da doença que vem atormentando-a, que é a agorafobia.

E o que é a agorafobia tia Shao? Explicando rapidamente… é um transtorno mental que causa fobia social e crises de pânico. A pessoa fica trancada em casa e não consegue sair… Se vcs quiserem saber um pouco mais sobre este transtorno clique neste link aqui para entenderem melhor esta doença. Mas, voltando a falar sobre o filme. Anna tem uma vida extremamente reclusa, onde ela só convive pessoalmente com seu inquilino Kevin e seu Terapeuta (que agora eu não lembro o nome). E sua distração nessa vida cotidiana repetitiva é observar a vida das pessoas, dos seus vizinhos principalmente, pelas janelas da sua casa.

E assim os dias vão se repetindo um após o outro, até que de repente, uma nova família se muda para a casa em frente à sua e ela acaba tendo contato com dois membros dessa família, uma mulher e um jovem adolescente… E então, conforme ela observa essa nova família de vizinhos, coisas fora do considerado “normal” começam a acontecer. Entretanto… Anna terá que provar que esteja falando a verdade e não que está delirando por conta de suas medicações para a ansiedade. E eu não vou contar mais nada porque não quero estragar a experiência de quem queira assistir ao filme. Filme está disponível na Netflix, eu achei que ele é bem legal e eu recomendo para caramba este filme para vcs.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filmes Antigos – Tinha Que ser Você

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quinto dia (425.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima segunda semana de distanciamento social.

Bem vindos a mais uma sexta-feira aqui neste blogue meus amigos. E vamos começar com filme velho porque ontem eu peguei no sono sem conseguir ver os filmes que eu precisava ver. Vou ver se eu consigo assisti-los hoje à noite… tenho dois ou três na minha lista. Mas o escolhido para começar as dicas da sexta é “Tinha Que Ser Você” (ou “Last Chance Harvey” no original em inglês). É uma comédia romântica de 2008, com Dustin Hoffman e Emma Thompson nos papéis principais. Ele tá no catálogo da Amazon Prime Video, pelo menos estava até a última vez que eu vi hahahaha, nunca se sabe, o catálogo das empresas de streaming mudam do dia para a noite… mas, deem uma olhada por lá.

Não foi um daqueles sucessos de bilheteria na época, deve ter sido ofuscado por algum outro filme, mas as críticas ao filme foram bem positivas e ele recebeu diversas indicações para prêmios cinematográficos bem importantes. Eu particularmente acho o filme bem legal, e fui bastante subestimado pela crítica e pelo público então. Para quem não assistiu, a história do filme é mais ou menos assim… Harvey Shine (interpretado por Dustin Hoffman) é um veterano, compositor de jingles para comerciais. Então um dia, seu chefe o coloca contra a parede, ele começa a falar que as obras de Harvey estão ultrapassadas e meio que cobra resultados dele.

No meio de toda essa confusão no emprego… ele tem que ir para Londres, para o casamento de sua filha Susan, chegando lá entretanto ele fica extremamente desapontado porque a moça escolheu o padrasto para levá-la ao altar e não ele. Enquanto ele está em Londres o bicho tá pegando no emprego dele em Nova Iorque e ele corre o risco de perder o emprego. O patrão de Harvey exige que ele compareça a uma reunião urgente. Então ele tem que sair correndo do casamento para o aeroporto para ter tempo de chegar à dita cuja reunião, entretanto… ele está chateado com a forma que foi tratado no casamento da filha… e para piorar a situação ele acaba perdendo o voo.

E no dia seguinte ele descobre que foi despedido, desiludido e sem rumo na vida ele resolve ir afogar as suas mágoas num bar. Lá ele inesperadamente conhece Kate (interpretada por Emma Thompson) que começa a conversar com ele é… Eu não vou contar o que acontece daqui para frente no filme porque não quero estragar a diversão de vcs. Pelas suas interpretações nesses papéis tanto Emma Thompson quanto Dustin Hoffman foram indicados ao Globo de Ouro de melhor atriz e ator respectivamente, infelizmente eles não ganharam… mas eles mandam muito bem nos papéis! Fica aí essa primeira dica de filme para vcs nesta sexta.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Canal do YouTube: Idiomas e Afins

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Mais uma quinta-feira que chega ao final meus queridos, (para vcs porque para mim ainda é sábado e eu estou escrevendo este texto no finalzinho do sábado enquanto eu assisto algumas séries e alguns filmes). Eu preciso assistir algumas coisas hoje antes do dia terminar porque senão eu não terei material para escrever novos textos sobre filmes aqui para o blogue. Eu tô bem atrasada nas coisas que eu tenho para assistir. Como sempre né Shao? Pois é…

Mas pelo menos eu estou menos atrasada aqui nos textos do blogue, quer dizer, eu ainda estou atrasada hahahaha. Mas um pouco menos atrasada que eu estava há duas semanas. Quem sabe daqui a duas semanas eu não consiga ter alcançado o número de pelo menos 45 dias de texto. No momento eu consegui ultrapassar os 25, estamos com exatamente 27 dias de textos prontos e agendados. Eu tenho todo o dia de amanhã, que é domingo para tentar alcançar a marca de 30 dias de texto e mais uma ou duas semanas para chegar aos 45.

Mas como sempre nem era disso que eu queria falar no texto de hoje. Hoje, eu vou terminar o dia com uma dica de Canal do YouTube para vcs que eu descobri, olhando aqui nas dicas que vcs deixam para mim nos comentários. Não é sempre que eu tenho tempo de deixar um comentário. Mas todos os canais de YouTube, e blogues que vcs deixam aí nos comentários eu acesso, leio diversos posts… Por isso… deixem os blogues de vcs nos comentários que eu sempre acesso.

E um dos seguidores aqui do blogue deixou o link do canal e do blogue aqui nos comentários para mim e eu fui visitar e eu curti para caramba o conteúdo tanto do blogue quanto do Canal então eu resolvi deixar aqui uma dica para vcs acessarem, conhecerem e seguirem o Canal Idiomas e Afins. Cliquem no link e conheçam. O canal traz conteúdo sobre aprendizagem de idiomas, inglês e espanhol. É um canal bem pequenino, ele tem apenas 45 seguidores (contando comigo hahahaha). O que eu acho uma pena porque o YouTube tem tanto canal com conteúdo bobo, que tem milhões e milhões de seguidores. Agora quando temos um conteúdo bacana, educativo… tem tão poucos. Eu espero que o Canal continue a produzir conteúdo, porque é muito bacana.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs! Abraços, Shao.

