O lance da Terra Plana…

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso ducentésimo sexto dia (206.º para vcs não perderem a conta) e trigésima semana de distanciamento social. Um dia desses aí, eu resolvi ler umas coisas nas internets para saber que lance é esse de Terra Plana e de cerca de mais de 11 milhões de brasileiros acreditarem que a terra é plana…

O que acontece com essa crença? Por que tem pessoas que acreditam nisso? E no que exatamente essas pessoas acreditam. Eu fui ler, ver vídeos sobre a teoria da terra plana, para tentar entender como essa galera pensa. E eu li… e eu fiquei besta. Mas não me espanta. Desde que o mundo é mundo ideias boas, ruins e absurdas, existem! Eu já me posicionei aqui no blogue quanto ao movimento antivacinas. E minha posição quanto à terra plana é semelhante.

Especialmente após ler as teorias dos terra planistas, no que eles se baseiam para acreditar que de verdade a terra é plana. Mas quem sou eu para falar mal da crença de quem quer que seja não é mesmo? Eu tenho várias crenças que são apedrejadas, xingadas e desdenhadas por um monte de gente em várias esferas da minha vida, sejam minhas crenças políticas, filosóficas, científicas, religiosas, meus valores… Sempre vão existir pessoas que vão encarar as coisas e acreditar em coisas diferentes.

Desde criança eu curto astronomia, estudar os planetas, sempre me fascinou o tema e eu sempre achei foda como alguns filósofos, astrônomos, matemáticos, físicos… que viveram muito antes de sequer existirem telescópios e outras máquinas capazes de tirar fotos…, os cálculos e observações que esses caras fizeram se mostraram extremamente corretos.

Muitos deles, tiveram que enfrentar a ignorância, pagando às vezes com a vida, para terem suas teorias, seus estudos levados ao conhecimento das pessoas. Muitos foram mortos pela religião e pela ignorância de seus contemporâneos. Por um lado eu acho estranho… pessoas acreditarem em certas coisas, mas por outro eu acho interessante vivermos num tempo em que se tem liberdade mesmo para acreditar no que vc bem entender. Defender seu ponto de vista, espalhar suas teorias… mesmo elas sendo absurdas.

Ah, mas Shao se vira moda todo mundo vai parar de tomar vacina e acreditar na terra plana e isso vai se espalhar e daqui a pouco galera vai ressuscitar a Idade Média e a Inquisição. É… nunca diga nunca… é possível isso acontecer? Claro que é! a humanidade já passou por diversas evoluções é bem verdade, mas também já passou por momentos onde regredimos umas centenas de anos.

Por isso que a tia Shao sempre diz para vcs, estudem, aprendam aquilo que puderem, se desenvolvam, questionem as coisas. Não vai comprando qualquer teoria, filosofia sem antes avaliar o que tá rolando com aquela turma, como eles pensam e o que eles querem de verdade.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Máscaras! Em tempos de Pandemia

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso ducentésimo quinto dia (205.º para vcs não perderem a conta) e trigésima semana de distanciamento social. Continuamos em quarentena, continuamos enfrentando a pandemia, esperando a vacina. Enquanto isso estamos todos saindo mascarados à rua.

Quer dizer, quase todo mundo né? Tem aquela galera que acha que não precisa, que não usa… enfim… Eu que tenho diabetes sou obrigada a tomar todos os cuidados possíveis, imagináveis e cuidados dobrados. E eu tenho saído bem pouco de cada, quase nada mesmo… só o extremamente necessário para fazer mercado, farmácia (só quando meus irmãos não podem ir), fazer atividade física e sair um pouco para não ficar em casa.

Eu tenho tentado fazer exercícios no parque que é um lugar enorme, então eu sempre escolho os lugares menos lotados para fazer meus exercícios ou minhas caminhadas. E também ajuda para caramba também essa agonia de ficar trancada em casa sair de casa um pouquinho, ver as árvores, os bichinhos e respirar um ar diferente. Cara, pensa, 203 dias em casa… se eu não der uma quebrada nessa rotina de ver a vida apenas pela janela eu fico doida mesmo.

E uma das coisas mais complicadas de sair de casa com cuidado é ter que usar máscara o tempo todo, e absorver novos costumes, não colocar a mão nos olhos, na boca, no nariz… porque a gente coloca a mão em todos os lugares e depois a gente coloca a mão no rosto e acaba se infectando com o vírus. Tem gente que detesta usar máscara, que fica dando escândalo que dá falta de ar e o caramba.

E olha é chato pra caramba usar máscara, claro que a gente não respira direito. Mas tem que ser feito, tem que usar. Cara, fazer exercício de máscara é um pé no saco. Durante todos esses meses eu comprei algumas máscaras, para mim, para meus irmãos, pro meu pai. Comprei as máscaras de pano, mascaras engraçadinhas geek, máscaras da china com filtro e respirador. E com a maioria delas tem uma coisa chata ou outra. Então nos dias da Black Friday teve uma promoção de máscaras esportivas, as Máscaras Knit e eu resolvi comprar para mim e para meus irmãos pra gente treinar, porque amigos meus me disseram que era a melhor máscara.

Então eu comprei e até agora, em todos esses meses é a melhor máscara que eu comprei. Já virou a minha favorita. Quais os problemas que as máscaras em geral apresentam? Elas machucam a orelha, elas são grossas e tiram o ar da gente, as que são mais finas vc fica naquela neura que ela não tá te protegendo. Tem aquelas que vc tem que ficar trocando os filtros dela…

Enfim, as máscaras knit elas são de um tecido bem reforçado, tecido esportivo mesmo… vc geralmente vê esse tipo de tecido naqueles tênis de corrida. Ela tem filtros descartáveis também para te passar mais segurança na filtragem. Elas vão presas na cabeça… então vc não fica com as orelhas doendo de tanto carregar as máscaras e os óculos o dia todo em cima delas. Ela também tem uns suportes de plástico que vc acrescenta nela que dão uma certa ergonomia pra máscara que faz com que a máscara não fique encostada na sua cara, e nem fique escorregando pelo seu nariz, e ainda ajuda a não embaçar os óculos (ou a embaçar menos).

Falando em ergonomia ainda, ela encaixa bem no rosto. Como a parte de baixo dela fica solta, eu achei que ela ia ficar abrindo e não ia encaixar direito, mas não… ela encaixa direitinho. E ela fica bem firme no rosto. Ela é bem confortável, mas tão confortável que vc chega a esquecer que tá com ela no rosto. E mano… melhor máscara ever para respiras, fazer exercício e também para falar. Ela deixa vc projetar mais a sua voz numa conversa. Se em breve eu tiver que voltar para o trampo… comprarei mais uma máscara dessas. Amei. Recomendo viu?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Games: Among Us

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso ducentésimo quarto dia (204.º para vcs não perderem a conta) e trigésima semana de distanciamento social. Segundo texto do dia, e bora falar de videogame? Faz um tempinho que eu não falo de games não é mesmo?

É que eu estou bem sem tempo para diversão ultimamente, eu realmente tenho focado nos estudos e em cuidar da minha saúde. E pode parecer que não, mas isso consome muito do meu tempo livre. E como eu estou aqui trabalhando remotamente, meu tempo livre para fazer exercícios e estudar tem sido sempre na parte da tarde e da noite. Felizmente estamos no verão e os dias estão mais longos… o sol está nascendo umas cinco e meia da manhã e se pondo bem depois das seis e meia da noite.

Mas voltando ao tema do texto de hoje, de vez em quando nos finais de semana, para o bem da minha saúde física e mental, eu tiro um dia, ou pelo menos umas horas para descansar e eu fui jogar uma das febres dos games do momento que é “Among Us” ou como ficou conhecido, o jogo do impostor. O jogo é multiplataforma, o que é bem bacana, vc pode baixar o jogo no seu PC (versão de PC é paga… 10 reais), ou no seu celular (no celular tem versões pagas e gratuitas, na versão paga vc joga sem propagandas e na versão gratuita vc tem que ficar aturando propaganda).

Vc precisa ter uma internet bacana porque o jogo é online. Todos se conectam no provedor do game, criam seus avatares (personagens). Dá para jogar em salas públicas onde vc pode jogar com desconhecidos do mundo todo e vc também pode criar uma sala particular, com senha para vc jogar apenas com seus amigos. No PC e no Celular se vc tiver instalado o Discord, vc também pode criar uma sala de chat onde todos os participantes podem conversar por voz. Caso vc não queira, dá pra vc conversar pelo chat do jogo mesmo por texto.

Com esse lance da pandemia, onde não podemos nos encontrar pessoalmente com nossos amigos, diversão online é garantia de a gente poder se divertir com a galera. O jogo é bem simples, tanto nos gráficos quanto na jogabilidade e na história do jogo. A história é assim, várias pessoas estão numa nave… (se eu não me engano dá para jogar até 10 pessoas simultaneamente) e dessas até 10 pessoas, uma ou duas são o impostor, enquanto os membros da tripulação tem que consertar e fazer tarefas na nave, quem for o impostar tem que matar todo mundo sem ser descoberto hahahahaha. É praticamente um “Detetive” online com a galera! E é divertido pra caramba… eu choro de rir jogando com a galera.

O mais engraçado é que estamos no momento em que os gráficos dos videogames estão cada vez mais detalhados, mais realistas. Entretanto, o jogo de maior sucesso não foca nisso… é um jogo super leve, com um desenho bem simples, mas que foca em se divertir com a galera e diminuir as distâncias. O que no final das contas, é o principal foco de se jogar online, a interação virtual entre as pessoas. Joguei um pouquinho… me diverti para caramba… e recomendo para quem está aí no tédio sem fazer nada em casa nessa pandemia.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Desenhos Antigos: O Tamanduá e a Formiga

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso ducentésimo terceiro dia (203.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Hoje é aquele dia de falarmos de desenho animado. E o escolhido da vez é “O Tamanduá e a Formiga” (ou “The Ant and the Aardvark” no original em inglês).

É uma animação de 1969 dos estúdios DePatie-Freleng Enterprises. Ele tem apenas uma temporada e 17 episódios de mais ou menos seis minutos cada, mas apesar do pequeno número de episódios ele ficou no ar por bastante tempo. Aqui no Brasil eu não me lembro exatamente qual emissora transmitiu, mas eu me lembro que ele passava bem cedinho com “A Pantera Cor-de-Rosa”.

A história do desenho é bem simples, temos um tamanduá azul que vive perseguindo uma formiga chamada Charlie (o Tamanduá se eu não me engano não tinha nome) para comê-la. Entretanto, ele era um tamanduá extremamente atrapalhado, e a formiga era muito esperta então ele acabava sempre se dando muito mal. Eu me lembro que os episódios eram bem engraçados.

A curiosidade do desenho é que o famoso tamanduá não era bem um tamanduá. No desenho, os criadores desenharam um Aardvark, que não é um tamanduá. É uma espécie de porco, africano que se alimenta de cupins e formigas. Mas aqui no Brasil ficou como sendo um tamanduá mesmo hahahaha. Eu vou deixar aqui embaixo a imagem, lado a lado de um aardvark e de um tamanduá para vcs poderem comparar.

Eu acho que dá para encontrar alguns episódios deste desenho animado pela internet se vc procurar. Era muito engraçado, eu curtia.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Causos: Dormindo na casa da Vó.

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso ducentésimo segundo dia (202.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Caraca velho! Eu não faço ideia de quanto tempo ainda temos pela frente nessa quarentena meus amigos.