Séries: Allen vs Farrow

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

E hoje meus queridos é dia de falarmos de série… Vamos falar de apenas uma série hoje, segundo texto de hoje que for publicado mais tarde provavelmente vai ser sobre um canal do YouTube que eu descobri faz pouco tempo e que eu acho bem bacana! Então bora lá… série escolhida para hoje é uma série documentário chamada “Allen Contra Farrow” (ou “Allen v. Farrow” no original em inglês). É uma série deste ano mesmo 2021, que tem quatro episódios que tem a duração entre 50 e 60 minutos cada. Do diretor Kirby Dick e Produzida pela HBO (tá disponível na HBO Go aqui no Brasil, caso vcs se interessem em assistir).

E é um documentário bem polêmico porque fala da vida conjunta de duas estrelas de Hollywood que durante muito tempo, quando formavam um casal, era considerado um dos, senão o casal mais influente e talentoso do mundo cinematográfico. Estamos falando da atriz Mia Farrow e do multipremiado diretor Woody Allen. Woody Allen, que se separou de Mia Farrow se eu não me engano, por volta dos anos 90, e se casou com uma das filhas adotivas da ex-mulher. Nos Estados Unidos esse caso causou e causa alvoroço até os dias de hoje.

Porque na época a atriz acusou o diretor de seduzir a sua filha adotiva menor de idade. Na época Allen alegou que nunca tinha se relacionado com a moça, antes dela completar 18 anos, e depois ele se casou com ela, e acusou a ex-mulher de estar o acusando por causa do final do casamento, por ciúmes dele e da filha e que queria separar os dois. Mia Farrow também acusou Woody Allen de ter abusado sexualmente de Dylan, outra das filhas adotivas do casal. E o documentário trata desses dois casos.

Todo o documentário traz o ponto de vista, vídeos e fotos dos arquivos da atriz. Em alguns momentos você ouve a voz de Woody Allen narrando sua vida com Mia Farrow, são trechos retirados de um audiolivro sobre a vida dele que foi lançado o ano passado (2020). Então esta é uma daquelas séries documentais que contam apenas um lado da história. Não que o diretor não tentasse ouvir o lado do diretor, mas ele não quis contribuir com a produção.

A série acusa diretamente o diretor de pedofilia e estupro. E causou mais alvoroço lá pelos EUA porque uma parte da galera ficou do lado do diretor, acusando a atriz de querer se vingar dele por tê-la trocado pela filha mais jovem. Outra galera acreditou nas afirmações da atriz e de Dylan Farrow, sua filha… ambas afirmaram, que o diretor abusou de Dylan, desde que ela era bem pequena, bem criança e também de Soon-Yi que veio a se tornar sua esposa futuramente e das poucas vezes que se pronunciou sobre o assunto, negou que Woody tivesse abusado dela. E que permanece até os dias de hoje casada com o diretor.

Caso vcs queiram assistir, está disponível na HBO-Go e vcs podem assistir e tirar as suas próprias conclusões. Claro, que é complicado formarmos uma opinião ouvindo apenas um lado da história. E temos que considerar que todas as acusações feitas são bem pesadas… não tem como não me lembrar do Michael Jackson e de como as acusações de pedofilia acabaram com a carreira, a saúde e finalmente com a vida do cantor, e que essas acusações seguem surgindo aqui e ali mesmo após mais de dez anos da sua morte. Fica aí a dica, assistam se vcs quiserem.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Morremos duas vezes…

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Escrevendo para caramba aqui para o blogue hoje, quem sabe consigamos fazer algum avanço rumo aos trinta dias de texto. Se conseguirei ou não… vcs devem saber nos próximos textos beleza? Beleza tia Shao! Eu acabei de receber a notícia, dos meus colegas de trabalho que a doença do Prefeito Bruno Covas, o câncer dele, no caso, atingiu um estado de evolução irreversível. É foda isso. Eu não votei nele, mas eu me compadeço do estado dele e eu sei a dor que a família dele deve estar sentindo. Eu passei por esse momento duas vezes, nas doenças do meu avô e da minha mãe.

Dois dos piores momentos na minha vida, quando os médicos chegam para vc e dizem, olha… alcançamos o limite do que conseguimos fazer pela medicina, avise aos demais familiares para eles se despedirem dele/dela porque ele/ela pode partir a qualquer momento, vamos colocar aqui essa pessoa sob sedativos, para ela não sentir dor e ficar o mais confortável possível. Então essa notícia meio que faz o filme rodar, desses eventos, novamente na minha cabeça. Eu sei que preciso trabalhar isso ainda porque ainda são gatilhos ferrados para mim. Toda a vez que alguém que eu conheço, mesmo de longe, sofre, morre por essa doença, eu levo pro lado pessoal… parece que foi comigo novamente.

Eu sei que todo mundo um dia vai morrer, seja de câncer, seja de acidente, ou de qualquer outra doença… Mas olha, eita doença maldita esse câncer hein? E é foda mano porque é, até onde se sabe, uma doença auto-imune… porque as suas células se desenvolvem de forma errada lá, ou sofrem uma mutação genética bagunçada e começam a matar as outras células saudáveis. E elas vão se espalhando pelo corpo até atingir algum órgão vital e acabar com a sua vida.

Minha mãe dizia que a gente morria duas vezes, uma vez quando a nossa vida natural acontecia mesmo, quando a gente parte dessa para a melhor. E outra… quando a última pessoa que se lembra da gente também não viver mais. Inclusive, é por conta de uma crença parecida com essa que existe o festival do Dia dos Mortos lá no México. Se vcs não assistiram ainda, assistam à animação “Viva: A vida é Uma Festa” onde eles falam sobre como é importante passar à diante a memória de quem somos, falando sobre nossas famílias, nossas raízes. Eu acho que é um pouco isso que eu tento fazer aqui no blogue, quando eu falo das pessoas que eu amo e que não estão mais aqui nesta terra entre nós. Desejando aqui, forças para a família, especialmente para o filho, do Bruno Covas, que é um garoto de 15 anos… porque eu sei que vai ser dureza.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Um dia de cada vez…

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Espero que a quarta-feira de vcs esteja bacana, eu tô no sabadão… Eu dormi até tarde, tá frio para um caramba aqui em São Paulo, mas eu não estou reclamando porque eu amo frio. Se vc ama calor, eu respeito, mas eu amo frio. Vejam bem, é sábado, eu tô de férias, e tá frio… tem coisa melhor para aproveitar o dia do que dormir até tarde? E depois praticar o nadismo durante o dia todo? Não tem né? Eu só não vou praticar o nadismo hoje porque eu vou escrever aqui para o blogue… e talvez dar uma expandida aqui no número de dia de textos escritos e agendados para serem publicados futuramente para a diversão de vcs.