Bom, mas como sempre, nem era disso que eu queria falar no texto de hoje. Eu estava me lembrando esses dias, tô escrevendo este texto no final de 2020 com as festas chegando e por conta disso a gente fica mais nostálgico. Minha mãe, meu avô e minha avó eram figuras centrais na minha vida, ainda mais nesse período de festas de final de ano e tudo mais. E eu me lembrei de algo que acontecia direto e que hoje me fez sorrir. Quando minha mãe se separou do meu pai biológico, eu e ela fomos morar com meus avós. E ficamos nós quatro por anos, até que a minha mãe se casou novamente com meu pai adotivo.

E eu naturalmente sentia muita falta dos meus avós, pois eu os via todos os dias, e depois do segundo casamento da minha mãe, apesar de a gente morar perto eu só os via nos finais de semana. Entretanto, de vez em quando a minha mãe deixava eu com a minha avó quando ela precisava, trabalhar até mais tarde, ou quando ela e meu pai tinham algum compromisso da igreja juntos e iam ficar até tarde (eu lembro que eles às vezes trabalhavam na quermesse) e eu me lembro de uma vez em especial.

Era uma sexta-feira de julho, e eu fiquei aquele dia todo com a minha avó e meu avô porque eu não queria ir para a quermesse. E então tarde da noite, eles chegaram da igreja e passaram na casa da minha vó para me levar para casa. Mas eu não queria ir para casa, eu estava na cama, vendo novela com a minha vó, e no dia seguinte era sábado e eu sabia que meus primos iam chegar logo cedo e eu queria brincar com eles… de preferencia o dia todo hahahaha.

E eu sabia que se eu fosse para casa, eu ia perder o resto da novela, e ia ser um parto pro meu pai deixar eu sair de casa logo cedo para ficar brincando na rua com meus primos, e depois ele ia querer que eu voltasse cedo, para tomar banho e certeza que ele ia querer que mais à noite eu fosse pro diacho da quermesse. E não era nada disso que eu queria, eu queria ficar na minha vó, acordar, tomar café e cair de cara com a minha bicicleta na rua com meus primos e de noite de preferência voltar pra casa da minha vó e fazer tudo de novo no domingo hahahahaha. Se eu tivesse sorte, um dos meus tios ia deixar meus primos ficarem uma semana, ou uns dias na casa da minha vó, porque eram férias escolares, e então meu mundo estaria perfeito.

Não me entendam mal, algumas coisas da quermesse eu curtia. Mas eu não gostava de outras, das crianças que eram filhos dos amigos do meu pai, eu sempre passava fome nas quermesses apesar daquele monte de comida que tem porque a maioria das coisas eu tinha alergia… Vcs conhecem comida de quermesse né? Uma grande parte vai milho, amendoim e outros grãos que se eu comesse eu ia ficar três dias com dor de barriga. Então se tivesse cachorro-quente, churrasquinho e refrigerante eu comia, se não tinha eu ficava com fome.

Então, quando vc tem dez anos vc não quer ir num lugar onde vc tem que ficar com os adultos, que a comida é ruim e não tem nada pra fazer… Ainda mais se vc pode ficar num lugar onde a comida é boa, seus amigos estão lá e vc vai se divertir toneladas. Eu não sei porque até hoje, meu pai fazia a questão de ser o cara mais chato do planeta. Eu não sei se ele achava errado eu ficar pentelhando a minha vó, se ele não gostava dos meus primos, se ele queria mostrar a família nova dela pros amigos da igreja, se ele achava que isso era educar criança… pra mim ele era só chato pra caramba hahahahaha.

Então, quando eles foram me buscar naquela noite o que eu fiz… eu fingi que eu estava dormindo. Minha vó sabia que eu não tava dormindo, eu tava assistindo “Pantanal” com ela, que passava tarde pra caramba na TV Manchete. Minha mãe sabia que eu não tava dormindo porque ela sabia que eu não dormia cedo… não durmo até hoje galera, eu sou uma coruja, se eu pudesse eu acordava todos os dias depois das dez da manhã e ficaria acordada até às três da madrugada, são as horas que eu funciono melhor na vida.

Então lá tava eu fingindo que tava dormindo, minha mãe fingindo que acreditava e minha vó me servindo de cúmplice hahahahahaha. E meu pai fazendo o papel do chato. Vai lá, acorda ela, eu falei para ela que ela ia voltar para casa hoje, que não tinha essa coisa de ficar dormindo na casa dos outros. Aí minha vó, ahhhh, mas aqui não é casa dos outros, ela morava aqui até ontem. E minha mãe apaziguando, deixa ela dormir… tá frio, amanhã ela vai para casa. Detalhe, a minha casa era na rua de baixo… não dava nem 200 metros de distância.

Daí eu percebi que eu tinha duas cúmplices, no final meu pai chato, a minoria, foi vencida… Minha mãe disse pra minha vó, a senhora manda ela pra casa amanhã cedo depois que ela tomar café? Minha vó… mando pode deixar (mandou nada… fiquei lá o dia todo hahahaha). Aí minha mãe foi no quarto dizendo que ia me dar o beijo de boa noite, ela me beijou na testa e disse baixinho… sem-vergonha, eu sem que vc não tá dormindo, e riu. E eu perguntei cochichando… posso ficar mãezinha? Ela riu e fez que sim com a cabeça, me deu mais um beijo e foi embora. Minha vó levou eles até a porta, trancou tudo… e voltou pro quarto onde eu estava deitada e a gente riu baixinho juntas hahahahahaha. E depois a gente terminou de ver a novela.

Olha, eu já passei perrengue para caramba na minha vida… passei por coisas que eu realmente não queria passar, que se eu pudesse apertar um botãozinho e resetar tudo eu apertaria sabe? Mas, em simultâneo, eu tive uns momentos fodas para caralho também (desculpem o palavreado chulo, mas creio que seja a expressão linguística mais adequada). Fora isso, dizem alguns filósofos que somos o resultado das nossas escolhas, do que vivemos… se temos tristeza e saudade é porque um dia vivemos momentos felizes, momentos incríveis.

Eu tenho muitas saudades, de muitas coisas, mas foi porque eu vivi muitas coisas. Há bem pouco tempo era bem dolorido para mim, lembrar de certas coisas. Tanto que eu preferia nem lembrar de nada. Por muitos anos eu mantive os sentimentos tristes, trancados numa caixinha. Entretanto, eu não tinha me dado conta que com eles estavam também trancafiados as lembranças felizes.

Eu estava presa nesses acontecimentos ruins do passado. Acho que agora não estou mais, acho que depois de muito tempo eu estou vivendo no presente de novo, e eu consigo me lembrar de coisas do passado, sem que me causem tanta dor. Eu ainda tenho um caminho enorme a percorrer. Tem dias que é tudo muito pesado ainda… tem dias que eu não boto a cara pra fora e não mexo na caixa das lembranças porque nesses dias ainda dói. Mas sabe… eu tô bem melhor, e hoje eu me lembrei a lembrança não me trouxe dor, eu me lembrei e fiquei feliz.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Causos: O dia do Crime #1

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso ducentésimo primeiro dia (201.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Hoje é dia de causo, eu sei que eu fiquei um tempo sem contar os causos aqui no blogue… bora voltar então hahahaha.

Segundo texto do dia, como no primeiro texto eu meio que falei de vilões e de crimes deixa eu contar um causo cabeludo que aconteceu aqui nas redondezas do meu bairro quando eu era criança. Eu moro na Zona Leste de São Paulo, e antes eu morei no outro oposto… na Zona Oeste. Em ambas as regiões, mora a galera desde o pessoal das favelas, até uma galera classe média alta. E quem mora em São Paulo sabe, nem a Zona Leste, nem a Zona Oeste, no fundão mesmo são famosas por serem lugares seguros. Muito pelo contrário. Crimes violentos acontecem de montão por aqui. E virava e mexia a gente ficava sabendo de um crime violento que acontecia na vizinhança.

Então um dia eu fui para a escola de manhã cedo como eu sempre fazia e chegando na escola as coisas por lá estavam no maior alvoroço, tava um climão diferente… ruim… Mas nenhum de nós crianças sabia exatamente o que estava acontecendo. Eu sei que as professoras logo pegaram crianças de cada série separaram e fizeram a gente subir o mais rápido possível para as nossas salas de aula. Chegando na minha sala, que ficava no segundo andar do prédio a gente finalmente descobriu qual era o motivo do alvoroço.

O que acontecera foi que, tinha uma cabeça de uma pessoa toda ensanguentada jogada bem no meio da rua. A rua que ficava bem debaixo da janela da minha sala de aula. Molecada correu toda para janela. E subiu nas carteiras e ficaram vendo lá a cabeça, que então tava coberta com um jornal e os policiais isolaram a área e estavam lá trabalhando. O professor que estava com a gente até tentou, acalmar a galera, fazer a criançada sentar nas carteiras e começar a aula dele, mas não tinha como competir com a atenção da galera por aquele acontecimento tão terrível e inusitado.

E aí a molecada, moleque é um bicho terrível, começou a fazer piada… Ow Professor, a cabeça piscou para mim, outro que a cabeça tava mostrando a língua. Outro dizia, ah galera não percam a cabeça… e essas coisas. Aí não teve jeito. A diretora viu que não ia ter como a criançada se concentrar nas aulas àquela altura do campeonato, então ela ligou para os pais, para as peruas escolares e todo mundo foi dispensado. Eu que ia de busão sozinha para a escola, peguei minha mochila, peguei o ônibus e fui para casa.

Quando eu cheguei em casa minha vó achou que eu tinha cabulado aula hahahaha, tomei a maior bronca. Eu até expliquei para ela, mas ela não acreditou em mim. Eu até entendo ela porque a história era bem absurda mesmo. E só à noite, quando começaram os jornais da noite, naquela época tinha aquele jornal, o Aqui Agora, o famoso espreme sai sangue. Que a minha vó viu a reportagem e eu falei pra ela… olha lá, eu falei pra senhora!

E ela desesperada, ai minha nossa senhora e vc andando sozinha nesse bairro com um assassino à solta! Aí a gente ficou sabendo que fora um crime passional. Que o marido chegou bêbado em casa, matou a mulher com trocentas facadas, depois cortou o corpo em pedacinhos, colocou em diversos sacos de lixo e tava levando num carrinho de mão…, mas como ele estava bem bêbado a cabeça da mulher caiu no meio da rua (do lado da minha escola) e ele nem viu.

Polícia depois prendeu o cara, encontraram o resto do corpo… foi um crime que ficou semanas nos noticiários… e nos dois meses que se seguiram a minha vó fez meu avô me levar e ir me buscar na escola todos os dias hahahahaha. Não é um causo engraçado, mas eu tô rindo porque toda a vez que acontecia algum crime assim, perto de onde a gente morava, perto de onde eu estudava, minha vó fazia meu vô virar meu guarda-costas… foi assim até depois de adulta. Eu lembro que com 19 anos, indo para faculdade já, tinha vezes que meu vô aparecia na porta da faculdade para me buscar. E eu falava… que foi vô? E ele falava… não sei, sua vó mandou eu te buscar e a gente ria hahahaha, mas eu sabia que era algum crime cabeludo que acontecera na região.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Por que torcemos para o bandido? Empatia?

filosofando

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo ducentésimo dia (200.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Caraca galera, 200 dias em casa. Jamais eu imaginava que viveria algo parecido. A vida é mesmo uma caixinha de surpresa. Detalhe… se permanecermos assim até o final do ano vamos bater fácil os 250 dias.