Eu estava esses dias eu percebi que uma galera bem grande de pessoas que eu conheço, pessoas que são minhas amigas, muita gente tá com a saúde psíquica, com a saúde emocional extremamente abalada por causa da pandemia, e também por outros motivos. Eu mesma, em alguns dias… não acordo legal… não dá vontade de nade, a gente fica desanimado e tal… Estamos vivendo um período complicado, longo e é difícil se manter numa vibe positiva quando a gente tá há muito tempo nessa pressão absurda. Mas a gente tem que continuar em diante, e para tal a gente tem que, na maioria das vezes, criar as nossas próprias formas de nos mantermos animados.

Uma das minhas técnicas ultimamente é tentar viver um dia de cada vez. É complicado para quem é ansioso… eu sei… eu não sofro de ansiedade, não tenho crises nem nada, mas meus dois irmãos (com quem eu convido todos os dias) e meu pai são extremamente ansiosos então eu sei como é ruim, como funciona a coisa toda. Ah, mas Shao, como a gente faz? A gente tem que planejar as coisas… a gente tem que saber isso e aquilo do amanhã… Sim, claro. Mas, eu ando planejando apenas o extremamente necessário…

Se eu sei que eu tenho que ir ao médico, fazer exames, coisas do trabalho e tal… então a gente tem que fazer os planos, agendar e tal… mas, a gente tem que evitar ficar pensando… meu Deus, o que vai acontecer amanhã, tal e tal coisa não vai dar certo… Quando é que essa pandemia vai acabar… quando vai sair a vacina… a gente tem que ignorar essas coisas nesses momentos galera. Porque não vai nos levar a lugar nenhum… só vai nos deixar doente! Eu tô em casa, trancada… e eu sempre planejo meus dias… tipo, amanhã eu vou fazer isto e aquilo, desse planejamento, algumas coisas eu TENHO que fazer, e outras coisas se eu não fazer não tenho que me estressar com isso.

E o segredo é não se estressar com coisas que não temos controle sobre, não nos estressarmos se alguma coisas que queríamos que acontecesse, ou que planejamos para acontecer não acontecerem. E claro… como seu sempre falo aqui para vcs, se vcs não estiverem legais, não estiverem se sentindo bem… procurem um profissional de saúde mental. Se vc não conhece um, procure uma amigo, nem que seja online, não fique sozinho nesse momento (nem que seja um contato online, uma conversa via messenger). E vamos vivendo… um dia de cada vez…

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Desenhos Antigos: Pingu

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Segundo texto do dia, bora de mais um desenho animado… e o escolhido agora é “Pingu” (mesmo nome no original se eu não me engano) que é uma animação originalmente suíça, de 1990 (e foi produzida até os anos 2000) e que depois foi comprada pela rede inglesa BBC 2, que produziu mais episódios entre 2003 e 2006. A animação teve seis temporadas e 158 episódios. Inclusiva quando ele passou a ser produzido pela TV inglesa a série ganhou um BAFTA que é meio que o Emmy da televisão inglesa. Eram episódios bem curtos, de cerca de cinco minutos. E eu me lembro que meus irmãos, pequeninos, assistiam na TV Cultura.

E o desenho contava a história de Pingu, um pinguim que morava no Polo Sul com sua família, seu pai era carteiro, e ainda tinha sua mãe e sua irmã. E o desenho contava as aventuras do pinguim e seus amigos na pequena cidade onde eles moravam no Polo Sul. Uma das características bem interessantes do desenho é que os personagens não falavam nada, ou melhor, tudo que era falado… ela na linguagem dos pinguins hahahaha. Era bem legal… eu já disse aqui uma vez, mas repito, eu acho super interessante animações que não falam nada… eu acho que elas incentivam para caramba a imaginação das crianças que assistem ao desenho.

Outra característica bem bacana dessa animação é que ela é feita toda em stop motion, com massinha de modelar. Isso dá um trabalho do caramba para fazer, é uma obra de arte mesmo… é uma das minhas formas favoritas de animação, eu pago o maior pau para a galera que faz esse trampo, que criam esses personagens e essas histórias… é bem bacana. Eu encontrei um vídeo bem legal do Pingu e até que meio longo, eu vou deixar aqui embaixo para vcs, para quem quiser conhecer ou recordar. Me contem aí nos cometários se esse desenho faz parte da sua infância, se vc se lembra e se vc curtia.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Desenhos Antigos: Pandamonium

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Hoje é dia de falarmos de desenho animado, e eu escolhi dois desenhos bem bacanas, um da minha época e outro da época dos meus irmãos, para os dois textos de hoje. E para não enrolar muito… eu vou começar com “Pandemonium” (mesmo nome aqui no Brasil, foi usado o nome original, curiosamente), uma produção da MGM (os mesmos criadores de Tom & Jerry) em parceria com a Marvel, em 1982 para a rede americana CBS. Aqui no Brasil, eu me lembro de assistir a esse desenho na finada Rede Manchete, se eu não me engano. Teve uma temporada e 13 episódios de mais ou menos 30 minutos cada.

Para quem nunca assistiu a esse desenho ou não se lembra a história era mais ou menos assim: Lá nos confins do universo o vilão malvadão chamado Mondraggor tenta roubar um artefato mágico chamado a pirâmide do poder, entretanto durante esta tentativa a pirâmide explode e se divide em milhares de pedacinhos que caem aqui no planeta terra, em vários locais do mundo. E apenas duas pessoas aqui na terra os irmãos Peter e Peggy testemunham a explosão. Enquanto isso… um dos pedaços da pirâmide cai no Tibet e irradia seus poderes sobre três pandas o que dá-lhes os poderes de se unirem e se transformarem no Pandamonium. Um panda-gigante que desce a porrada em todo mundo e geralmente salva o dia.

Então, na história Peter e Peggy se unem aos três pandas, para tentar localizar os pedaços da pirâmide antes do vilão. E o vilão… que quando chega à terra ele perde seus poderes, então ele tem que usar seu poder de controle de mentes para poder manipular outros humanos para fazer o seu serviço sujo. Era um desenho bem legal, tem diversas cenas e momentos bem engraçados. Era um dos meus desenhos favoritos na época. Eu procurei pelas internets da vida vídeos com a dublagem em português mas eu não encontrei.