Mas, nem era disso que eu queria falar no texto de hoje. Eu queria falar que depois que anunciaram o retorno da série Dexter eu resolvi assistir novamente as primeiras temporadas, para sentir aquela vibe do começo, até mesmo para no retorno da série, no que seria a nona temporada ter uma noção se os criadores vão conseguir recriar esse clima. Uma das coisas que mais me impressionou, na primeira vez que eu assisti à série é de como de repente a gente se pega torcendo pelo protagonista, simpatizando com ele mesmo ele sendo um monstro! Um serial killer nada menos.

Vc se pega tendo esses sentimentos por um psicopata, e em tese, vc sabe, racionalmente, a gente sabe que deveria sentir exatamente o oposto. Mas o que pouca gente sabe é que é um sentimento até bastante comum a gente simpatizar… mesmo com os vilões mais malvados, mais cruéis, que cometem as maiores atrocidades. Isso porque, somos pessoas normais e temos uma coisinha chamada Empatia. Coisa que, ironicamente um serial killer não tem…

Vc vê as notícias de crimes na TV e vc logo pensa, nossa esse monstro tinha que morrer, tinha que ficar preso para sempre, tinha que isso e que aquilo. E isso acontece porque simpatizamos com a vítima, nos colocamos no lugar dela, da família. Pensamos, nossa, e se fosse minha mãe, minha filha… sentimos a dor do outro e queremos fazer justiça. E eu nem, falo de justiça do ponto de vista jurídico, eu falo daquele conceito mais visceral de justiça, no conceito bíblico, do olho por olho, dente por dente, vingativo, de justiça.

Essa é uma das maiores sacadas de séries, filmes, etc. Onde o personagem principal é o anti-herói, o vilão… séries como, “Dexter” onde o serial killer que mata outros assassinos em série é o personagem principal, “Once Upon a Time” onde a história principal era focada na Rainha Má da Branca de Neve, “Coringa” onde o vilão do Batman era o protagonista. A receita era a mesma… a humanização desses personagens.

Geralmente essas produções mostram a saga de cada personagem, como eles se tornaram esses monstros cheios de maldade? Perguntas que especialistas, psiquiatras fazem até hoje… o ser humano nasce ruim ou ele se torna ruim? De acordo com diversas produções, a história de vida desses personagens o tornaram maus. E os produtores contam com a empatia do público para que suas produções se transformem em sucessos.

Claro, que existem outras coisas, existe aquela “doença” chamada Hibristofilia (também conhecida como “Síndrome de Bonnie e Clyde”… quando a pessoa se apaixona por um serial killer…, mas não é disso que eu tô falando neste texto. Eu até falei sobre isso noutro texto, se vcs quiserem vcs podem ler mais aqui. Então, o que eu queria dizer no texto de hoje é… certo grau de empatia, mesmo por pessoas más, é normal… empatia demais, além de ser ruim para a gente, pode até ser doença.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Convivendo com gente que mora na 5ª série

filosofando

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo nono dia (199.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Gente, na boa… cada dia que passa eu tenho mais certeza de uma coisa… eu tô é velha viu? E não só na idade, eu tô velha no humor também!

Sabem aquelas velhas rabugentas que não tem mais paciência com nada? Pois é… sou eu hahahahaha! Porque eu não tenho mais saco para um monte de coisa gente. E eu conheço um monte de gente, convivo com um monte de gente que parece que mora na 5.ª série, tamanha a imaturidade dessa galera. Pessoas que se apegam a cada bobagem. De uns tempos para cá eu tenho passado, cada vez menos tempo nas redes sociais. Eu comecei cortar meu tempo de WhatsApp, de Instagram, de Facebook… meus posts e minhas curtidas diminuíram para caramba. E foi uma coisa pensada, não foi por acaso.

Em 2019 eu tinha resolvido que, final de semana, eu ia deixar o celular 90% do tempo desligado. Eu chegava em casa do trabalho na sexta-feira e desligava o celular… Ano passado eu decidi fazer ainda mais, durante o horário de expediente eu deixava o celular ligado, via as mensagens, e-mail e tal e depois disso eu acessava meia hora de redes sociais e mensagens e desligava o celular. Ligar novamente só no dia seguinte.

A mesma coisa no computador, se eu ligava o computador era para fazer coisas que tinham que ser feitas, nada de abrir quinhentas janelas, com janelas de bobagem para me distrair. Foi bom para caramba para mim, meu trabalho rende mais, meus estudos rendem mais e eu me afastei de um monte de gente tóxica que me deixava irritada entre amigos, parentes…

Não dá para evoluir na vida, crescer, espiritualmente, mentalmente, profissionalmente se vc está cercada de gente que insiste em morar na quinta série. Gente que tem 40, 50, 60, 70 anos nas costas, mas age como se tivesse apenas 10. Gente que fica de mimimi, que faz drama por tudo, que perde tempo com bobagem. Conviver com essa galera é extremamente exaustivo… sério, eu fico exaurida quando tenho que conviver com certas pessoas. Parece que suga todas as minhas energias.

Felizmente, me afastando de algumas redes sociais por tabela eu tenho me afastado de várias dessas pessoas. Não dá para se afastar de todas né? Porque algumas delas são familiares hahahaha, não dá para expulsar eles nem se auto-expulsar da família, mas dá para aproveitar a pandemia e o isolamento social para tirar umas boas férias dessa galera. Eu recomendo sabe, ser ranzinza às vezes é bom!

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Diabetes #80 – Diabetes e Tratamento com células tronco

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo oitavo dia (198.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Segundo texto do dia, já que estamos falando de doença, falamos de hipertensão no primeiro texto de hoje, vamos falar de diabetes no segundo beleza?

Mas, como já falamos de coisas ruins bora falar de coisas boas. Quer dizer, mais ou menos… eu explico. Mas vamos por partes. Esses dias eu estava lendo uma matéria no G1 sobre estudos com células-tronco e como eles trazem esperanças para os diabéticos. Eu vou deixar o link aqui para vcs lerem e entenderem melhor.

Mas basicamente estudos com células troncos podem recuperar a função pancreática de produzir insulina, acabando com injeções, remédios, transplante… essa porra toda que todo diabético tem que viver. Aparentemente é mais um tratamento para os diabéticos, ainda não é uma cura… Basicamente eles pegariam as células-tronco e fariam elas se desenvolverem e se transformarem em algo semelhante às ilhotas que produzem insulina no pâncreas chamadas de Hilos e esses Hilos é que produziriam a insulina no organismo do diabético.

Apesar de já terem dez anos de estudos e pesquisas eles estão ainda no comecinho… podem demorar mais de cinco anos para esse novo tratamento começar a ser testado em humanos. Então, ainda temos um caminho longo pela frente. Talvez eles descubram que nem é alto tão efetivo, então por hora é apenas uma esperança.

Infelizmente aqui no Brasil por conta da lei de biossegurança (lei número 11.105/2005 caso vcs queiram saber) só são autorizados procedimentos de tratamentos com células-tronco embrionárias. Ou seja, eu posso criar um tratamento, mas utilizando células de embriões abandonados há mais de três anos. No caso deste tratamento que está sendo desenvolvido lá fora com os hilos, coisa e tal… seria necessário clonar as células da pessoa e partindo dessas células clonadas vc criar os hilos produtores de insulina. Isso no Brasil é proibido, vc não pode pegar uma célula sua, clonar e usar para utilizar num tratamento contra o diabetes porque clonagem é proibido.

Uma bosta né? Eu entendo o porquê da proibição da clonagem, mas sério gente, a proibição completa e absoluta é burra. Porque fecha portas importantes para pessoas que precisam. Eu já mencionei aqui noutro texto, mas o diabetes mata cerca de 200 mil pessoas todos os anos apenas no Brasil. Vamos supor que esse novo tratamento dê certo e se torne um novo método de tratamento que salva centena de milhares de vidas. Nós brasileiros não poderemos nos beneficiar porque a lei brasileira é burra?

Eu espero que esses experimentos aí com células-tronco acabem dando certo e que até lá os nossos legisladores usem a cabeça e mudem a legislação. Capaz de eu nem estar viva mais quando finalmente desenvolverem essas novas tecnologias, mas enfim… não custa aqui torcer não é mesmo?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Tecnologia: Monitor de Pressão Arterial Omron HEM-7130

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo sétimo dia (197.º para vcs não perderem a conta) e vigésima nona semana de distanciamento social. Aqui no meu esforço diário para tentar não deixar o blogue tão abandonado hahahaha, tô bem atrasada nas postagens, mas, prometo para vcs que vou dar meu máximo pro blogue não ficar sem textos nenhum dia.

Então, texto de hoje vai ser bem curtinho mesmo porque eu tenho um monte de coisas para fazer… tenho que estudar pelo menos quatro horas hoje ainda e eu nem terminei de estudar a matéria de ontem. Então bora lá… Primeiramente, bora com as más notícias!

Eu vou ter que marcar cardiologista para mim agora esse começo de ano porque em julho do ano passado eu tive que passar no endocrinologista e minha pressão tava zoada pra caramba. Sério, eu cheguei lá no consultório e tava 16 por sei lá quanto. E o pior é que eu tava de boa, não tava sentindo nada. E isso é um péssimo sinal.

Tinha me dado umas dores de cabeça estranhas que não passavam na semana anterior, que não passava por nada, mas eu achei que fosse a minha companheira enxaqueca que aparece de vez em quando. Não era, era a pressão que tava alta, bem alta, diga-se de passagem. Então eu comecei a tomar remédio para pressão e como eu não tinha aparelho de pressão em casa, eu tive que comprar um… E eu comprei esse que vou falar aqui para vcs hoje.

Algumas pessoas que eu conheço me indicaram essa marca, disseram que aqueles de pulso que a gente compra na farmácia não é tão preciso que esse é melhor então eu comprei o Omron HEM-7130. Preço dele é salgadinho, se compararmos com aqueles mais simples. Vc encontra ele no momento, entre 170 e 300 reais. E de acordo com o site da marca ele tem várias funções úteis. Eu não sei se são úteis mesmo ou não porque eu não sou médica e eu sou novata nesse negócio de pressão, mas vamos às minhas impressões do aparelho.

Primeira coisa que eu notei é que ele não é tão portátil, ele é bem grande hahahaha, legal é que ele funciona à pilha, mas também vc pode ligar na tomada. Ele tem uma braçadeira igual àqueles do hospital. No site diz que ele é clinicamente validado por associações internacionais que estudam essas coisas de pressão e tal, eu não manjo. Ele detecta batimentos cardíacos irregulares, isso é legal, é bom saber se o coração tá batendo direito, se não tá falhando não é mesmo?

Ele tem detector de movimento corporal, então se vc ficar fazendo polichinelos enquanto mede a pressão ele meio que avisa e manda vc sentar e ficar quieto! Ele armazena até 60 memórias de medições que vc faça da sua pressão arterial e ele também faz uma média das últimas três medições que vc fez se eu não me engano.

O mostrador dele é bem grandão, então se vc estiver ficando velho e cego como eu, não tem problemas! Vai enxergar de boas… todo o material do equipamento é de boa qualidade isso eu tenho que confessar. E eu testei bastante ele viu… medi a minha pressão umas três vezes por dia durante o primeiro mês, dos meus irmãos, do meu pai… só não medi a pressão do cachorro porque eu não tenho cachorro. Ele tem 5 anos de garantia! O que é muito bom né? Para a empresa dar tanto tempo de garantia é porque eles confiam no produto deles não é mesmo?

Eu tô tomando remédio para a pressão ainda, até minha consulta com o cardiologista e até alguns exames decidirem se eu tô mesmo hipertensa ou se foi alguma anomalia daquela semana, eu confesso que aquela semana eu passei bastante nervoso. Vamos ver, por enquanto minha pressão tá bonitinha, tá até bem baixa… seguimos aqui com dieta, remedinho e a bonita tá entre 10/7 e 12/8 todos os dias.

E o aparelho tá bem bacana se vc tá precisando de um aparelho de medir a pressão um pouco mais preciso que aqueles de farmácia, de pulso eu recomendo esse… por enquanto eu recomendo. Por enquanto o meu não me deu nenhum problema nesses seis meses de uso.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Documentário: AKA Jane Roe

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo sexto dia (196.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Terceiro e último filme desta sexta-feira, é um documentário… que eu não encontrei nem na Netflix e nem no Amazon Prime Video, eu encontrei ele navegando pela internet.

Ele é uma produção do canal FX e ele foi transmitido via streaming pelo Hulu, que infelizmente ainda não chegou (e talvez nunca chegue) no Brasil. Eu basicamente tropecei nele… não era uma história que eu conhecia, e eu fiquei bem contente de conhecer porque ele aborda uma temática que muito me interessa… ele aborda o tema da legalização do aborto nos EUA e a luta entre as organizações pró-vida versus as organizações pró-abordo nas terras do tio Sam.

E este filme fala em especial da vida de uma mulher conhecida como Jane Roe, mas que, na verdade, de chamava Norma McCorvey. Norma foi a primeira mulher nos Estados Unidos a entrar com uma ação pedindo para ter autorização do governo para fazer um aborto legal, por motivos de estupro. Isso fez com que a Suprema Corte Norte Americana legalizasse o aborto, dizendo que todas as mulheres tinham direito ao seu corpo, portanto poderiam legalmente fazer abortos.

Foi então que as clínicas legalizadas de aborto foram criadas e começou uma guerra entre organizações religiosas que encaravam esses abortos como algo contra Deus e assassinatos de crianças e as organizações pró-aborto que defendiam o direito civil das mulheres estupradas, de mulheres em situações de risco de realizarem abortos. Nessa época a identidade de Norma que na época do processo havia sido protegida foi revelada e ela começou a fazer palestras dizendo que as mulheres tinham direito aos seus corpos.

E ela permaneceu assim por alguns anos, inclusive trabalhando numa clínica de aborto. Entretanto, alguns anos depois um pastor/padre convence Norma a “mudar de lado”, ela “se converte” e começa a advogar contra o aborto. O filme mostra toda essa trajetória. Mostra a vida toda de Norma e mostra também no final das contas todos os “interesses” políticos, ideológicos, religiosos e filosóficos que acabaram permeando a vida dessa mulher.

Este documentário basicamente é o testamento dela, no final da vida já. Norma explica porque fez todas as coisas que fez e confessa coisas que antes ela nunca confessara. Eu recomendo pra caramba. Como eu sempre digo, uma história sempre tem mais de um lado… é bacana a gente ouvir todos os lados dela antes de decidirmos alguma coisa. Assistam ao filme galera, é bem bacana.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filme: Data Limite

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo quinto dia (195.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Segundo filme do dia… também que eu assisti no Amazon Prime Vídeo, é um filme que um amigo meu que é kardecista me indicou.

Porque estávamos conversando um dia sobre outras vidas, outras dimensões e a possibilidade da existência de alienígenas hahahahaha (não somos loucos eu juro) e ele me disse que o kardecismo falava disso, e que eu devia ver este filme. E, eu acho que já comentei aqui no blogue, mas caso eu não tenha comentado, eu digo… eu acho a filosofia base de algumas religiões bem bacanas, bem poéticas. A do espiritismo do Alan Kardek é uma delas.

Apesar de não acreditar em muita coisa que é pregada nessa doutrina, eu acho bem interessante, e eu gosto de conversar com meus amigos que pensam diferente, que acreditam em coisas diferentes, eu acho que só assim, trocando experiências que a gente cresce como ser humano. E ele me recomendou o filme e eu fui assistir.

Eu não manjo o suficiente do assunto para explicar detalhadamente aqui para vcs do que se trata, mas basicamente, pelo que eu entendi do filme, a data limite foi um prazo que seres espirituais mais evoluídos (nas palavras dos espíritas) deram para a humanidade melhorar, deixarmos de ser tão destrutivos e violentos. Caso os requisitos necessários fossem atingidos dentro desse prazo, a humanidade iria evoluir numa velocidade nunca vista antes. O que traria bem e paz para todos.

Esse prazo começou a correr no momento em que o ser humano pisou na lua na década de 60 e terminou no dia 20 de julho de 2019. O requisito principal era que não houvesse nenhuma guerra nuclear. E… não aconteceu! Então parece que nós humanos cumprimos os requisitos e o prazo e daqui para frente nosso planeta vai desenvolver tecnologicamente e a humanidade tem grandes chances de viver uma nova era de paz.

Eu não sei se eu acredito muito nisso hahahahaha, não tô desdenhando nem nada, mas só de olhar ao redor e ver as coisas que tem acontecido, parece que estamos cada vez piores, menos humanos com os nossos semelhantes. Mas eu torço para que seja verdade. Que as coisas melhorem… De acordo com eles, quando alcançarmos um certo nível de desenvolvimento e de evolução poderemos até mesmo estabelecer contato com seres alienígenas.

Será que a gente vai descobrir finalmente se os ETs são reais mesmo? Bom, de qualquer forma eu não acredito que vou estar aqui para ver… estejam eles certos ou errados. Então, se vcs, como eu, quiserem saber um pouco mais sobre isso… sobre essa data limite eu deixo aqui esta dica de filme para vcs.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filme – Oliver Twist

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo quarto dia (194.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Mais uma sexta-feira para nós e vamos, como sempre para a nossa dica de filmes para o final de semana de vcs beleza?

Primeiro filme desta sexta é “Oliver Twist”, que eu assisti na Amazon Prime Video. Eu já conhecia a história, ela é baseada no livro homônimo de Charles Dickens que foi escrito, pasmem, em 1838 (velho pra caramba né?). É um filme até que não tão antigo, o ano de lançamento dele é 2005, ele não é também a primeira adaptação do livro para o cinema, eu me lembro de uma versão do final dos anos 60 que passava direto no SBT e que era um musical.

Acho que foi o primeiro contato que eu tive com a história, via esse musical dos anos 60. Depois eu fui ler o livro e agora eu fui assistir à versão de 2005. Dirigida pelo famoso diretor Roman Polanski. Esta versão do filme tenta se manter mais fiel ao livro que a adaptação de 1968 (que continua sendo minha favorita). Então algumas cenas diferem (essa versão não é um musical), mas o cerne do filme, a história central é a mesma.

Oliver é um garotinho órfão que tem uma vida extremamente sofrida no orfanato após a morte da mãe que era tudo o que ele tinha. E quase todas as pessoas com as quais ele cruza na vida dele acabam de alguma forma tentando se aproveitar do garoto. Que apesar das dificuldades, consegue se manter puro e doce em meio a um mundo bem ruim. A impressão que a gente tem assistindo ao filme é que só tem gente ruim no mundo… até que depois de muito penar… Oliver tromba com um senhor rico que se apieda dele, e vc pensa… caraca… esse monte de gente nesse filme e só esse velhinho é gente boa.

Mas como sempre, nada é fácil na vida do garoto, e as demais pessoas que queriam se aproveitar dele não vão deixá-lo viver em paz com uma família boa e decente… Mas eu não vou contar mais nada porque não quero dar spoiler para quem ainda não viu. Esta versão do filme está disponível no Amazon, quem for assinante pode ir lá ver.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Séries: E Dexter vai voltar hein?

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo terceiro dia (193.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Continuamos falando de série nesta quinta-feira de janeiro. Segundo texto de hoje, porém o texto vai ser curtinho…

Adivinhem só… parece que os criadores da série do serial killer mais amado de todos os tempos resolveram que o final que deram para a série na oitava temporada em 2013 não ficou legal (o que eu concordo). Então eles conversaram com o ator que interpreta o personagem Michael C. Hall e ele topou encarnar o personagem mais uma vez.

Então senhoras e senhores, a série vai ganhar mais uma temporada, talvez em outubro agora de 2021. Serão mais oito episódios para dar um final decente para a história desse personagem. Eu devo confessar que fiquei esperançosa com essa retomada porque eu não gostei de como eles encerraram a série no final da oitava temporada, eu acho que foi um final bem preguiçoso e que em alguns sentidos não fez muito sentido para a galera que acompanhou a série desde sua estreia como eu.

Por outro lado, eu fico com o pé atrás, porque como diz o velho ditado, pode ser que o remendo fique pior que o rasgo (como dizia a minha vó). Eles podem sim, consertar e dar um final épico para o personagem, mas eles podem piorar ainda mais. Bom, raramente séries que são retomadas depois de muitos anos em hiato conseguem superar o sucesso que fizeram originalmente. Vamos esperar, assistir claro e avaliar. Será que é, uma boa ideia? Será que eles vão fazer um bom trabalho?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Séries: Eu sou um Assassino em Liberdade.

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo segundo dia (192.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Hoje é dia de falarmos de séries. Eu ando bem atrasada nas séries e filmes… Mas, para não ficar tão atrasada eu resolvi que vou assistir pelo menos alguma coisa por dia (um filme ou uns episódios de uma série) para colocar as coisas em dia aqui no blogue.

E semanas atrás eu assisti essa série/documentário da Netflix que se chama “Sou um Assassino: Em Liberdade”. Que acompanha a vida do assassino confesso e condenado Dale Wayne Sigler que em 1990 num assalto e matou um funcionário da loja chamado John William Zeltner. Ele foi preso, ele confessou o roubo e o assassinato, ele foi preso e condenado à morte por injeção letal em 1991, porque à época a pena de morte estava vigente no estado do Texas onde o crime aconteceu.

Entretanto, em 1993 o Texas alterou as suas leis, e os advogados de Sigler conseguiram alterar a sua pena para prisão perpétua. A lei texana prevê que todo o preso que esteja em prisão perpétua e que cumprir um mínimo de 30 anos da sua pena tem direito a entrar com o pedido de liberdade condicional. Os advogados de Sigler entraram com este pedido, ele foi avaliado e então foi concedida a ele o benefício de prisão domiciliar a princípio e depois o de liberdade condicional vigiada, onde ele tem que se apresentar ao oficial da condicional, tem que ter um endereço fixo, tem que trabalhar e pode levar uma vida relativamente normal fora da cadeia desde que ande nos parâmetros estabelecidos pelas autoridades policiais.

A série de 8 episódios de mais ou menos uma hora cada fala do crime, tenta entender os motivos de Sigler para assassinar Zeltner. E então passa a mostrar todo o processo de “recuperação” do condenado. Como Sigler era conhecido por pequenos furtos, era usuário de drogas e tivera uma vida bem conturbada… ele foi abusado na infância, a família dele era uma bagunça, uma grande parcela da sociedade local acreditou que foi um crime de ocasião.