Encontrei apenas alguns trechos com a abertura dele em inglês. E eu vou deixar aqui embaixo o video para aqueles que quiserem se lembrar, ou conhecer caso nunca tenham visto. Coloquem aí nos comentários, quem de vcs também se lembra deste desenho animado? Quem de vcs curtia?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Palavras tem poder…

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo quarto dia (424.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Segundo texto de hoje, eu já escrevi para caramba no texto anterior, então este segundo texto vai ser mais curto beleza? No momento que eu estou escrevendo este texto falta pouco menos de trinta dias para o exame da ordem, eu pensei seriamente em pedir para não fazer a prova agora, jogar lá para o exame XXXIII porque a Ordem dava essa opção, para a galera que, como eu, estava com medo do coronga. Mas eu pensei… quer saber… eu tô estudando tem meses. Eu vou relaxar, matar no peito e foda-se. Se der certo deu se não der a gente tenta novamente numa próxima oportunidade certo?

Eu tenho que uma hora passar nisso mas o passo mais importante no momento, eu acho, é parar de pensar negativamente e pensar positivo. Eu tava meio que assim… ahhhh eu vou lá fazer a prova mas eu sei que eu não vou passar porque eu não estou me sentindo preparada. Mas mano, quer saber… eu resolvi que eu vou lá e vou dar meu máximo, eu me preparei o melhor que eu pude dentro das minhas limitações físicas e tal… e no final das contas o resultado às vezes não depende só da nossa preparação, depende do nível de dificuldade da prova, de como vc acordou no dia… e de outras coisas aleatórias que estão fora do meu controle. O que está no meu controle é apenas ir lá, no dia e na hora certa e fazer a prova.

E como dizia a minha mãe, as palavras tem poder, eu tenho que parar de ficar atirando pedras em meu próprio caminho sabe? Eu tenho que aprender que o que a gente fala às vezes se materializa. Não por causa de algum poder sobrenatural nem nada, mas, porque a nossa mente acaba acreditando naquilo. Então… eu tenho que tomar cuidado com as coisas que eu falo… principalmente para mim mesma. Nos últimos anos eu tenho sido minha própria pedra de tropeço.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Números de Telefone, acordando uma, cobrança da outra…

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo terceiro dia (423.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Se tem uma coisa que eu detesto na vida é falar ao telefone… Eu sempre detestei. Na época que os telefones eram fixos e vc tinha que ficar lá sentada do lado do aparelho, limitada pelo cabo do diacho do telefone… eu odiava ainda mais. Hoje em dia com os celulares vc pode se mover para lá e para cá, vc pode conectar um fone bluetooth e ainda fazer as coisas mas na época isso não existia. Eu lembro do tempo que as linhas telefônicas fixas eram tão caras que custavam muitas vezes tanto quanto um carro, ou uma casa… aí teve a privatização das Teles e o preço foi caindo, foi ficando mais acessível…

Eu lembro que o primeiro telefone que a gente teve aqui em casa era uma linha que toda a galera do prédio se juntou para comprar e depois compramos um PABX e cada apartamento tinha um ramal. Quando os primeiros celulares surgiram e chegaram ao Brasil, era muito caro para gente que era pobre ter, mas eu nem me importava, porque como eu disse, eu detestava (e ainda detesto) falar ao telefone. Eu tinha um pager na época, que recebia mensagens… quando a minha mãe queria falar comigo ela me mandava mensagem e eu ligava para ela. Então lançaram os primeiros celulares que enviavam mensagem de texto e foi a primeira vez que eu achei interessante ter um celular. Depois vieram outras funções, como câmera, música… e cada dia que passa os celulares fazer mais coisas e se tornam mais integrados ao nosso dia a dia.

Eu me lembro dos tempos que eu saía de casa sem nenhum celular… assim… solta no mundo hahahahaha. Quando a gente saía de casa para brincar as nossas mães não tinham como achar a gente, e a gente sumia no mundo. Hoje em dia, sair de casa sem celular é quase tão impensável quanto sair andando pelado. Se uma pessoa fala para vc, eu não tenho celular vc pensa, como assim não tem celular? Em que mundo essa pessoa vive? (no século XX aparentemente hahahahaha).

Eu entretanto tento controlar o meu tempo no celular, nas redes sociais e tento não estar disponível 24 horas por dia, 7 dias na semana… Eu tô de férias, então as notificações do meu celular (todas, as campainhas e notificações) estão desativadas porque eu quero descansar, eu quero poder dormir até mais tarde. De uns tempos para cá pessoal tá muito abusado. Sete da manhã já tem gente me ligando. Quando eu tô trabalhando beleza, porque a essas horas eu já tenho que estar acordada. Mas me ligar, ou me mandar mensagem, às sete da manhã no final de semana, ou nas férias… é desaforo né?

Mas tem galera sem noção… primeira semana de férias, uma vez me acordaram às sete para falar de assunto de trabalho (eu perdoei porque a pessoa não sabia que eu estava de férias), aí eu avisei à pessoa que eu estava de férias e a pessoa ainda assim queria que eu visse coisa de serviço para ela… ahhhh mano, se eu tô te falando que eu tô de férias, vá te catar! Já tá ruim porque eu tenho que passar minhas férias trancada em casa por causa da pandemia, vc além de me acordar de madrugada, quer que eu trabalhe? Não… bloqueei… e vai ficar bloqueado até eu voltar pro expediente (isso se eu lembrar de desbloquear).

Pessoas também me ligando no sábado de manhã me chamando para sair de casa para ir almoçar na casa delas… amigos… qual a parte de PANDEMIA vcs não entenderam? E outra… me conhece a trocentos anos e me liga antes do meio-dia num sábado! Me convidasse na sexta à noite (eu não ia aceitar, PANDEMIA, mas… me convidar oito da manhã no final de semana… é querer ouvir um monte né?). Passei o maior sermão! E adivinha… uma semana depois a pessoa me liga avisando que tava com coronga. E se eu tivesse ido hein? Tava eu corongada e lascada né?

Mas o que mais me irrita nesse lance de telefone é ligação de SPAM, oferecendo cartão de crédito, cobrando gente que não existe, eu não sei se é golpe, ou se alguém passou número errado, mas vira e mexe banco me liga cobrando coisa de uma tal de Madalena… Mano, eu não conheço nenhuma Madalena! Ahhh e esses dias eu estava falando com meu irmão de fazer um plano de assistência funerária, para no final da vida eu ter literalmente onde cair morta. E eu acho que a Alexa ou o Google ouviram e eu recebi umas 20 ligações vendendo plano funerário, caixão, jazigo no cemitério… Nada contra até porque eu tava procurando mesmo. Mas velho… de manhã cedinho? Me acordando… PQP, deixa eu dormir caraca…

Esse com certeza nem vai me deixar morrer em paz se eu esquecer uma prestação do caixão antes de morrer. A lista de números de telefone de telemarketing, bancos e operadoras de telefonia que estão bloqueados no meu celular é imensa. Claro, que de vez em quando eles arrumam uns números novos e me ligam… mas assim devagarinho eu vou tentando diminuir essa galera que me perturba.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Um ato de amor!