Contudo, uma outra parcela da população local sabia que Zeltner era abertamente gay e acreditava que o crime tinha características de crime de ódio devido à homofobia de Sigler, que nunca escondeu não gostar de gays. Durante muitos anos, enquanto Sigler esteve preso essas duas teorias foram discutidas. Bom, vcs precisam assistir à série para entender todo o conceito, tudo o que aconteceu no crime e tirar suas próprias conclusões.

As perguntas que essa série levantam são… quanto tempo na cadeia é suficiente para uma pessoa pagar pelo seu crime? Sigler realmente se recuperou? Um assassino merece uma segunda chance? Bom… eu tirei as minhas, mas vou guardar para mim por hora porque não quero influenciar vcs! Recomendo a série, é muito esclarecedora, ainda mais quando se trata em tentar entender um pouco mais do sistema judiciário e penitenciário norte-americano.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

COVID não Impede outras doenças.

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo primeiro dia (191.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Eu cometi a rematada doidice de ligar a TV hoje, para ver os jornais, ver as notícias e agora que aparentemente as infecções pelo coronga estão crescendo novamente, número de internações subindo.

Lembrando que eu estou escrevendo este texto em novembro, um pouco antes do segundo turno das eleições municipais. Começamos a escutar rumores de um novo lockdown, de uma segunda onda de infecção. E hoje eu vi notícias de que o governo do Estado de São Paulo, suspendeu novamente as cirurgias eletivas na rede do SUS no estado. Que são aquelas cirurgias que não são de emergência.

Em março, no auge da primeira onda de infecções, o governo fechou essas cirurgias, em maio eles reabriram… a fila tá enorme, eu mesma tenho um primo que tá esperando pra fazer uma cirurgia no joelho, tá atrapalhando a mobilidade dele… Entretanto, esse surto de coronga não impede as pessoas de ficarem doentes, não impede as demais doenças. E algumas cirurgias que agora são de caráter eletivo, se não forem resolvidas com brevidade podem se agravar e acabar virando uma emergência.

Uma cirurgia de hérnia, por exemplo, se vc for postergando, ela pode se agravar, colocar a pessoa em risco. Uma pessoa pode morrer com uma hérnia estrangulada. Por um lado eu entendo a necessidade emergencial de se diminuir o número de cirurgias, para que as pessoas não fiquem em ambiente hospitalar, não se infectar com a galera que está com o coronga, mas me preocupa a possibilidade de gerar uma fila gigante e uma nova crise no sistema de saúde.

E o que é que nós, que não somos políticos, não estamos nos lugares de poder temos condições de fazer para mudar isso? Nós nos esforçamos, trabalhamos duro, tentamos votar direito. Ontem mesmo eu fiquei até tarde acordada, assistindo ao debate para prefeito de São Paulo, tentando me decidir em quem eu vou votar. Eu votei nulo em várias das últimas eleições, porque eu não achei que nenhum dos candidatos ali me gerava confiança o bastante para dar para eles o meu voto, que praticamente é uma carta em branco pros caras administrarem o meu país, o meu estado, a minha cidade…, mas eu sei que votar nulo não muda a realidade, não muda as coisas que estão erradas e que eu sei que precisam serem mudadas!

Então galera, escrevendo este texto em novembro, que vcs vão ler apenas em janeiro… Eu espero que quando ele tiver sido publicado nada disso se concretize, nem fechamento dos hospitais, nem lockdown, nem segunda onda de infecções. Eu fico aqui na torcida.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

A felicidade das Pequenas coisas…

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo nonagésimo dia (190.º para vcs não perderem a conta) e vigésima oitava semana de distanciamento social. Tive notícias ruins hoje… todos os dias temos um 7×1 diferente né? Mas a vida é assim meus queridos.

Vcs já pararam para pensar como uma coisinha pequena consegue muitas vezes estragar nosso dia? E que na maioria das vezes a gente precisa de um acontecimento bem grande para que nós fiquemos felizes? A gente não aprende na vida a ser feliz com coisas simples. A gente ouve, sempre, ah a gente tem que ser grato, acordar todos os dias e ter comida na mesa, emprego, e não termos ninguém doente na família…

Mas uma coisa é a gente ouvir essas coisas, outra coisa é a gente colocar em prática isso na nossa vida no dia a dia. Ainda mais quando a gente não tá legal sabe? Vc acorda mal, ou vc teve aquele dia bem ruim e na hora de dormir vc pensa, caraca que dia péssimo! Quando a gente tá mal é difícil, se vc não tiver boa vontade e disciplina, focar não no que tá ruim e sim no que tá bom na nossa vida!

Mas já aconteceram, diversas vezes na minha vida, momentos em que eu tava mal por qualquer motivo e então aconteceu uma coisinha pequena, uma coisinha boa e meu dia melhorou. Exemplo, eu tive um dia extremamente ruim uma vez, no trabalho dando tudo errado, eu casada, doente, triste porque eu perdera minha mãe fazia pouco tempo. Chego eu em casa morrendo de fome, mas cansada e penso… caraca eu vou ter que fazer comida ainda pra jantar… sabe quando vc não sabe se vai dormir ou se faz mais um esforço pra comer direito?

Acontece que, meu irmão, que estava em casa já fizera o jantar. Aí ele vira para mim e diz. Ah, eu imaginei que vc fosse chegar cansada e com fome então eu já deixei aqui prontinho as coisas para vc comer. Foi uma coisinha pequena sabe? Não o fato dele cozinhar, mas dele ter se importado, ter lembrado, meu dia imediatamente melhorou. Eu tomei um banho, jantei e fui dormir mais leve, mais feliz.

O nosso grande problema, que eu vejo, é que a gente foca no que é ruim. Nas coisas ruins que acontecem com a gente durante o dia. Você pode receber dez elogios durante o dia, e uma crítica, ou ofensa. Vc vai focar naquela ofensa. O ser humano é assim. Então bora focar nas coisas boas gente, quem sabe nossa vida, um dia de cada vez, vai ficando melhor, mais leve, mais feliz.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Games: Quase que eu perco todo meu Save do Jogo!

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo nono dia (189.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social. Como vcs sabem eu curto jogar uns videogames bem bobos, de vez em quando… para me divertir, eu não sou gamer, não tenho nem habilidade e nem grana para bancar ser gamer.

E tem alguns jogos de PC que eu curto e um deles é o “Stardew Valley” o famoso jogo da fazendinha. Atualmente como eu tenho andado muito atarefada estudando para concursos, eu só jogo nos finais de semana. E um dia desses eu joguei umas horas. Fiz um progresso gigante no jogo, e quando eu finalmente cansei de jogar, pensei, deixa eu salvar aqui meu progresso e final de semana que vem eu jogo mais.

E mano, eu amo a tecnologia, quando ela funciona. Mas quando a tecnologia resolve pifar e deixar vc na mão. É um puta pé no saco. E eu não sei o que aconteceu no game, ou no PC na hora de salvar que gerou o “save”, mas gerou um arquivo meio estranho, tipo um arquivo de recuperação, com um nome todo estranho. E eu fiquei uns 40 minutos tentando resolver a pendenga e no final das contas eu consegui recuperar meu salve.

Mas assim, eu quase perdi todo o save. A resolução foi simples, eu peguei o arquivo de recuperação que o jogo mesmo gerou, renomeei ele e consegui abrir ele no jogo, joguei mais um pouquinho e salvei novamente. Depois disso não tive mais problemas. O grande problema em perder aquele “save” era que eu tinha (tenho ainda) tinha mais de 200 horas de jogo.

Felizmente eu consegui recuperar os dados, o “save” do game. O que eu faço agora, para não ter mais esse problema? Toda a vez que eu jogo agora, eu faço na nuvem um ‘backup’ do save hahahahaha. Então se eu perder alguma coisa eu, perco apenas algumas horas e não todo o meu progresso. Eu sou da época que os videogames não tinham esse negócio de salvar nada… toda a vez que vc iniciava um dia de jogo vc sabia que quando terminasse, ou se perdesse vc teria que começar tudo do zero. Uma coisa era boa, isso ensinava à gente a ter perseverança hahahahaha. Em passar uma fase ou fazer mais pontos.

Depois as ‘fitas’ de videogame evoluíram e elas salvavam o seu progresso, mas eu lembro que não era muito seguro, porque algumas fitas davam defeito e não salvavam nada. Depois, na época do PS1 eu lembro que meus irmãos salvavam o progresso nos memory cards. Hoje em dia não é assim, fica tudo salvo nos provedores online ou no HD, ou SSD do videogame, no HD ou SSD do PC.

Ainda bem que eu consegui recuperar o arquivo, eu já vi meu irmão ter diversos surtos quando cai a energia e o videogame desliga e corrompe o arquivo que ele tava jogando. É foda vc ser fã dessas coisinhas tecnológicas. Xadrez era só não mexer nas peças até o dia seguinte hahahahahaha.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Desenhos Antigos: A Feiticeira Faceira

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo oitavo dia (188.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social.

Hoje é aquele dia da semana que falamos de desenho animado, costumava, até bem pouco tempo ser o dia favorito da semana de vcs, internautas que visitam este blogue, mas de um tempo para cá as estatísticas me dizem que não é mais hahahahaha. Mas enfim, como é um dos meus assuntos favoritos, continuamos. E o escolhido da vez é “A Feiticeira Faceira” (ou “Winsome Witch” no original em inglês).

É uma animação dos Estúdios Hanna & Barbera, de 1965 (maioria dos desenhos que eu assistia foram todos criados nos anos 60… curiosidade!). Essa série animada tem duas temporadas e 26 episódios. E ela conta a história e as aventuras de uma bruxinha simpática, amistosa bem intencionada e um tanto quanto atrapalhada que viaja na sua vassoura voadora vivendo muitas aventuras, chamada Feiticeira Faceira.

Se eu não me engano ela era parte de um pacote que tinham outros desenhos que eu já resenhei aqui que era “A Formiga Atômica” e o “Esquilo sem Grilo”. Os três desenhos eram bem legais, bem divertidos. Como a maioria das animações da Hanna & Barbera vc dificilmente encontra a série toda disponível na internet. Mas eu acredito que alguns episódios da bruxinha A Feiticeira Faceira, os mais famosos, vc encontra em alguns sites de streaming, como o YouTube. Digam aí, vcs se lembram desse desenho animado? Deixem aí nos comentários.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Vacina Covid: Vacinação – Grupos de Risco Primeiro

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo oitavo dia (188.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social. Desde o final do ano passado estamos ouvindo falar de vacinas e tal… aqui em São Paulo, o Governador já vinha falando e continua dizendo que os primeiros a tomarem a vacina, assim que ela ficar pronta, vão ser os profissionais da saúde, os policiais…

E logo depois dessa galera, serão os grupos de risco. Claro… são apenas conjecturas no final das contas, a gente nem sabe quando é que essas vacinas vão ficar prontas. Previsões otimistas miram agora o primeiro semestre, previsões nem tão otimistas falam de vacinas definitivas apenas pro final de 2021. A verdade é que ainda estamos como Sócrates, só sabemos que não sabemos de nada.

Mas… dentro de toda essa discussão, o que me preocupa por fazer parte do grupo de riscos (por conta do meu diabetes – falam que cerca de um terço dos mortos no Brasil eram portadores de diabetes) é dessa galera que tá governando nossas cidades, estados e nosso país colocar os carros na frente dos bois e começar a usar os profissionais da saúde, bem como os policiais e o pessoal do grupo de risco como cobaia para testar a eficácia dessas vacinas.