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo terceiro dia (423.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Antes de eu entrar no tema deste texto deixa eu contar umas coisas para vcs. Esfriou para caramba em São Paulo, à noite tá fazendo entre 12 e 13 graus. Mas, depois da pré-menopausa não existe mais frio neste mundo. Meus pés ficam gelados claro… mas, eu não tenho tanto frio. Estão falando que o inverno deste ano vai ser bem mais rigoroso que nos últimos anos… veremos. Felizmente eu terminei meu cobertorzinho de lã tricotado, estou preparada, vem inverno! Outra coisa que eu queria contar para vcs é que aparentemente, até o final do mês se tudo der certo eu devo tomar a primeira dose da vacina contra o coronga.

Essa semana aqui em São Paulo, começaram a vacinar as pessoas com comorbidades entre 50 e 55 anos. Semana que vem eles vão vacinar as pessoas com comorbidades entre 45 e 49 anos. Ainda não foi anunciado para quem tem 44 anos para baixo, mas me disseram no posto de saúde, que se houver vacinas (tem essa questão também) talvez comecem esta faixa etária dia 28/05, então pode ser que quando vcs estiverem lendo este texto (que vai ser publicado dia 06/06) eu já tenha sido vacinada. Minha melhor amiga tomou a vacina hoje. Tô feliz por ela!

Primeiro texto de hoje eu tava meio deprimida… eu escrevi ele ontem… hoje já é outro dia, eu já tô melhor. Eu resolvi dormir até mais tarde, descansar, colocar a minha cabeça no lugar. Até mesmo porque como dizia a minha mãe, se a gente não pode fazer nada para mudar a situação em que nos encontramos… não adianta nos desesperarmos. O famoso… o que não tem remédio, remediado está. A mim, só basta torcer para as coisas melhorarem. A notícia que a minha amiga tomou vacina, que pode ser que eu tome até final do mês, minha tia, meu primo e a família saíram do coronga, já estão melhores… Resumindo… meu dia tá melhor.

E eu lembro de ter pensado ontem que não tem muito que a gente, cidadão comum possa fazer nas atuais conjunturas. Mas, não é bem assim… a gente pode sim, no limite do possível fazer a nossa parte. Tomarmos cuidado para não ficarmos doentes, zelarmos pelos nossos amigos e parentes. E orarmos uns pelor outros. Independentemente da religião de cada um… Ou mesmo quem não tem religião nenhuma e não acredita em nenhuma divindade ou poderes sobrenaturais… vc pode desejar o bem para o outro. E orar, e desejar o bem ao próximo é um ato de amor. Muitas vezes, ainda mais agora, quando estamos todos distantes fisicamente… a única coisa que podemos fazer é isso. Enviar amor para as pessoas através das nossas preces ou de um bom pensamento, um bom desejo, de saúde…

Esse ano, em agosto… vão se completar treze anos da morte do meu avô e doze anos da morte da minha mãe. E eu me lembro que na época… muitas pessoas, amigos, conhecidos… foram aos velórios e aos enterros deles e eu aprendi várias lições bem difíceis naqueles dias… Duas delas eu queria compartilhar aqui neste texto. Uma delas é que família nem sempre são aquelas pessoas que compartilham com vc a mesma criação, um passado em comum, sangue nas veias e DNA. Tem amigos que são mais chegados que irmãos (isso tá na Bíblia inclusive), que se preocupam com vc, que te ajudam desinteressadamente, que sentem a sua dor como se fosse deles…

Outra coisa que eu demorei para aprender é que… dentro de qualquer comunidade religiosa (igreja, templo, crença, doutrina) existe todo tipo de pessoa. Tem gente boa, gente ruim, tem heróis, tem bandidos… tudo o que vc possa imaginar. Eu não fui criada para saber disso, eu fui criada achando que nas igrejas que eu frequentava (primeiro a católica, depois a evangélica) só tinha gente boa, gente que queria seguir o exemplo de Cristo por isso se denominavam cristãs. Também me ensinaram… desde criancinha… que fora dessa crença tudo era coisa do capeta, do mal… especialmente em se tratando de religiões africanas sabe?

Minha mãe entretanto sempre me falou, às vezes, quando um Umbandista te deseja um axé, ele tá com a intenção mais pura no coração do que um cara que tá sentado do seu lado na igreja te desejando um Deus te abençoe. E eu lembro que quando ela me falava isso meus avós, meus tios sempre falavam, ai Cristina não ensina coisa errada para criança, vc fica falando essas coisas ela vai crescer e virar macumbeira. Ao que minha mãe retrucava, ela vai ser o que ela quiser ser, ela que vai escolher… acabou-se o tempo que diziam para gente o que a gente tinha que fazer, no que a gente tinha que acreditar, com quem a gente tinha que se casar e tínhamos apenas que aceitar e obedecer, meus filhos não vão crescer assim. Vão crescer seres pensantes.

Demorou trinta e tantos anos da minha vida para eu entender o que ela queria me dizer… Mas, eu entendi. E eu aprendi da pior forma possível… quando ela se foi, no enterro dela sabe. Eu recebi diversos abraços e diversos “Deus te guarde”, “Deus te ajude”, “Deus te abençoe” falsos naquele dia… várias máscaras caíram naquele dia e nos dias que se seguiram… e continuam caindo até hoje. Mas, o que eu quero dizer com tudo isso é que… apesar de tudo que estamos vivendo, nesta situação horrenda, eu acredito que ainda tem muita gente bacana no mundo. E que, independente da crença de cada um, se difere, ou igual, ou parecida com as minhas… eu desejo só o bem para essas pessoas nas minhas orações. E tenho certeza que cada um dos meus amigos, dentro das suas crenças fazem o mesmo. E é o que podemos fazer um pelos outros, porque é um ato de amor.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Quatrocentas a Trinta Mil mortes!

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo terceiro dia (423.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Tô na minha segunda semana de férias e… pela primeira vez em 15 dias eu resolvi assistir aos noticiários e caí na besteira de ver os relatórios de pessoas infectadas e de mortes e hoje, no dia em que eu estou escrevendo este texto o Brasil bateu as 430 mil mortes desde o começo da pandemia. Foram mais de 100 mil mortes desde a última vez que eu olhei os números online. Cara… são quase meio milhão de pessoas mano. Eu me lembro no começo da pandemia no ano passado, as previsões da época e… alguns (empresários, políticos e tal…) faziam uma previsão mínima… dizendo, ahhh vão morrer entre sete e dez mil pessoas (e eles falavam como se fosse um número irrelevante…). Dez mil pessoas é gente pra caramba… claro, se vc olhar para as mortes anuais que temos, com os casos de diabetes por exemplo, que morrem cerca de 200 mil pessoas por ano no Brasil, são números pequenos se comparados… Mas mano, olha nossa situação agora! Por ano, todos os anos… morrem 200 mil pessoas no Brasil por conta do diabetes… nós completamos um ano e pouco de pandemia e já morreram 430 mil… mais que o dobro. E sabe-se lá quantas mais pessoas vão perecer até que as infecções pelo vírus estejam sob controle. Infelizmente as previsões dessa galera estavam erradas!

Tinham também as previsões mais drásticas, dos infectologistas e virologistas… que falavam números entre um milhão… até três milhões de mortes! Nesse caso, felizmente, as previsões também estavam erradas. Mas não muito… porque se bobearmos, se não aplicarmos as vacinas o mais rápido possível, ainda podemos chegar em 1 milhão de mortes. No mundo inteiro já morreram 3 milhões, trezentas e poucas mil pessoas… Para vcs terem uma ideia de como esses números são horrorosos no Holocausto Nazista… foram mortas cerca de seis milhões de pessoas. Metade desse número morreu por causa desse vírus.

Um dado interessante… e que nos faz questionar nossos governos atuais é… que a Gripe Espanhola… a mãe de todas as pandemias, a pior pandemia de todos os tempos, que matou 50 milhões de pessoa no mundo na sua época… matou cerca de 35 mil pessoas no Brasil. Dez vezes menos que o corona vírus. Na época, a não globalização do mundo e nosso programa de vacinação, que já existia na época impediu que a tragédia que se abateu no mundo nos atingisse… Comparada a essas duas crises históricas da humanidade… a coisa tá feia para gente ultimamente viu galera… Tá cada dia mais complicado não ficar deprimida.

Ps. do dia que eu escrevi este texto até o dia que ele foi publicado… o número de mortes bateu 470 mil… tá foda galera.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Tecnologia: Diabetes – GlucoStation

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo segundo dia (422.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Como vcs sabem, esta que vos escreve é nerd para um caramba e também tenho diabetes, então eu fico sempre de olho em novas nerdices e novas tecnologias que apareçam por aí no mundo para ajudar o controle do diabetes. E dia desses eu tava lendo várias coisas online em diversos sites que falam de inovações tecnológicas na área da medicina… e me deparei com um aparelho chamado GlucoStation, da empresa polonesa GlucoActive. Essa empresa lançou essa tecnologia em 2019… faz um tempinho já… mas eu achei interessante a proposta do gadget e vamos falar um pouco disso.

É um aparelho que parece um medidor de pressão sanguínea, entretanto não tem aquela constrição… A aparência dele é bem simples, mas pelo que eu li o funcionamento é bem avançado. É tipo um escâner mesmo… onde a pessoa coloca o braço apoiado e os sensores do aparelho medem o nível de açúcar no sangue intersticial… mais ou menos como o sensor da Abbot, o Freestyle Libre. Mas diferente do sensor da Abbot que fica uma fitinha inserida dentro da sua pele. Esse sistema de sensores do GlucoStation não é nada invasivo.

Eu não tenho mais informações de preço, acho que por hora ele tá restrito ao mercado nacional deles. E eles tem outros produtos bem interessantes também para o público diabético, que eu vou trazer ainda aqui para o blogue… Mas só a ideia de vc ter um aparelhinho que vc só coloca o braço, e ele mede a sua glicemia, e outras coisas, já é uma novidade bacana. E eu acho que conforme a tecnologia for avançando, em alguns anos teremos sim um sistema que a gente possa medir a glicemia com precisão, de maneira confiável, sem dor, sem precisar ficar furando a ponta do dedo trocentas vezes por dia.

Por enquanto a maneira mais confiável ainda é furar o dedinho e usar o glicosímetro. Mas, a gente sonha em um dia não precisar mais passar por esse rolê todo. Ainda mais em tempos de pandemia… melhor coisa é a gente não precisar machucar a mão e deixar aquele furinho lá exposto, perigando inflamar, infeccionar, etc. Claro, que não dá para pegar coronga pelo furo da ponta do dedo porque o vírus usa saliva e as vias aéreas para infectar outras pessoas, mas… mesmo assim… melhor não arriscar e abrir essas portas para doenças.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Tecnologia: Google Nest

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo primeiro dia (421.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Hoje amanheceu frio para caramba, e eu tive que pular cedo da cama para fazer exercício, depois de dois meses parada. Primeiro o Carlos ficou com suspeita de coronga e tivemos que todos aqui em casa ficar quarentenados até o exame dele sair o resultado, felizmente não era. Logo em seguida nosso personal e a família dele pegou coronga e a galera lá na casa dele ficou um mês sem poder treinar. Só na última sexta que ele foi liberado pelo médico para voltar a trabalhar. E hoje fomos treinar… Tô menos podre do que eu esperava hohoho… e eu achei que tinha engordado nesses tempos, mas eu ando me comportando com minhas refeições então eu não engordei, pasmem… eu emagreci. Cortei pão, farinha branca, leite e açúcar e, mesmo sem me exercitar perdi uns quilos. Voltando para malhação… devo perder mais uns…

Tem um tempo aqui que eu reclamo com vcs que a Alexa não tinha nenhum concorrente de peso no Brasil como ela tem lá fora, como as caixinhas com assistente inteligente da Google ou as caixinhas da JBL com assistente da Google, os ainda as caixinhas da Apple. Até bem pouco tempo a Google tinha muito timidamente lançado a Google Nest Mini, que concorria diretamente com a Echo Dot da Amazon. Mas, parece que o jogo virou… ou está querendo virar… pelo menos para a Google porque agora eles lançaram mais uma caixa inteligente no mercado. A Google Nest, para competir diretamente com a Echo que é a caixa de som intermediária da Amazon.

Talvez o pessoal da Google tenha visto o sucesso que as caixinhas e aparelhos da linha Echo estão fazendo aqui no Brasil. Como elas vendem para caramba e pensaram… hum… talvez a gente também queira um pedaço desse mercado. Se as demais empresas grandes como Apple, JBL vão acompanhar esse movimento da Google, não sabemos… a Sony a gente sabe que não vai porque ela pegou suas malas e adeus Brasil. Bora falar um pouquinho então das características de mais esta caixa de som inteligente.