Agora no começo do ano, me lembro bastante do começo da crise, quando eu fiquei com bastante medo de contrair o vírus, de morrer… Agora, surpreendentemente, me encontro com medo da vacina velho. Dela me dar alguma reação, imagina… passar toda a quarentena sem pegar o maldito coronga, daí eu tomo a vacina (que nada mais é que o vírus desativado) e tenho uma reação estranha qualquer. É possível, vamos e convenhamos.

Por outro lado, dois acontecimentos na minha vida me fazem querer tomar a vacina, qualquer que seja a vacina que vai ser primeiramente disponibilizada aqui para a gente no Brasil. Eu sei que tem uma galera aí contra as vacinas (eu sinceramente não entendo essas pessoas, mas, enfim…). Primeiro, porque a minha mãe era uma sobrevivente da Poliomielite que devastou o país e matou muitas crianças em décadas passadas. E ela quase morreu por causa dessa doença, diversas crianças morreram na rua dela, no bairro dela. Segundo, porque eu tenho diabetes, se não fosse a existência de injeções de insulina, eu certamente já estaria morta. E a Insulina é uma descoberta recente… 1920 e pouco se não me engano. Eu adoraria que existisse uma vacina, uma cura para o diabetes.

Então assim, mesmo com medo de quais reações eu possa vir a ter, assim que possível eu vou sim tomar a vacina, seja a inglesa, seja a russa, seja a chinesa, não me importo. E acredito que todas as pessoas, que tiveram suas famílias devastadas por alguma perda para o coronga, pensam da mesma forma. Apesar do medo, não vejo a hora da existência de uma vacina eficaz se tornar uma realidade.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Causos: O vô e o cacho de Uva

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo sétimo dia (187.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social. Hoje é dia de causos. Esses dias eu fui à feira comprar umas frutas e eu me lembrei de uma história do meu bisavô.

Eu não vivenciei esta história, me contaram ela… eu não me lembro se foi a minha mãe quem me contou ou se foi a minha avó, mas por ser a história de uma parte da minha família também é um pouco a minha história. A história de hoje não é feliz nem engraçada, é até um pouco triste, mas nos ensina algo e eu achei interessante deixar gravada aqui no blogue.

Quando meu bisavô (português que veio pro Brasil para ganhar dinheiro) ficou sabendo que o filho dele, meu avô por parte de mãe, tinha se casado com uma descendente de índios (ou ‘negra da terra’ como ele chamava – de forma bem racista diga-se de passagem) ele deserdou meu avô. Mas com o passar do tempo, o coração de pedra do biso foi amolecendo. Quando a minha mãe nasceu (minha mãe era a segunda filha do meu avô) ele superou a cabeça dura dele, principalmente porque apesar dele ser ranzinza, minha mãe adorava ele e seguia ele para lá e para cá… E ele apesar de durão… adorava ela de volta. Criança tem esse poder gente…

O biso tinha um sítio que ele plantava lá as coisas dele, e uma dessas coisas eram aquelas uvas tipo exportação. Então o que ele fazia, ele separava os cachos mais bonitos, mais graúdos, para vender, porque eles valiam mais e os mais mirrados ele separava e dividia entre os filhos. Como a minha mãe era o grude dele, teve uma hora que ele estava separando as uvas e ela pediu uva para ele.

Sem olhar o que ela tava fazendo ele disse para ela ir pegar na caixa, mas tomar cuidado… Ela foi e pegou um cacho gigante (quase maior que ela, mas que ela aguentava levantar) das uvas que ele tava separando para vender, em vez dela pegar da outra caixa. Quando ele viu ele soltou um grito… “Menina, deixa estas uvas aí.” Ela tomou um susto, deixou o cacho de uvas cair e começou a chorar. Ele ficou com remorso porque assustou ela e tal, mas nada fazia ela parar de chorar.

Daí tiveram que ir buscar a minha vó, na lavoura para acalmar ela. Minha mãe pequena, parou de chorar, mas, caiu numa febre… ficou doente. O meu bisavô que já tava com remorso, ficou ainda pior… E não havia nada que ninguém fizesse que melhorasse a febre da minha mãe. Meu bisavô foi então lá nas uvas que ele ainda ia levar pra vender, e trouxe uma caixa inteira pra casa dos meus avós, e falava pra minha mãe… Pode comer, o vovô trouxe para vc. E ela só dizia, eu não quero não vovô.

Minha bisavó então falou para o marido ir à cidade na manhã seguinte e trazer uma benzedeira, porque ele com o grito dele tinha “assustado a bixa da criança” (diagnóstico de vó a gente não entende, mas a gente aceita né?). Meu bisavô foi correndo logo cedinho e trouxe a benzedeira. Hoje em dia não se acredita muito nisso, mas dizia a minha vó que depois que a benzedeira veio e rezou a minha mãe ficou boa.

A curiosidade sobre esse fato foi que meu bisavô mudou depois disso. Minha bisavó dizia que ele nunca esqueceu, e nunca se perdoou. Minha mãe continuou apegada a ele, e ele passou a mimar ela mais ainda depois do acontecido. Ele pedia muito perdão a Deus e no ano seguinte, quando uma crise de poliomielite matou 40 das 43 crianças do bairro, apenas minha mãe, um primo dela e minha tia irmã mais velha da minha mãe sobreviveram, ele ficou extremamente aliviado.

Minha mãe e o primo dela tiveram a doença, mas sobreviveram, ficaram com sequelas, cresceram com deficiências que dificultaram para caramba as vidas deles. Minha tia tomou a vacina (a SALQ na época, ainda não existia a vacina que tomamos hoje a SABIN) e nem chegou a pegar a doença. Minha mãe também ficou marcada pelo episódio, até os últimos dias da vida dela, ela tinha problemas com uvas, ela não comia a fruta, dizia que não gostava. De vez em quando ela insistia em comer e passava muito mal.

O que eu aprendi com esse episódio é que, a gente querendo ou não, vão acontecer coisas na nossa vida que vão nos marcar e vão ficar com a gente o resto das nossas vidas. Nem tudo que acontece com a gente é porque escolhemos errado, às vezes são apenas coisas da vida… e a gente tem que aprender a lidar, aprender a conviver com elas.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

O perigo das Fake News e da Cultura do Cancelamento

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo sexto dia (186.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social. Eu lembro de já ter falado aqui no blogue sobre a cultura do cancelamento.

Eu colocaria o link aqui para vcs, mas não encontrei no blogue… atualmente são mais de quatro mil e duzentos textos publicados, às vezes fica complicado de encontrar as coisas no meio de tanta coisa que eu já escrevi aqui (acabei encontrando depois… cliquem aqui para ler o texto). Mas, eu acho que vale a pena falarmos sobre o tema novamente. Vamos lá… esses dias eu estava lendo um texto que explicava como, por conta da internet, dos aplicativos de mensagem e das redes sociais, em geral. Não estamos mais na era da informação e sim na era da influência.

Tanto que uma das profissões que mais está em alto é a de “Influencer”. E empresas grandes pagam para esses ‘influencers’ venderem seus produtos, formarem a sua opinião em todas as áreas possíveis e imagináveis. É uma chuva de informação e de influência para cima de vc todos os minutos que vc acessa alguma coisa na internet. E vamos confessar, não tem como viver, no mundo moderno, sem a internet. Quer dizer até dá hahahaha se vc se mudar pro meio do nada e virar um eremita doido. E num mundo onde formar (moldar, modelar) a opinião do público, te dá dinheiro e poder. Fake News e Cancelamento são extremamente perigosos.

Quando a gente começa a faculdade de Direito, logo no primeiro ano a gente aprende a diferença entre “verdade real” e “verdade processual”. A verdade real é aquela que realmente aconteceu enquanto a verdade processual é aquela que a gente pode provar num processo judicial através de testemunhas, documentos, provas. Então a gente tem a verdade e a mentira. Mas às vezes não conseguimos provar a verdade e acaba que a mentira ganha mais visibilidade e a verdade é esquecida.

E as notícias são um pouco assim também, povo gosta é de desgraça, de notícia ruim, de baderna. Por isso que coisas escandalosas, mentiras infamantes na maioria das vezes ganham os holofotes enquanto a verdade fica escondida nas sombras. Desde as eleições de 2014 a gente tem visto muito isso, como as coisas funcionam, como notícias falsas são criadas e então espalhadas…

E até mesmo órgãos de imprensa que nós, no passado considerávamos confiáveis, já patentemente enfiaram os pés pelas mãos e divulgaram notícias falsas como se fossem verdadeiras. Se na intenção de manipular o público e alguma situação específica, não sei. A gente vê pelas pesquisas do Ibope e do Data Folha, na penúltima eleição para Prefeito em São Paulo, em 2016 o João Dória que figurava com uma porcentagem pífia, ganhou a eleição no primeiro turno.

Para mim isso serviu para provar que não podemos confiar de olhos fechados em nenhum órgão de imprensa. Sempre é preciso checar se aquilo é real. A verdade é que todo mundo tem uma agenda, um interesse oculto. E se a pessoa que comanda um jornal, ou uma emissora de TV que tem nas mãos um poder tão grande de convencimento, puder manipular esse poder para atender as necessidades do “dono” do negócio, por que não? Isso só não acontece se as pessoas forem muito íntegras… e nós sabemos que integridade é uma qualidade rara no ser humano, infelizmente.

Então assim galera, cuidado com as Fake News, bora pesquisar as coisas direitinho antes de compartilhar nas nossas redes sociais porque tá foda, tá perigoso e a gente não quer ser responsável por espalhar mais mentiras por aí no mundo e de repente acabar causando mais desgraças do que as que já temos não é mesmo?

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

O Brasil é a 5.ª série do mundo!

filosofando

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo quinto dia (185.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social. Eu tenho evitado assistir aos noticiários para não me estressar, eu estou bem feliz que minha dermatite me deu uma folga, meu diabetes também, então eu não preciso do estresse.

Mas, de vez em quando acabo vendo, ouvindo alguma coisa que falam aqui, publicam ali e olha, deixa eu dizer uma coisa para vcs… definitivamente o Brasil é a quinta-série do mundo! É só zoeira! A gente ouve as notícias e a gente pensa mano, é sério que isso aconteceu? Para quem não é de São Paulo e está lendo este texto talvez vcs não entendam a referência.

Por aqui, quando a gente diz que uma coisa é quinta-série é porque a pessoa não tem maturidade nenhuma, e vive pela zoeira. Algo que enfim, não dá para ser levado à sério. E se vc leva à sério uma atitude de quinta-série é porque vc também é da quinta-série, assim sendo suas opiniões e posturas também não devem ser levadas à sério.

Como estudante de Direito (tô estudando para passar no Exame de Ordem então ainda sou estudante hahahaha) eu tenho visto cada coisa absurda acontecendo. E não é de hoje não… faz tempo, uns tempos atrás, tivemos o absurdo da criança grávida e abusada que o pessoal pró-vida não queriam deixar fazer um aborto, depois tivemos o caso da moça que acusou um cara rico de estupro e foi tratada que nem lixo pelo advogado de defesa, pelo juiz… Agora, na semana que eu estou escrevendo este texto teve o caso do advogado que pediu para o juiz adiar uma audiência porque o cara tava internado, no oxigênio, com suspeita de COVID e o juiz negou.