Primeiramente, o mais importante o preço. Ela tá mais ou menos na mesma faixa da Echo de 4.ª geração. Aliás, ela está um pouco mais cara… mas fica entre 700 e 900 reais dependendo de onde vc vai comprar. Ela vem em duas opções de cores, cinza e branco (lá fora vc encontra ela em outras cores, aqui no Brasil só essas duas cores mesmo). O design dela é bem diferente de tudo que tá por aí no mercado, ela até parece uma almofadinha… eu particularmente acho a Echo (que é uma bolinha) mais bonitinha.

A exemplo das caixinhas da Amazon ela vem com aquele tecido protegendo toda a parte exterior. Outra coisa que a Google deixa bem clara na intenção de design nas suas caixas é… que quase não tem botão caixa diferentemente das caixas da Amazon, tudo nela funciona via sensores… uma batidinha na parte superior esquerda abaixa o volume, do lado direito aumenta o volume, na parte central pausa/play nas músicas que estão tocando. Tem apenas o botão para vc mutar os três microfones da caixa na parte traseira, para ela não ficar escutando tudo o que vc diz e te espionando. Na parte frontal temos os quatro LEDS.

Mas, o mais bacana é ele funcionar por comando de voz, basta vc dizer “Ok Google” e ele ativa. Vc pode controlar ele pelo celular também com o app Google Home, vc pode usá-lo para controlar aparelhos inteligentes em casa, como lâmpadas e outros eletrodomésticos que sejam compatíveis com o Google Assistent. Vc pode, olha que bacana… ligar a sua TV e controlar o Chromecast por controle de voz. Basicamente como a Alexa, entretanto o Google Assistant leva uma pequena vantagem sobre a Alexa no quesito pesquisas. Qdo vc faz uma pergunta para a Alexa, de vez em quando ela responde que não sabe nada do assunto, o Google Assistant além de raramente fazer isso, ainda sabe seu nome e tem um banco de dados maior para fornecer mais respostas para a gente então as respostas são mais precisas. Isso sem falar que se vc usa serviços da Google (quem não usa) como o Gmail e o Google Agenda, eles estão integrados com o Google Nest, vc pode pedir para o Assistente ler suas mensagens, ou sua agenda para vc (tá certo que a Alexa também faz isso, mas dá um tantinho de trabalho configurar).

Em se tratando de qualidade de som, tanto o Amazon Echo quanto o Google Nest tem bastante qualidade, vai depender muito do gosto particular de cada um. Entretanto, especialistas em som avaliaram os dois produtos e chegaram a conclusão que o Echo é um pouquinho melhor, por osso mesmo os desenvolvedores da Google disponibilizaram um equalizador no Google Home, para vc poder personalizar seu som (coisa que o Echo não tem). Entretanto, a integração do Google Nest com o Spotify é meio problemática… e o comando de voz com o Spotify é meio irritante, diferentemente da Alexa, que vai aprendendo conforme vc usa e ainda consegue até mesmo distinguir diferentes vozes na sua casa.

Então na hora de escolher, vai depender de qual assistente vc curte mais, qual te dá mais integração com os aparelhos que vc usa em geral no seu dia a dia e qual som vc curte mais. Mas qualquer um dos dois tá de bom tamanho eu acho. Vamos aguardar agora para ver se a Google continua lançando mais modelos de caixas de som por aqui, e modelos mais potentes, lá fora eles tem outras maiores e mais potentes. E aí a gente vê se elas são interessantes, se vão mesmo bater de frente com a linha Echo da Amazon.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filme: O Misterioso Caso de Judith Winstead

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo primeiro dia (421.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social. Terceiro e último filme do dia… e só para estragar a boa noite de sono de vcs, bora com um terrorzão baseado em fatos reais que é para deixar vcs daquele jeito… de cabelos em pé!

Vamos de “O Misterioso Caso de Judith Winstead” (ou “The Atticus Institute” no original em inglês) é um filme já não tão recente, é de 2015 e eu acho que já a este filme anteriormente, na época do lançamento… mas ele apareceu nas sugestões da Netflix para mim e eu não me lembrava dele e como o último filme de terror que eu assisti não era tão terrível assim, eu resolvi rever este aqui. Tem gente que quando fica sabendo que o filme de terror é baseado numa história real nem quer ver hahahaha, já eu sou o contrário…

O filme tem um estilão documentário, mas ele não é um documentário… onde eles conta a história de um lugar chamado Instituto Atticus, onde cientistas americanos nos anos 70 e 80 estudavam as capacidades da mente humana, depois do surgimento da paranormal Nina Kulagina na União Soviética, muitos cientistas americanos também quiseram descobrir outra pessoa que tivesse as mesmas capacidades de Nina, tudo por conta da Guerra Fria que acontecia na época entre União Soviética e Estados Unidos. E esse instituto realmente existiu, essa é uma das partes verdadeiras da história.

O que acontece entretanto é que todas as pesquisas paranormais dão em nada e a credibilidade dos cientistas começam a ir para o esgoto. Então, um belo dia, uma mulher chamada Judith é levada pela irmã para o instituto porque ela tem apresentado habilidades espantosas, e a família ficou sem entender e com medo. Então, tentando salvar os estudos do instituto e as suas carreiras eles aceitam incluir Judith nos estudos… e por um período eles ficam extremamente impressionados com os poderes da mulher, entretanto… conforme eles avançam nas pesquisas eles percebem que talvez aqueles poderes nem sejam dela, e que ela não tenha controle nenhum sobre nada. Então, com medo por suas vidas… eles chamam os militares, o governo e entregam sua descoberta para eles… que Judith parece na verdade estar possuída por uma entidade demoníaca.

E eu não vou contar mais nada do que já contei porque não quero dar spoilers, mas… um dos disclaimers do do filme é justamente este… “A primeira possessão demoníaca oficialmente reconhecida pelo governo”. Uhhhhhh que meda! Fiquem aí com essa dica de filme…

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filmes: A Caminho da Lua

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo primeiro dia (421.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social.

Segundo filme desta sexta, eu queria continuar na good vibes, então eu resolvi assistir a uma animação da lista de filmes que eu tenho para ver (e que cada dia que passa fica maior). E a animação que eu escolhi foi mais uma das que foram indicadas ao Oscar deste ano chamada “A Caminho da Lua” (ou “Over The Moon” no original em inglês) é uma produção chinesa em parceria com a Netflix e com a Sony Pictures, lançamento mundial foi em 2020 se eu não me engano. Uma característica interessante dessa animação é que ela foi cem por cento feita via computação gráfica e o primeiro filme internacional dirigido pelo animador Glen Keane, que trabalhou anos e anos com a Disney. Se vcs assistiram às animações “A Bela e a Fera”, “A Pequena Sereia” e o mais recente “Abominável” já viram o trabalho dele.