Eu nem vou citar as papagaiadas dos políticos fazem a falam na TV. As eleições municipais foram um show de horror. Eu não quero nem ver as eleições presidenciais daqui a dois anos. O Presidente cada vez que abre a boca fala um absurdo maior que o outro. Tivemos a Dilma com seus estoques de vento, e agora temos o Bolsonaro tiozão sem noção do churrasco da família.

Se o mundo fosse um busão, e o universo uma cidade onde aquele busão faz seu trajeto, na boa, minha vontade era puxar a cordinha e descer num ponto qualquer e nunca mais pegar aquele busão. Infelizmente não funciona assim. Quem não mora mais na quinta-série, eu descobri, não tem paciência com as pessoas que ainda vivem neste estado mental.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Diabetes #79 – O Diabetes e a Família

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo quarto dia (184.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sétima semana de distanciamento social. Bora falar sobre diabetes?

Final do ano passado meus amigos, todo o mês de novembro e dezembro eu assisti a uma série de palestras sobre diabetes no site da ANAD, todos os sábados, uma hora e meia cada palestra e aprendi coisa para caramba. E um dos vários temas que foram abordados nessas palestras ministradas por diversos especialistas foi o tema “O diabético e a família”.

E é um tema que eu não abordei nenhuma vez aqui no meu blogue, pelo menos não que eu me lembre crianças, que é o diabético e a família do diabético. Como é que a família ajudar o diabético no controle da doença. No controle dos níveis de açúcar no sangue.

Como é que as famílias dos portadores de diabetes podem ajudar no auxílio do tratamento? De diversas formas e eu vou citar alguns exemplos. Em geral, todo mundo fica meio perdido quando dá de cara com um diagnóstico de diabetes. É uma doença sem cura que vai mudar tudo na sua vida, então as pessoas têm dificuldades de saber como lidar com essa informação.

Primeira forma de vc como diabético se auxiliar é procurar se informar sobre a doença, o máximo que vc puder. E os familiares a mesma coisa. Melhor forma de vc ajudar seu familiar também é aprender o máximo que vc puder sobre o diabetes. Até mesmo porque, dependendo do seu grau de parentesco com a pessoa, pode ser que vc tenha uma certa propensão genética para desenvolver o diabetes vc mesmo.

Outra forma de ajudar é entrar junto na dieta com o seu familiar. Além de vc estar fazendo um bem para si mesmo, tendo hábitos alimentares saudáveis, que vão retardar ou diminuir as chances de vc ter problemas de saúde no futuro, vc também ajuda a pessoa que já sofre a doença a controlar melhor a alimentação. E esse controle da alimentação é o principal passo para o controle do diabetes.

Outra forma de vc ajudar o seu familiar é incentivando a pessoa a fazer atividades físicas. Vai fazer caminhada com a pessoa. Acompanha na academia. Começar fazer atividade física é complicado, se vc tiver uma companhia para começar, sempre é bacana.

O diabetes geralmente é uma doença bem solitária, o apoio da família é primordial. Ela é cheia de altos e baixos e às vezes esses altos e baixos se refletem no humor da pessoa, do diabético. E muitas vezes as pessoas não entendem o quão difícil é encarar uma doença complicada como o diabetes. Vai ter dias que a pessoa vai acordar super bem. E é interessante vc ser compreensivo e procurar dar um apoio emocional para essa pessoa.

Em resumo, procure saber mais sobre o diabetes, e procure apoiar o seu familiar doente no que é necessário para controlar o diabetes.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Tecnologia: Tripod Ulanzi MT-08

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo terceiro dia (183.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. Isso se eu não considerar os 15 dias das minhas férias de junho do ano passado. E só para lembrar vcs, eu estou escrevendo este texto na primeira semana de setembro. Minhas esperanças de voltar ao trabalho presencial ainda este ano começam a se esvair sabe.

Esses dias me bateu uma bad fenomenal, eu tive que ir até o trabalho assinar uns papéis e uns documentos… saudades da meleca viu? Vontade de falar ahhhh dane-se essa merda de vírus, amanhã eu tô aí chefe.

Mas eu não posso por dois motivos, primeiro porque a lei me proíbe, nossos governantes (no meu caso o Prefeito) não querem se responsabilizar pela morte de mais servidores públicos, logo… pela lei… eu tenho que ficar em casa até eles decidirem que eu posso voltar, que é razoavelmente seguro. E segundo porque eu não devo ser irresponsável e colocar a minha saúde bestamente em risco. Eu acho que se eu bater os 250 dias eu mereço uma festa pra comemorar viu…. PQP!

Mas, como sempre nem era disso que eu queria falar no texto de hoje. Bora falar um pouco de trabalho, um pouco de home office, mas bastante de gadgets tecnológicos que com esse negócio de trabalhar em casa se fazem mais que necessários. Eu comentei aqui com vcs que eu quebrei, sem querer, meus dos tripés para celular que eu estava usando para diversas reuniões de trabalho.

Assim que me sobrou uma grana eu entrei no site do Aliexpress e procurei lá uns tripés (ou tripod whatever chamem como quiserem) bacanas e não muito caros para substituir os que eu tinha. E eu acabei escolhendo este modelo o MT-08 da Ulanzi. Vcs podem ver imagens dele lá na galeria… Como numa outra oportunidade eu já havia comprado um gadget dessa marca e eu fiquei bem satisfeita com a qualidade do material utilizado na confecção do trequinho, eu resolvi escolher um tripé dessa marca.

E olha… eu não me arrependo nem um pouco. Ele é todo feito de plástico, apenas os encaixes para os suportes são de metal e a bolinha de regulagem dele. Mas é um plástico de ótima qualidade, não passa aquela impressão de coisa barata, é bem firme e todo emborrachado. Ele também pode ser usado como um pau de selfie, os pés dele abrem e fecham. Quando estão abertos ele tem um equilíbrio muito bom, não fica caindo, nem balançando quando o celular está acoplado nele. E quando estão fechados ele é bem seguro e bem compacto.

Como eu disse vc pode esticar ele e usar como selfiestick, entretanto para mim não é uma funcionalidade essencial. Mas é bacana esse controle de altura porque eu posso colocar ele na minha mesa, e regular a altura do celular para a câmera ficar na altura certa para enquadrar seu rosto, a boca fica mais próxima do microfone do celular, a luz também fica melhor, por conseguinte a imagem e as transmissões têm mais qualidade.

Se vc quiser também utilizar um fone de ouvido, um microfone acoplado, uma iluminação extra ele tem espaço na peça que vai encaixada no tripé para tal. Ele já vem com uma pecinha, com um adaptador que vc encaixa no tripé e prende o celular. Que é aquele comum que vc estica, tem uma mola lá dentro e ele prende o celular. É bem simples, não tem a opção de girar o celular, ele só dá a opção de utilizar o celular em modo paisagem… que é melhor para filmagens em geral.

Mas se vc quiser fazer lives no Instagram ou fazer reuniões e videochamadas no WhatsApp e no Google Meets (que é para o que eu mais uso) com o celular em pé, vc tem que comprar outro adaptador, um que gire 360 graus. Eu falei desse adaptador aqui nesse outro texto. E é com esse suporte 360 também da Ulanzi que eu utilizo meu celular para trabalho. Então assim, se vcs, como eu, estão precisando de uma mão nas reuniões de vcs, estão à procura de um tripé bacaninha eu recomendo este como da Ulanzi para vcs. Eu comprei da China, no Aliexpress. Até que chegou bem depressa, 15 dias. E olha… tá me ajudando muito.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Documentário: Ladi Di – Suas Últimas Palavras

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo segundo dia (182.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. Terceiro e último filme dessa sexta-feira, é mais um documentário. Tem um tempinho já que estreou a quarta temporada de “The Crown” a série que conta a história do Reinado da Rainha Elizabeth II e da família real… uma galera que todo mundo conhece dos jornais, e que teve como uma das figuras mais famosas e queridas a Princesa Diana.

Eu não preciso explicar aqui para vcs quem foi a Princesa Diana, acho que vcs sabem. E a estreia da série foi um sucesso de acessos na Netflix. A propósito crianças, assistam a esta série, ela tem muita coisa de ficção, nem tudo que passa na série aconteceu da forma que os roteiristas contam, tem muita romantização da coisa, mas independentemente disso a série é legal. E como a série fez um sucesso bem grande, saíram nos serviços de streaming, diversos filmes e documentários tendo a Princesa Diana como foco, para pegar carona no sucesso da série. E um desses documentários é o nossa última dica de filme de hoje. Que é “Lady Di – Suas últimas palavras”. Que é um documentário onde eles mostram cenas da vida da Princesa, em alguns momentos narrados pela voz dela mesma, numa entrevista que ela deu para um escritor que publicou uma biografia sobre ela.

E narra desde o momento em que ela conheceu o Príncipe Charles, até a morte dela num acidente em Paris nos anos 90. Todos os problemas de saúde que ela teve, os problemas com a realeza, com os jornais e com os jornalistas e como as pessoas eram obcecadas por ela e como ela nunca conseguiu entender esta obsessão e como tudo isso fez mal para ela. É interessante, para fechas esta sexta, eu recomendo. Tá na Netflix.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Documentário: Os Segredos de Saqqara

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo primeiro dia (181.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. Segundo filme do dia é um documentário, que estreou na Netflix tem pouco tempo.

Como vcs sabem, eu amo documentários, e eu amo o antigo Egito. E essa estreia da Netflix juntou essas duas coisas. Saqqara é uma planície no Egito, em que foram descobertas trocentas (eu não sei o número ao certo) tumbas, não de reis e rainhas, mas de altos funcionários e da alta classe egípcia com mais de três anos. O que é bacana para caramba, porque… diversas das tumbas descobertas no passado, antes dos arqueólogos chegarem, o túmulo já havia sido saqueado, os hieroglifos danificados… o que diminuiu para caramba as chances dos arqueólogos e historiadores de estudarem o que quer que seja sobre as múmias e sobre a sociedade egípcia de três mil anos atrás.

E eles mostram, durante esse documentário o dia a dia desses pesquisadores, mostram as dificuldades que eles enfrentam, e também seus sucessos… o processo todo de recuperar as múmias e os objetos colocados dentro dessa tumba. Como professora de língua portuguesa e especialista em tradução a parte que eu achei mais legal foi justamente o trabalho da linguista, e do tradutor, quando eles entraram numa tumba lá e ficaram horas, tentando ler e interpretar toda a escrita gravada nas paredes… é bem legal!

Eu particularmente não teria coragem de fazer um trabalho desses, por mais que eu ache fascinante, primeiro porque minha saúde não me permite, segundo porque… mano, aquele deserto, aquele monte de areia, umas catacumbas… o que deve ter de barata, besouro, insetos naquele lugar… Deus me livre! Eu não vou ficar aqui dando detalhes, porque não quero dar spoilers. Por isso segundo filme, segundo texto e o texto vai ser bem curto. E, se vcs como eu, curte esse tipo de conteúdo é um prato cheio. Recomendo para um caramba!

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Filmes: A Vítima Perfeita

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo octogésimo dia (180.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. Chegamos na segunda sexta-feira do ano e bora com algumas dicas de filmes para vcs assistirem neste final de semana. Primeiro filme dessa sexta é “A Vítima Perfeita”, um thriller/suspense de 2009 baseado em fatos, num crime real que aconteceu nos anos 90 na Austrália.

O filme está disponível na Amazon Prime Vídeo, caso vcs queiram assistir. E ele conta a história de um crime. Se vcs jogarem o nome Rachel Barber na internet vcs vão entrar em contato com a história da vida dessa garota e a tragédia que aconteceu com ela e com toda a sua família. Eu não vou falar aqui muito do caso, porque se eu ficar falando do caso eu vou dar spoilers do filme. Por isso, este texto aqui vai ser bem curto. Então assim, sigam a dica… Primeiro assistam um filme, é um filme triste, pesado, não tem final feliz e em alguns momentos ele é bem visceral ok?

E ele narra a história de como uma obsessão doentia, numa pessoa desequilibrada sem supervisão pode se transformar num ato criminoso. Inclusive o filme foi uma ferramenta primordial para a família de Rachel, lutar para manter a criminosa na cadeia. Depois, caso vcs queiram saber mais sobre o caso eu vou deixar o link aqui no blogue, de um dos canais que eu sigo o “Ler Até o Amanhecer”, sobre o caso. Então fica a dica para vcs deste filme, mais tarde voltamos, ainda hoje, com mais umas dicas de filmes para vcs.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Séries: Cobra Kai

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo septuagésimo nono dia (179.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. Hoje sendo aquele dia da semana que falamos de série…

E hoje vamos falar de uma série que apesar de ter despertado a minha atenção logo que ela foi lançada há uns anos, mas que eu só consegui ver agora que a Netflix comprou essa série do YouTube. Eu estou falando da série baseada nos clássicos filmes Karatê Kid dos anos 80 que é “Cobra Kai”. Quem é velho como eu se lembra dos filmes clássicos, do sucesso que ele fez então… o YouTube, através do produtor Robert Mark Kamen, resolveu trazer de volta, apenas para os assinantes a continuação da história.

Começa com uma pergunta, tantos anos depois o que aconteceu com Daniel Larusso (interpretado por Ralph Machio) e com seu arqui-rival Johnny Lawrence (interpretado por William Zabka)? Onde eles estariam? O que eles estariam fazendo de suas vidas? E é isso que a série mostra onde andam esses dois caras 34 anos depois dos acontecimentos do filme original. Infelizmente a série não fez o sucesso que o YouTube esperava, teve poucos acessos (provavelmente porque ela estava disponível apenas para assinantes… vamos e convenhamos que 99% das pessoas que assistem vídeos no YouTube não são assinantes pagos).

Então o YouTube produziu duas temporadas, com oito episódios com duração entre 25 e 30 minutos cada e então resolveu cancelar a série. A Netflix, inteligentemente, viu potencial, comprou a série e produziu a terceira temporada (que deve estrear agora no começo de 2021) e transformou a série numa febre (pelo menos aqui na América Latina).

Uma coisa que eu tenho que destacar aqui neste texto é que diferentemente do filme dos anos 80 que era completamente focado na história e no ponto de vista do personagem Daniel Larusso, a série aborda logo de cara o ponto de vista do cara que no primeiro filme era o vilão, Johnny Lawrence. Mostra Lawrence com uma vida toda zoada, um emprego ruim que ele detesta e que logo de cara é mandado embora, morando num buraco, sem grana, dirigindo o mesmo carro da sua adolescência, com uma ex-mulher alcoólatra e um filho adolescente que o detesta. Um cara que nunca superou e que, em muitos aspectos, ainda vive no passado!

Assim que o espectador fica “íntimo” de Johnny a série mostra como está Larusso e é exatamente o oposto do seu então rival. Casado, apaixonado pela mulher e feliz, ele é dono de uma rede de concessionárias, rico, respeitado na sociedade, pai de dois adolescentes que o amam apesar de, por serem adolescentes, não demostrarem muito. E a sensação que a gente tem é que… a vitória de Larusso no último embate entre ele e Lawrence acabou refletindo na vida e nas escolhas que eles fizeram desde então.

É uma série bem bacana, tem aquela vibe anos 80 para quem curte (como eu hahahaha), e explora mais afundo os personagens, suas questões, suas fragilidades. Procurando trazer esses caras para o mundo real… onde na maioria das vezes não existem pessoas cem por cento boas (vemos o lado feladaputa do Larusso) nem cem por cento ruins (vemos o lado humano do Lawrence) geralmente somos um misto das duas coisas… de vez em quando fazemos boas escolhas, às vezes más escolhas e é isso.

Eu maratonei as duas temporadas da série em dois finais de semana e confesso que estou ansiosa pela estreia da terceira temporada na Netflix. Espero que essa terceira temporada também seja um sucesso para que a gente tenha mais algumas temporadas com as histórias desses personagens. Fica a dica aí para vcs!

PS. Semana passada estreou na Netflix a terceira temporada da série, se vcs ainda não assistiram a nenhuma das temporadas esta é a chance de vcs agora crianças.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Canais do YouTube: Dois Dedos de Teologia

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo septuagésimo oitavo dia (178.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. E hoje é dia de falarmos de Canais do YouTube., o dia que euzinha deixo aqui para vcs dicas de canais que eu acompanho e curto assistir no YouTube.

De uns tempos para cá, meus irmãos e eu resolvemos assinar ao YouTube Premium, então não tem mais os anúncios, tem acesso a certos conteúdos específicos por conseguinte a gente tem consumido muito mais conteúdo da plataforma. Aliás, aqui em casa, com exceção de alguns programas específicos, a internet definitivamente tomou o lugar da televisão. Quando a gente quer obter conhecimento, informação… esquece televisão. Aqui em casa é internet.

E vira e mexe na internet e no YouTube eu conheço uns canais legais. E o Canal que eu vou deixar de dica aqui para vcs é o Canal Dois Dedos de Teologia, do teólogo e pastor Yago Martins. Antes de falar do que se trata o canal… vou deixar bem claro aqui que nem todos os canais que eu indico aqui no blogue refletem as minhas crenças, beleza? Mas todos eles são canais de pessoas que são abertas a um debate respeitoso num mundo de ideias.

Uma das coisas bacanas desse canal é que ele discute várias questões do cristianismo do ponto de vista de estudos teológicos, linguísticos, históricos, etc. E claro, ele expõe a opinião dele sobre essas questões. Como eu já disse, e repito, nem todas as opiniões refletem a minha opinião, eu não concordo com muita coisa que o Yago fala. Apesar de ambos sermos cristãos, temos visões diferentes de certos pontos da bíblia, do evangelho de Jesus, entre outras coisas. Mas é bacana porque a gente só aprende a pensar, apenas evoluímos quando somos confrontados com ideias diferentes das nossas.

Outra coisa que eu curto bastante nesse canal é que ele sempre tenta trazer nos vídeos temas que vira e mexe enchem as nossas cabeças de dúvidas, coisa que muito cristão não compreende e gostaria de compreender, mas que nunca parou para raciocinar sobre aquele tema, não estudou, não teve nenhuma orientação do seu líder religioso. Ou seja, a parte legal é aquele tema colocar vc para pensar! Às vezes são sobre temas bíblicos, mas acaba abrangendo também temas bem atuais, que a gente vê na TV e coloca a pulga atrás da nossa orelha.

A maioria das igrejas, das religiões quer que vc permaneça na ignorância. Quantas vezes eu questionei uma coisa ou outra e a resposta que eu obtive foi “porque sim”, “porque Deus quis” ou pior “vc tá questionando a palavra/vontade de Deus menina?”. Felizmente para mim, eu tive uma mãe que sempre me incentivou a questionar sim, a questionar bastante a tudo e todos. As coisas sempre têm um porquê, minha mãe dizia, e antes de vc decidir se vc concorda ou não com esta, ou aquela forma de pensar, forma de agir, tenha certeza do porquê que está por trás de tudo aquilo.

E é por isso que eu curto esse canal, ele traz muitas respostas para muitos porquês que podem estar girando na cabeça das pessoas. E ele te instiga a pensar de forma crítica e não a aceitar cegamente o “porque sim”. Os melhores vídeos do canal na minha opinião são os sobre política e políticos, e também os vídeos que ele aborda temas atuais e como os ensinamentos da bíblia, baseados em fundamentos filosóficos e históricos se aplicam a certas questões nos dias de hoje.

Se vc não for cristão, e não se interessar pelo tema, beleza, pode pular essa dica, este blogue é um espaço laico hahahahaha vc pode acreditar no que quiser (ou não acreditar em nada se não quiser) independente disso continuamos amigos, certo? Entretanto, se vc, mesmo não sendo cristão tem curiosidade de saber como os cristãos encaram e entendem certas coisas. Dá uma olhada lá, escolhe uns vídeos. Pode ser que vc curta, não sei.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.

Eu matei meu Smartwatch Afogado!

Fala terráqueos como vão vcs? Cês tão legais? Espero que sim… Eu tô legal… Aqui estamos nós em nosso centésimo septuagésimo sétimo (177.º para vcs não perderem a conta) e vigésima sexta semana de distanciamento social. Olha, deixa eu contar para vcs, quando a pessoa dá para ser azarada… não tem jeito.

Até ontem eu tinha um smartwatch bem bacana, que eu curtia para caramba o Amazfit Verge (eu resenhei ele aqui no blogue para vcs). Ele foi comprado por volta de agosto de 2019 e em janeiro de 2020, após usar ele uns meses eu fiz a resenha. Acontece que essa semana (tô escrevendo este texto em setembro de 2020) um ano e um mês, depois de eu ter comprado meu relógio, com o qual eu estava bem feliz, deixa eu registrar isso aqui, eu simplesmente matei meu Verge afogado!

Eu fui ler a resenha do danado que eu escrevi há um ano e eu coloquei lá que ele não era à prova d’água. Que ele tinha proteção apenas à respingos. Era uma coisinha nele que eu não curtira, mas eu pensei, ahhh, de boa, eu tiro ele do braço quando for tomar banho, lavar a louça e é isso… Mas mano, o que eu fiz foi monumentalmente burro. Eu fui tomar banho, tirei ele do braço e em vez de colocar na mesa de cabeceira como sempre e aproveitar para carregar o que eu fiz? Eu coloquei no bolso da bermuda que eu tava vestindo.

Daí eu peguei toda a minha roupa suja, inclusive a dita cuja da bermuda e joguei na máquina de lavar, depois que lavou eu joguei na máquina de secar. E o relógio lá no bolso da bermuda. Ou seja, amigos, eu lavei e sequei um relógio que não era a prova d’água e meu relógio faleceu! Então assim galera… o relógio era bem bacana, mas se vcs forem distraídos como eu, melhor coisa que vcs fazem é comprar um relógio à prova d’água que sobreviva à máquina de lavar beleza? Não cometam a mesma gafe que eu.

Por enquanto eu tô só com minha pulseira smart a Garmin VivoSmart HR que eu já tenho tem uma cara, para monitorar meus exercícios, tal e mais para frente eu vou pesquisar um relógio Smart novo e comprar um para mim. Prometo para vcs que assim que eu comprar um gadgetzinho novo eu resenho aqui para vcs. Requisito específico, entretanto, é que tem que ser à prova d’água hahahahaha.

Vou terminando este post por aqui… Espero ver vcs no próximo texto! Se vc curtiu o texto clique aí na estrelinha, compartilhe com seus amigos e se vc também tem um blogue, deixa aí embaixo nos comentários que eu adoraria conhecer o blogue de vcs!

Abraços, Shao.