E lembram que eu disse, no começo do texto, que eu queria assistir a um desenho animado para continuar com as good vibes? Pois é… ledo engano! Mal o desenho animado começou e eu já tava me debulhando em lágrimas. Porque apesar de todo desenho animado ter as suas músicas e seu lado alegre esse aqui tem um tema, que pressionou alguns gatilhos em mim. Mas eu já explico… Antes, deixa eu dizer que, sem spoilers, a história dele é mais ou menos assim:

A gente logo de cara conhece a família da personagem principal chamada Fei Fei… ela vive feliz com os pais, numa casinha, do lado do restaurante da família onde eles vendem bolinhos da lua, que são tradicionais da região onde eles vivem. E a mãe de Fei Fei sempre conta para ela a sua história favorita, sobre a deusa da lua chamada Chang’e. Ela conta para a garotinha a história de amor de Houyi e Chang’e, um guerreiro muito bravo que por causa dos seus feitos ganha um elixir da vida eterna, mas ele se recusa a bebê-lo porque isso significaria ficar sem a sua amada Chang’e, ele então entrega o elixir a ela para que ela o guarde.

Entretanto, um dia, um homem inescrupuloso tenta roubar o elixir, e para garantir que ele não caia em mãos erradas Chang’e acaba bebendo o elixir e se tornando imortal, ela então se exila no lado escuro da lua, esperando que um dia ela possa novamente encontrar seu amado Houyi. Ou seja, uma história de amor interrompida por uma tragédia. Fei Fei cresce acreditando na história e querendo crescer e ser uma astronauta para um dia ir à lua e provar a existência da deusa. Então, um dia a história da deusa se mistura à história de Fei Fei quando a sua mãe adoece e logo em seguida morre… partindo o coração do seu pai e encerrando também de forma trágica aquela história de amor.

O tempo se passa e um dia o pai de Fei Fei conhece uma mulher, que tem um filho pequeno chamado Chin, e ele se apaixona novamente. Chateada com a possibilidade de o pai se casar novamente, porque ela achava que o amor dos pais era eterno, Fei Fei resolve construir um foguete para ir à lua, provar a existência da deusa para o pai e fazer as coisas voltarem a serem como eram antes da mãe morrer. O desenho fala de luto, de perda, de família e de recomeços.

Uma curiosidade a roteirista Audrey Wells quando começou a trabalhar na história, estava passando por um processo de doença, e ela estava desenganada, vivendo em estágio terminal… ela só contou para a equipe quando o projeto já estava bem adiantado. Ela faleceu em 2018, dois anos antes do lançamento do filme, mas ela ainda pôde ver uma versão da animação, que nas palavras dela… ela queria deixar como se fosse uma carta de amor para sua família. Cara… isso é triste pra caramba. Então assim… apesar de ter me debulhado em lágrimas assistindo essa animação eu recomendo pra caramba. É muito legal. Fica aí essa segunda dica de filme para o final de semana de vcs.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filme – Dia do Sim!

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Como tá a Pandemia de vcs? Tá Boa? Tá ruim? Tá coisada que nem a minha? Espero que não… Eu nem posso reclamar, na verdade, sabe… eu reclamo porque a gente sempre reclama de tudo né? Então eu vou dizer que eu tô legal… Continuamos por aqui e estamos em nosso quatrocentésimo vigésimo dia (420.º para vcs não se perderem a conta) e sexagésima primeira semana de distanciamento social. Bem vindos seus lindos, à primeira sexta-feira de junho…

Na semana passada eu meio que peguei pesado com vcs com as séries e os filmes, falando de assassinos em série e tal, mas nessa semana tia Shao promete pegar mais leve beleza? Mas, não muito porque eu não quero vcs mal-acostumados hahahahaha (risada maligna). Brincadeira, é que essa semana eu não assisti nada do gênero, eu achei que era uma ótima ideia pegar mais leve comigo mesma também porque eu não tava me sentindo muito para cima. E o que é que a gente faz quando a gente tá triste? A gente senta na beira da sarjeta e chora ouvindo música de sofrência tia Shao.

Nada disso! A gente não alimenta a tristeza, a gente elimina ela! E como fazemos isso? Fazendo exatamente o contrário de sentar na sarjeta e ouvir música de sofrência, a gente ouve música alegre, a gente vê filme e série feliz, a gente sai do baixo astral! A gente dá um chute na bunda do baixo astral… E é isso que vamos fazer, nessa sexta-feira. Eu tô de férias ainda então eu resolvi tirar o dia para fazer coisas que eu curto e vamos começar com esse filme que estreou em março na Netflix e que eu só tirei para assistir hoje que é “O dia do Sim!” (ou “Yes Day” no original em inglês) que é uma daquelas comédias para a família toda certo? Certo!

Como eu sempre digo para vcs aqui, quando se trata de filmes muito recentes, vou tomar o maior cuidado para não dar nenhum spoiler. Embora, este seja um filme de comédia sobre família e embates de gerações e a tendência é sempre cair no clichê, entretanto, geralmente a gente ignora tudo isso quando nos dispomos a assistir uma produção do gênero não é mesmo? Então a história do filme, para quem ainda não assistiu é mais ou menos assim: Allison (interpretada pela atris Jennifer Garner) e Carlos (interpretado pelo ator venezuelano Edgard Ramirez) são jovens aventureiros e divertidos que viajam pelo mundo sem muito compromisso que nada, até que um dia eles se conhecem e é amor à primeira vista.

Então eles se casam, tem três filhos e com o passar do tempo, eles caem no estereótipo dos pais chatos, que dizem não para tudo dos filhos apesar de nos próprios olhos eles se achem um casal legal, eles percebem que os filhos os percebem de forma diferente. Eles vão para uma reunião na escola com os professores dos filhos e as notas deles estão terríveis, mas o que os professores mais chamam a atenção do casal é sobre a opinião dos filhos sobre os pais, a quem eles consideram carrascos. O casal acha que eles estão fazendo o correto para ensinar e proteger os filhos, mas eles não faziam ideia do que se passava na cabeça das crianças com tanta disciplina.

Então um dos professores dá a ideia de conceder às crianças um dia do sim! Um dia, com certas limitações, onde os pais tem que dizer sim a cinco pedidos dos filhos, e que isso talvez melhore a convivência entre a família. Sem muitas opções eles resolvem fazer uma tentativa e é daí para frente que o filme fica bem divertido. E eu não vou contar o que acontece quando os pais topam a ideia do professor e concedem o dia do sim, vcs se quiserem saber, vão ter que assistir ao filme e ver por vcs mesmos. É um filme bem divertido, eu curti pra caramba, recomendo para começar bem animado o final de semana!

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.